PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DOS PACIENTES ACOMPANHADOS POR ACADÊMICOS DA FISIOTERAPIA NA ATENÇÃO PRIMÁRIA DE SAÚDE DURANTE A PANDEMIA DA COVID-19

Bruna Luiza da Cunha, Éboni Marilia Reuter

Resumo


Introdução: A síndrome respiratória aguda grave causada pelo vírus SARS-CoV-2, conhecida mundialmente como COVID-19, apresenta uma taxa de mortalidade menor quando comparada com outros vírus da família, porém sua taxa de infecção é 10 vezes mais alta, principalmente em pacientes com idade avançada ou com alguma doença crônica, entre eles, doenças cardíacas, respiratórias e alterações no sistema imunológico. A fisioterapia durante a pandemia da COVID-19 tem um papel importante no âmbito da atenção primária de saúde, atuando no rastreamento, acolhimento, monitoramento, encaminhamento e no tratamento das pessoas com suspeita, diagnóstico da doença ou pós COVID-19. Objetivo: Caracterizar o perfil epidemiológico dos pacientes atendidos na atenção primária de saúde pelos acadêmicos de fisioterapia, e a prática das recomendações preventivas durante a pandemia. Métodos: Estudo transversal, realizado com pacientes atendidos no Estágio Supervisionado em Saúde Coletiva do Curso de Fisioterapia da Universidade de Santa Cruz do Sul, provenientes de três unidades de atenção primária de saúde do município, no período de março a agosto de 2020. Os pacientes foram avaliados presencialmente, porem com o a progressão da pandemia, as atividades foram suspensas. Nesse contexto, um instrumento estruturado desenvolvido pelos acadêmicos investigou o perfil epidemiológico dos pacientes, além de dados relacionados ao comportamento preventivo. As questões envolviam os dados clínicos, a presença de condições clínicas para grupo de risco, hábitos preventivos, presença de sintomas e realização de teste para a COVID-19. A entrevista foi aplicada através de ligação telefônica, pelos estagiários para os pacientes ou a seus responsáveis. Os dados foram apresentados em média, frequência relativa ou absoluta. Resultados: Dos 34 pacientes contactados, a maioria era do sexo feminino (71%) e aposentados (68%), com média de idade de 66 anos. Foi observado que 94% dos entrevistados se encontram no grupo de risco, sendo destes, 79% idosos, 53% com doença cardíaca, 21% com doença pulmonar e metabólica, 6% se declararam pessoas com deficiência e 3% imunodeprimidos. Todos relataram estar praticando medidas preventivas, com 100% realizando a higiene adequada das mãos, 97% usando máscaras e evitando aglomerações, 91% respeitando o distanciamento social e 47% realizando a limpeza das superfícies e alimentos. Ao serem questionados sobre os sintomas, foram referidos tosse (n=4), coriza e falta de ar (n=2, cada) e febre, dor de garganta, perda de olfato e paladar (n=1, cada). Desses, 2 afirmaram que algum familiar apresentou os mesmos sintomas e 1 teve contato com algum suspeito ou confirmado da doença. Conclusão: Foi verificado que o perfil de pacientes acompanhados na atenção primária pela fisioterapia é predominantemente do grupo de risco para a COVID-19, sendo referida a adesão às prática preventivas de transmissão da doença nos meses iniciais da pandemia.



ISSN 2764-2135