Enunciar desde nossos lugares, “para que nuestra identidad no se vaya al abismo”

Ella Bispo, Alcione Alves

Resumo


Este estudo busca compreender a função do grito em processos de construções identitárias de sujeitos femininos afroamericanos. Para tanto, admite-se que examinar a reivindicação da voz em poemas afroamericanos exige, necessariamente, discutir as possibilidades e limites a esta mesma voz. Isso implica, conforme nossa leitura do ensaio Can the subaltern speak?, de Gayatri Chakravorty Spivak, discutir possibilidades e limites a uma enunciação desde um lugar feminino afroamericano, enquanto lugar de subalternidade. Assim, apresentamos uma interpretação possível ao poema “África Grita”, de Lucrecia Panchano, integrante da Antología de mujeres poetas afrocolombianas (2010), desenvolvendo-a comparativamente a um corpus da poesia e da ensaística afroamericana. Este estudo tem sido elaborado no âmbito do Projeto de Pesquisa Teseu, o labirinto e seu nome, vigente na Universidade Federal do Piauí.

Palavras-chave


Grito. Lugar(es) de enunciação. Construções identitárias afroamericanas. Subalternidade. Lucrecia Panchano: poesia.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.17058/signo.v40i69.5984

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.


Disponibilidade para depósito: permite o depósito das versões pré-print e pós-print de um artigo