“NÃO TOQUE EM MIM NA SEGUNDA-FEIRA”: DIFERENÇA, ABJEÇÃO E IDENTIDADE EM UM PROJETO DE EXTENSÃO NO CAMPUS PANTANAL DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO DO SUL

Tiago Duque

Resumo


Este relato de experiência foca no projeto de extensão “Encontros de Leituras Sobre Gênero e Sexualidade”, realizado no Campus Pantanal, da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, em 2014 e 2015. A coordenação da ação foi realizada por acadêmica do curso de psicologia, sob a minha orientação. Aqui apresento o histórico e o desenvolvimento das atividades, assim como os efeitos da visibilidade dos encontros no contexto local. Discuto, no viés pós-estruturalista, o quanto as questões de gênero e sexualidade, além de serem temas do projeto, também nos ajudam a avaliar a baixa assiduidade das trinta e seis pessoas que frequentaram esporadicamente os quinze encontros. A aversão à abjeção, isto é, ao não reconhecimento positivo das performances de gênero e das sexualidades que não correspondem necessariamente à matriz de inteligibilidade “‘sexo’ = gênero = desejo” é apontada como um fator importante para a avaliação da experiência e do próprio contexto cultural da fronteira Brasil-Bolívia.

Palavras-chave


Diferença; Abjeção; Identidade; Fronteira; Extensão

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.17058/rea.v25i1.7858

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.


Disponibilidade para depósito: permite o depósito das versões pré-print e pós-print de um artigo