RELATO DE CASO DE UM FELINO DIAGNOSTICADO COM ESPOROTRICOSE NO HOSPITAL VETERINÁRIO DA UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL

Clara Elis Muller Bettin, Daiane Thozeski, Gabriela Henckes Weber, Maickel Cavalheiro Greiner, Michele Berselli, Nadine Trinks Fichborn

Resumo


Zoonoses são doenças naturalmente transmissíveis entre os animais e os humanos, que afetam significativamente a saúde coletiva. Neste contexto, os felinos possuem um importante papel epidemiológico na sua propagação, devido às características próprias da espécie, assim, esses animais atuam como os maiores disseminadores da esporotricose, doença causada por um fungo presente no solo e na vegetação. A esporotricose causa uma afecção micótica subcutânea que atinge diversos animais, com destaque para o homem e os felinos, através de materiais contaminados, como espinhos, farpas de madeira e solo, além de poder ser transmitida pela mordedura ou arranhadura de animais infectados. Portanto, na intenção de contribuir com dados relacionados à presença de esporotricose felina na cidade de Santa Cruz do Sul, RS, o trabalho objetivou descrever um caso de esporotricose de um felino atendido no Hospital Veterinário da Universidade de Santa Cruz do Sul. O caso relatado é de um gato macho, de um ano de idade, não castrado, semi domiciliado - com acesso à rua. O animal apresentava lesões ulceradas, edemaciadas, hiperêmicas, alopécicas e com focos necróticos no plano nasal, orelhas e focinho, além de prurido intenso. Diante da suspeita de doença fúngica, foi realizada a coleta de material para exame citológico a partir de um swab e imprinting das lesões cutâneas, sendo possível verificar na análise laboratorial a presença de organismos leveduriformes ovais e fusiformes, compatíveis com Sporothrix spp., agente causador da esporotricose. Após a confirmação do diagnóstico, a droga de escolha foi o antifúngico Itraconazol, administrado por via oral, uma vez ao dia, durante 60 dias. Além disso, foi recomendado o isolamento do animal e a utilização de proteção individual no momento da manipulação, evitando assim a propagação da doença. A esporotricose é uma dermatomicose de grande importância veterinária devido aos sérios problemas que pode causar em felinos, especialmente quando diagnosticada tardiamente e, por isso, deve sempre ser incluída como diagnóstico diferencial de outras dermatopatias, tornando o diagnóstico precoce uma ferramenta essencial.Para isto, deve-se associar o histórico clínico e epidemiológico a exames citológicos e de cultura, para, desta forma, reduzir a possibilidade de transmissão. Por fim, estudos epidemiológicos mais detalhados devem ser realizados, a fim de determinar os fatores de risco, para que medidas de controle sejam realizadas e, assim, diminuir a incidência de casos em Santa Cruz do Sul.



ISSN 2764-2135