Literatura brasileira: dependência e libertação

Célio Antonio Sardagna

Resumo


O presente artigo discute aspectos relacionados à Literatura Brasileira, na sua trajetória entre uma produção que seguia os modelos ditados pela Europa e sua busca de independência, na medida em que os autores buscaram uma autonomia, apropriando-se da realidade nacional como inspiração. Nesse sentido, procura-se compreender essa busca de autonomia à luz do conceito de entre-lugar, cunhado este por Silviano Santiago, nos anos setenta. Durante muito tempo, a literatura brasileira – como também as demais literaturas latino-americanas em si – foram consideradas inferiores, por isso, marginalizadas, já que superior era considerada a literatura europeia. O grito de independência da literatura brasileira, em relação à da Europa, deu-se com o advento do Modernismo, o qual enxergou na realidade e na linguagem brasileira a fonte de expressão artístico-literária. A partir de então, concebendo o elemento nacional como fonte, a expressão literária brasileira passa a ocupar o seu lugar, a traçar seu destino.

Palavras-chave


Literatura Brasileira. Dependência. Libertação. Entre-lugar. Modernismo.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.17058/signo.v40i69.6555

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.


Disponibilidade para depósito: permite o depósito das versões pré-print e pós-print de um artigo