A expressão conectiva na verdade: contribuições para uma abordagem polifônica dos conectores reformulativos

Gustavo Ximenes Cunha, Janice Helena Chaves Marinho

Resumo


Neste trabalho, partimos de estudos que analisaram o papel conectivo da expressão na verdade, para mostrar que essa expressão tem atuação importante na maneira como o locutor representa, em seu discurso, outros discursos ou outras vozes. Adotando o Modelo de Análise Modular do Discurso como referencial teórico e metodológico, estudamos o papel de na verdade na forma de organização polifônica de um artigo de opinião e de um debate eleitoral. Como resultados, temos que a expressão pode funcionar como marca de discurso implicitado polifônico, quando o locutor retoma discursos com origem na voz de personagens, e como marca de discurso implicitado diafônico, quando o locutor retoma discursos com origem na voz do interlocutor. Como marca de discurso implicitado polifônico, na verdade reforça informações dadas previamente, com o fim de conquistar a adesão do leitor ou ouvinte. Mas, como marca de discurso implicitado diafônico, a mesma expressão funciona como um recurso para atacar, rejeitar ou colocar sob suspeita o discurso do interlocutor.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.17058/signo.v42i73.7867

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.


Disponibilidade para depósito: permite o depósito das versões pré-print e pós-print de um artigo