Reconhecimento das invariâncias por neurônios reciclados

Leonor Scliar-Cabral

Resumo


Neste artigo, abordarei várias evidências empíricas trazidas pelas neurociências que comprovam a base neuropsicológica de construtos defendidos pela linguística moderna, em particular, o de invariância. A ênfase, porém, será voltada para a realidade psicológica das invariâncias dos traços que constituem as letras, a partir dos vários experimentos que têm sido realizados mais recentemente pelas neurociências. Abordarei a invariância espacial e a invariância de fonte e encerro o artigo com a descrição dos traços invariantes que diferenciam as letras no alfabeto latino.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.17058/signo.v34i57.1199

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.


Disponibilidade para depósito: permite o depósito das versões pré-print e pós-print de um artigo