Figuratividade: o complexo elo entre as palavras e as coisas

Ada Lima Ferreira de Sousa, Marcos Antonio Costa

Resumo


Este artigo trata do conceito de figuratividade no âmbito dos estudos cognitivos da linguagem. Apresenta a polarização, herdada dos gregos antigos, entre o que se convencionou como figurativo e literal, o que resultou no entendimento de que pensamento e linguagem são inerentemente literais. Nessa concepção, o figurativo seria um recurso não natural, propositadamente utilizado como estratégia estilística. Assim, o uso da figuratividade passou a ser associado a prejuízos à suposta transparência da linguagem e dos significados a ela inerentes. Embora essa concepção não tenha sido suplantada, as perspectivas cognitivas contemporâneas que tratam do fenômeno linguístico como sendo intrínseco à cognição oferecem-nos uma outra visão acerca da figuratividade. A Teoria Neural da Linguagem, em particular, tem reforçado, teórica e empiricamente, a compreensão acerca dos mecanismos cognitivos envolvidos na construção de sentidos. De igual relevância, esse arcabouço teórico tem apresentado evidências de que as experiências corpóreas estão na raiz da construção de parte das estruturas mentais evidenciadas no uso da linguagem, de modo que a natureza peculiar de nosso corpo contribui para as peculiaridades de nosso sistema conceptual. A integração entre corpo e mente, de modo que emoções e abstrações devem ser conceptualizadas a partir de elementos mais concretos, de base corpórea, oferece novos contornos à explicação para o fenômeno linguístico da figuratividade.

Palavras-chave: Figuratividade. Cognição. Teoria Neural da Linguagem.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.17058/signo.v41i70.6118

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.


Disponibilidade para depósito: permite o depósito das versões pré-print e pós-print de um artigo