A importância da leitura e da imaginação na infância: uma leitura de La Rogativa, de Augusto Roa Bastos

Fabiane Verardi Burlamaque, Alexandra Verardi Burlamaque, Pedro Afonso Barth

Resumo


O presente artigo tem como norteamento central conduzir a uma possível leitura do conto La rogativa, do autor paraguaio Augusto Roa Bastos, tendo o objetivo de refletir sobre infância, literatura e oralidade. A presente pesquisa justifica-se devido à pertinência de dar maior visibilidade à Literatura Paraguaia. Este trabalho compreende uma interface entre a psicanálise winnicottiana e os estudos literários, especialmente ancorados nos estudos de Michèle Petit (2008). A narrativa do conto trata da trajetória de uma menina chamada Poilú, vítima da fome, da seca e da degradação, uma criança que não tinha o direito de vivenciar sua infância até encontrar um adulto que a apresentou a um mundo de lendas e magia. Concluímos que o conto não somente denuncia a realidade da seca, do abandono da população à sua própria sorte, mas também, o dano irreversível que a falta de fantasia, leitura e imaginação causam aos indivíduos.

Palavras-chave


Literatura Hispano Americana. Literatura. Infância.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.17058/signo.v40i69.5994

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.


Disponibilidade para depósito: permite o depósito das versões pré-print e pós-print de um artigo