A literatura e suas modalidades de amor: um enfoque psicanalítico

Autores

  • Ernesto Söhnle Universidade de Santa Cruz do Sul

DOI:

https://doi.org/10.17058/signo.v40i69.6572

Palavras-chave:

Amor.Literatura. Psicanálise.

Resumo

A psicanálise sempre precisou da arte, em especial da literatura, mas também, das artes plásticas e cênicas para revelar o que a teoria não consegue ver, por representar as estruturas e procedimentos do funcionamento psíquico e social. Nestes termos, Lacan vai ler este amor primordial, que é o amor pela própria imagem, sob o signo do mito de Narciso, assim como o amor transferencial, tematizado por Freud, será conjugado sob o signo do Banquete, seja como suposição de saber, que nada sabe além do desejo de Alcebíades por Agatão, seja como discurso do mestre, por alocar o amor philia no lugar do agalmasedutório. A psicanálise, também vai abordar o amor trágico a partir da lição de Antígona, aquela que deu até aquilo que não tinha, em nome da dignidade humana. Já o amor-paixão será articulado sob a rubrica do bovarismo, expressão romântica de uma aspiração amorosa que, em malogro, vai desembocar na melancolia, como antessala da morte. O amor cômico, na pena de Molière, será o amor que rebaixa o Outro, justamente para que o sujeito não se obrigue a morrer de amor. O amor ao pensamento será articulado nos termos daquele que ama o próprio amor, cujo modelo será o amor cortês provençal. Enfim, no derradeiro Lacan, será o amor de Beatriz que iluminará o caminho sublimatório de Dante em direção à significação vazia do amor eterno. Por tudo isto Lacan irá nos lembrar, em sua homenagem a Marguerite Duras, que o artista sempre irá preceder o psicanalista nos trilhamentos do inaudito, tanto no que se refere ao saber, quanto ao amor...

Biografia do Autor

Ernesto Söhnle, Universidade de Santa Cruz do Sul

Doutor em Educaçãopela Universidade Federal do Rio Grande do Sul e professor-pesquisador de pós-doutorado, junto ao Departamento de Pós-Graduação em Letras da Universidade de Santa Cruz do Sul.

Downloads

Publicado

2015-07-04

Edição

Seção

vol. 40, nº 69 - Lugares na/da narrativa hispano-americana