Iconologia dos intervalos, limiares cartográficos

Autores

  • Daniel Melo Ribeiro PUC-SP

DOI:

https://doi.org/10.17058/rzm.v5i1.6816

Palavras-chave:

imagem, mapas, cartografia, Aby Warburg

Resumo

Este artigo resgata a relevância do pensamento de Aby Warburg para a compreensão das imagens no campo da comunicação. São discutidos os conceitos de “pós-vida” (nachleben) e de “fórmula de pathos” (pathosformel), centrais na constituição da “iconologia dos intervalos” desse pensador alemão. Partindo das conexões abertas por Warburg em seu Atlas Mnemosyne, esta investigação procura se aprofundar nas aplicações dessa metodologia para o estudo de mapas. Levantamos a hipótese de que a distorção da linguagem cartográfica nos abre a possibilidade de potencializar as funções heurísticas dos mapas, despertando um saber imaginativo sobre a heterogeneidade do espaço. Para demonstrar esses dois conceitos, será analisada uma obra de arte chamada “A Longa Marcha” do artista Qin Ga, que explora a linguagem cartográfica no contexto das artes contemporâneas. As discussões serão amparadas por autores como Agamben e Didi-Huberman.

Biografia do Autor

Daniel Melo Ribeiro, PUC-SP

Departamento de Comunicação e Semiótica

Downloads

Publicado

2017-07-05

Edição

Seção

Seção Livre