Desenvolvimento de adesivo à base de amido de milho e mandioca

Rosane Furtado Fabrício, Cláudia Mendes Mählmann

Resumo


Amidos de milho e de mandioca nativos foram modificados por oxidação e hidrólise ácida, visando desenvolvimento de adesivos para papel e papelão. A oxidação foi realizada com hipoclorito de sódio (NaOCl) em duas concentrações distintas de cloro ativo presente na solução de agente oxidante. Os produtos obtidos foram utilizados para a preparação de adesivos, comparados com adesivos produzidos com amidos de milho e mandioca sem modificação, e com adesivos comerciais à base de acetato de polivinila (PVA). Para a hidrólise ácida, foram utilizadas duas diferentes metodologias para modificação do amido de milho e de mandioca, ambas utilizando ácido fosfórico (H3PO4), para obtenção de dextrinas e posteriormente utilização na produção de adesivos comparando também aos adesivos comerciais de base petroquímica. Com as diferentes modificações (via oxidação e hidrólise ácida) dos amidos, obtiveram-se adesivos baseados em matérias-primas renováveis que aliam biodegradabilidade, baixo custo e disponibilidade.

Palavras-chave


Amido de milho;Amido de mandioca; Adesivo

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.17058/tecnolog.v18i1.3836

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.


Disponibilidade para depósito: permite o depósito das versões pré-print e pós-print de um artigo