Adolescência e Drogas: Representações Sociais e Atribuições de Causalidade ao Uso

Ivana Lauffer Corrêa, Jean Paulo da Silva, Andréa Barbará da Silva Bousfield, Andréia Isabel Giacomozzi

Resumo


Tratou-se de um estudo descritivo e comparativo com a participação de 262 adolescentes de ambos os sexos estudantes do ensino médio de cinco cidades do sul do Brasil. Foi utilizado um questionário estruturado composto por questões abertas e fechadas e técnica de Evocação Livre de Palavras para investigação das representações sociais. Os resultados indicam que para os participantes a representação social das drogas se organiza em torno de um núcleo central composto por ideias ligadas às consequências do uso como: vício, tráfico, dependência, destruição e violência. Também estão presentes elementos como maconha, álcool e remédios. A zona periférica da representação apresenta sobretudo elementos negativos associados à desdobramentos do vício associados à morte, problemas de saúde e familiares. Para os adolescentes a noção de droga se estrutura principalmente em torno dos elementos vício, maconha e morte. Para eles, o que leva alguém a usar drogas é a influência de outras pessoas, problemas familiares, curiosidade, necessidade de aceitação entre os pares, e falta de informação. Conclui-se que para o enfrentamento dos problemas decorrentes do uso de drogas na sociedade, há necessidade de desenvolvimento de programas de intervenção educacional que considerem o pensamento social produzido pelos diferentes grupos sociais.


Palavras-chave


Adolescentes; Drogas; Saúde mental; Conhecimento.

Texto completo:

PDF

Referências


Abric, J. C. (1998). A abordagem estrutural das representações sociais. In A. S. P. Moreira, & D. C. Oliveira (Orgs.), Estudos interdisciplinares de representação social (pp. 27-38). Goiânia: AB.

Abric, J. C. (2003). La recherche du noyau central et de la zone muette des représentations sociales. In J. C. Abric (Org.), Méthodes d’étude des représentations sociales (pp. 59-80). Ramonville Sant-Agne: Érès.

Andrade, S. F. O., Alves, R. S. F., & Bassani, M. H. P. A. (2018). Representações sociais sobre as drogas: um estudo com adolescentes em conflito com a lei. Psicologia: Ciência e Profissão, 38(3), 437-449. doi: 10.1590/1982-37030000742017

Bastos, F. I. P. M., Vasconcellos, M. T. L., De Boni, R. B., Reis, N. B., & Coutinho, C. F. S. (Orgs.). (2017). III Levantamento Nacional sobre o uso de drogas pela população brasileira. Rio de Janeiro: FIOCRUZ/ICICT. Recuperado de https://www.arca.fiocruz.br/handle/icict/34614

Blaudt, V. L., & Rangel, M. (2018). Diálogos exequíveis entre representações sociais e outros paradigmas da psicologia social. Psicologia & Sociedade, 30, 1-10. doi: 10.1590/1807-0310/2018v30184257

Carlini, E. L. A., Noto, A. R., Sanchez, Z. V. M., Carlini, C. M. A., Locatelli, D. P., Abeid, L. R., ... Moura, Y. G. (2010). VI Levantamento Nacional sobre o Consumo de Drogas Psicotrópicas entre Estudantes do Ensino Fundamental e Médio das Redes Pública e Privada de Ensino nas 27 Capitais Brasileiras. São Paulo: CEBRID - Centro Brasileiro de Informações sobre Drogas Psicotrópicas, UNIFESP - Universidade Federal de São Paulo. Recuperado de https://www.cebrid.com.br/wp-content/uploads/2012/10/VI-Levantamento-Nacional-sobre-o-Consumo-de-Drogas-Psicotr%C3%B3picas-entre-Estudantes-do-Ensino-Fundamental-e-M%C3%A9dio-das-Redes-P%C3%BAblica-e-Privada-de-Ensino-nas-27-Capitais-Brasileiras.pdf

Campos, P. H. F., & Rouquette, M.-L. (2003). Abordagem estrutural e componente afetivo das representações sociais. Psicologia: Reflexão e Crítica, 16(3), 435-445. Recuperado de: http://www.scielo.br/pdf/prc/v16n3/v16n3a03.pdf

Czeresnia, D. (2003). O conceito de saúde e a diferença entre prevenção e promoção. In: Czeresnia, D., & Freitas, C. M. (Orgs.). Promoção da saúde: conceitos, reflexões, tendências (pp. 39-53). Rio de Janeiro: Ed. Fiocruz.

Essau, C. A. (2011). Comorbidity of substance use disorders among community based and high-risk adolescentes. Psychiatry Research, 185, 176-184. doi: 10.1016/j.psychres.2010.04.033

Facundo, G. (2005). Adquisición del uso de alcohol em um grupo de adolescentes mexicanos: el efecto de la relación com amigos. SMAD – Revista Eletrônica Saúde Mental Álcool e Drogas, 1(2), 1-13. Recuperado de http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1806-69762005000200003

Flament, C. (2001). Estrutura e dinâmica das representações sociais. In D. Jodelet (Org.). As representações sociais (pp. 173-186). Rio de Janeiro: UERJ.

Flament, C., Guimelli, C., & Abric, J.-L. (2006). Effets de masquage dans l’expression d’une représentation sociale. Cahiers Internationaux de Psychologie Sociale, 69, 15-31. doi: 10.3917/cips.069.0015

Fonseca, F. F., Sena, R. K. R., Santos, R. L. A., Dias, O. V., & Costa, S. M. (2013). As vulnerabilidades na infância e adolescência e as políticas públicas brasileiras de intervenção. Rev Paul Pediatr, 31(2), 258-264. doi: 10.1590/S0103-05822013000200019

Giacomozzi, A. I. (2011). Representações sociais da droga e vulnerabilidade de usuários de CAPSad em relação às DST/HIV/AIDS. Estudos e Pesquisas em Psicologia, 11(3). Recuperado de http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1808-42812011000300004

Giacomozzi, A. I., Itokasu, M. C., Figueiredo, C. D. S., Luzardo, A. R., & Vieira, M. (2012). Levantamento sobre uso de álcool e outras drogas e vulnerabilidades relacionadas de estudantes de escolas públicas participantes do Programa Saúde do Escolar/Saúde e Prevenção nas escolas no município de Florianópolis. Saúde e Sociedade, 21(3), 612-622. doi: 10.1590/S0104-12902012000300008

Hewstone, M. (2001). Representações sociais e causalidade. In D. Jodelet (Org.), as representações sociais (pp. 217-240). Rio de Janeiro: EdUERJ.

Jodelet, D. (1984). Répresentation sociale: phénomènes, concept et théorie. In S. Moscovici (Ed.), Psychologie sociale (pp. 363-384). Paris: P.U.F.

Jodelet, D. (2001). Representações sociais: um domínio em expansão. In D. Jodelet (Org.). As representações sociais. Rio de Janeiro: EdUERJ.

Kristjansson, A. L., Sigfusdottir, I. D., Allegrante, J. P., & Helgason, A. R. (2008). Social correlates of cigarette smoking among Icelandic adolescents: a population-based cross-sectional study. BMC Public Health, 8(1), 86. Recuperado de https://bmcpublichealth.biomedcentral.com/track/pdf/10.1186/1471-2458-8-86

Malta, D. C., Sardinha, L. M. V., Mendes, I. Barreto, S. M., Giatti, L., Castro, I. R. R., ... Crespo, C. (2010). Prevalência de fatores de risco e proteção de doenças crônicas nas transmissíveis em adolescentes: resultados da Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar (PeNSE), Brasil, 2009. Ciência & Saúde Coletiva, 15(supl. 2), 3009-3019.

Marchand, P., & Ratinaud, P. (2012). L'analyse de similitude appliqueé aux corpus textueles: les primaires socialistes pour l'election présidentielle française. In Actes des 11eme Journées internationales d'Analyse statistique des Données Textuelles. JADT 2012 (pp. 687-699). Liège, Belgique. Recuperado de http://lexicometrica.univ-paris3.fr/jadt/jadt2012/Communications/Marchand,%20Pascal%20et%20al.%20-%20L%27analyse%20de%20similitude%20appliquee%20aux%20corpus%20textuels.pdf

Melo, J. R. F. (2013). Representações sociais de dependentes químicos acerca do crack, do usuário de drogas e do tratamento. Dissertação de mestrado, Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, PB. Recuperado de https://repositorio.ufpb.br/jspui/handle/tede/7113

Minto, E. C., Pedro, C. P., Netto, J. R. C., Bugliani, M. A. P., & Gorayeb, R. (2006). Ensino de habilidades de vida na escola: uma experiência com adolescentes. Psicologia em Estudo, 11(3), 561-568. doi: 10.1590/S1413-73722006000300012

Moliner, P. (1994). Les méthodes de répérage et d'identification du noyau des representations sociales. In C. Guimelli (Org.), Structures et Transformations des Representations Sociales. Neuchâtel: Delachaux et Niestlé

Moliner, P. (2009). Attribution causale et représentations sociales. In P. Rateau & P. Moliner (Orgs.), Représentations sociales et processus sociocognitifs (pp. 69-84). Rennes, FR: Press Universitaires de Rennes.

Oliveira, J. F., Rodrigues, A. S., Porcino, C. A., & Reale, M. J. O. U. (2016). Imaginário de presidiárias sobre o fenômeno das drogas. Revista Eletrônica de Enfermagem, 18. doi: 0.5216/ree.v18.31072

Organización Mundial de la Salud – OMS. (1995). La salud de los jovens: um reto y uma esperanza. Ginebra: OMS; 1995. p.120. Recuperado de https://apps.who.int/iris/bitstream/handle/10665/37632/9243561545-spa.pdf?sequence=1&isAllowed=y

Ratinaud, P. (2009). IRAMUTEQ: Interface de R pour les analyses multidimensionnelles de textes et de questionnaires [Computer software].

Santos, M. F. S., Acioli Neto, M. L., & Sousa, Y. S. O. (2012). Representações sociais do crack na imprensa pernambucana. Estudos de Psicologia, 29(3), 379-386. doi: 10.1590/S0103-166X2012000300008

Seleghim, M. R., Marangoni, S. R., Marcon, S. S., & Oliveira, M. L. F. (2011). Vínculo familiar de usuários atendidos em uma unidade de emergência psiquiátrica. Revista Latino-Americana de Enfermagem, 19(5). doi: 10.1590/S0104-11692011000500014

Schenker, M., & Minayo, M. C. S. (2005). Fatores de risco e de proteção para o uso de drogas na adolescência. Ciência & Saúde Coletiva, 10(3), 707-717. doi: 10.1590/S1413-81232005000300027

Sierra, V. M., & Mesquita, W. A. (2006). Vulnerabilidades e fatores de risco na vida de crianças e adolescentes. São Paulo em Perspec, 20(1), 148-55. Recuperado de http://produtos.seade.gov.br/produtos/spp/v20n01/v20n01_11.pdf

Silva, S. É. D., & Padilha, M. I. (2013). O alcoolismo na história de vida de adolescentes: uma análise à luz das representações sociais. Texto & Contexto – Enfermagem, 22(3), 576-84. doi: 10.1590/S0104-07072013000300002

Soares Filho, W. (2017). Memória e representações sociais sobre drogas e redução de danos de usuários e equipe multiprofissional de um CAPS AD (Dissertação de mestrado). Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia, Vitória da Conquista, BA.

Sousa, Y. S. O. (2017). Drogas e normalização uma análise psicossocial desde a perspectiva das representações sociais (Tese de doutorado). Universidade Federal de Pernambuco, Recife, PE. Recuperado de https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/23777

UNODC (ONU). (2008). Relatório Anual do Escritório das Nações Unidas sobre drogas e crimes. Recuperado de http://www.unodc.org/documents/wdr/WDR_2008/WDR_2008_eng_web.pdf

Vergès, P. (1992). L’évocation de l’argent: une méthode pour la définition du noyau central de la représentation. Bulletin de Psychologie, 45, 203-209.

Vergès, P., Junique, C., Barbry, W., Scano, S., & Zeliger, R. (2002). Ensembles de programmes permettant l'analyse de similitude de questionnaires et de données numeriques. Aix en Provence, France: Université Aix en Provence

Wachelke, J., & Wolter, R. (2011). Critérios de construção e relato da análise prototípica para representações sociais. Psicologia Teoria e Pesquisa, 27(4), 521-526. doi: 10.1590/S0102-37722011000400017




DOI: http://dx.doi.org/10.17058/psiunisc.v4i2.14941

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons

Esta obra está licenciada com


Disponibilidade para depósito: permite o depósito das versões pré-print e pós-print de um artigo

Flag Counter