O gaúcho campeiro e o problema da realidade: elementos para uma teoria fenomenológica da identidade gaúcha

Autores

  • João Carlos Correia Universidade da Beira Interior
  • Tiago Costa Martins Universidade Federal do Pampa - UNIPAMPA

DOI:

https://doi.org/10.17058/rzm.v1i2.4063

Palavras-chave:

identidades- realidades múltiplas- gaúcho campeiro

Resumo

A partir de um exercício metodológico de tipo ideal este artigo tem por objetivo compreender a dinâmica das múltiplas realidades que envolvem o mundo social, especialmente no mundo dos gaúchos campeiros oriundos do interior do Rio Grande do Sul, Brasil. A compreensão da fenomenologia social, através do ensaio de Alfred Schutz sobre a obra de Miguel de Cervantes, Dom Quixote, é a base comparativa para entender como o contexto social, as interações em co-presença e as interações mediadas são elementos que compõe o processo de construção da realidade. O estudo empírico realizado com os gaúchos do meio rural, especialistas nas atividades pastoris, destaca uma realidade particular e positiva para o entendimento do território, do desenvolvimento e da condição de vida. Os resultados sob o ponto de vista fenomenológico são pertinentes ao se analisar o contexto social e as interações estabelecidas no “âmbito de significado finito” na vida desses agentes sociais.

Biografia do Autor

João Carlos Correia, Universidade da Beira Interior

Departamento de Comunicação e Artes comunicação e esfera pública ; cultura e tecnologia

Tiago Costa Martins, Universidade Federal do Pampa - UNIPAMPA

Professor do Curso de Relações Públicas – ênfase em produção cultural, Universidade Federal do Pampa - UNIPAMPA. Doutorando no Programa de Pós-graduação em Desenvolvimento Regional, Universidade de Santa Cruz do Sul – UNISC.

Downloads

Publicado

2013-12-30

Edição

Seção

Artigos