Um roteiro teórico-literário para pensar o papel da narração oral hoje

Gilka Girardello

Resumo


Este trabalho reflete sobre um conjunto de referências teóricas e literárias que consideramos úteis para uma abordagem à narração oral enquanto possibilidade poética e forma artística no cenário cultural contemporâneo. Para a escolha dessas referências, todas clássicas em diferentes campos de estudos narrativos, pautamo-nos pela sua possível pertinência em relação aos debates em circulação em alguns dos contextos empíricos onde se estuda e conta histórias, hoje, no Brasil. Indicamos, assim, a importância dos conceitos de arte verbal e performance (Richard Bauman e Paul Zumthor), da relação entre narrativa e memória cultural (Lyotard) e da abertura à emergência de novas narratividades, sugerida por Ricoeur, Kearney, Didi-Huberman e Gagnebin a partir de suas leituras do clássico ensaio "O Narrador", de Walter Benjamin. Buscando contribuir para valorizar práticas como o contar histórias, cuja presença nas escolas e em outros espaços culturais brasileiros é crescente, e apoiar a constituição de parâmetros de pesquisa ético-estética cada vez mais elevados nesse campo, conclui-se afirmando a singularidade do papel da narração oral nas mediações exigidas pela complexa teia cultural contemporânea.

Palavras-chave


Narrativa. Histórias. Oralidade. Performance. Arte Verbal.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.17058/signo.v39i66.4924

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.


Disponibilidade para depósito: permite o depósito das versões pré-print e pós-print de um artigo