EXPERIÊNCIAS NO PIBID E SEUS REFLEXOS NA DOCÊNCIA

Brina Haeser, Rafaela Schild da Rosa, José Antonio M. do Nascimento, Eduardo Alexandre Louzado

Resumo


Sabe-se que a vida docente se encontra diante de árduos obstáculos atualmente, desencadeados pela falta de valorização dos profissionais da educação e da manutenção de um sistema político precário que afeta as instituições de ensino em larga escala. Este tópico pode ser confirmado pelo momento pandêmico vivenciado nos anos de 2020 e 2021, onde as escolas precisaram se adaptar de maneira instantânea para que o ensino no Brasil não tivesse que cessar completamente. Ao mesmo passo em que estas instituições buscavam resoluções para as inúmeras problemáticas que iam surgindo com o vírus e o aprendizado remoto, a sociedade brasileira demonstrou a fragilidade de seu sistema educacional, e quem mais sofreu com tudo isso foram os estudantes, que mesmo antes da pandemia já vinham sofrendo as consequências desses problemas. Como pibidianas em escolas públicas e participantes das atividades escolares, notamos a dificuldade de motivar os alunos e fazer com que a distância dos ambientes físicos não fosse um obstáculo. Durante nove meses pudemos acompanhar, mesmo que de forma virtual, todas as atividades relacionadas ao ensino, como ajudar os professores a montar planos de aula, corrigir atividades e mais recentemente pudemos voltar para a sala de aula e assistirmos às aulas presenciais. Assim, tivemos a oportunidade de ver de perto o processo de mudança e evolução dos docentes, nos fazendo compreender a importância de projetos como o Pibid.Este programa nos permite obter experiências que enriquecem nossos currículos, mas também nos engrandece como indivíduos sociais, já que nos coloca em posição de auxílio e contribuição coletiva. Com a troca de vivências e conhecimentos, podemos conhecer perspectivas de todos os papéis sociais que envolvem a educação, como o aluno, a escola, a família e assim por diante.O Pibid vai muito além do que um simples programa de iniciação a docência, ele nos permite colocar em prática todas as coisas que aprendemos durante a graduação, mas também nos prepara para o futuro, nos mostra que a educação no Brasil necessita de mais atenção e que nós estudantes somos o futuro e precisamos lutar por esta causa. Um exemplo disto são as experiências que tivemos como professoras neste período, como poder trabalhar a Idade Média com o sétimo ano de uma forma muito diferente do esperado, visto que foi gravado vídeo aulas para que a turma pudesse utilizar em seus estudos remotos. Os alunos receberam de maneira positiva o conteúdo e relataram que foi muito mais fácil entendê-lo dessa forma ao invés de apenas textos e atividades. Além disso, permitiu utilizar ferramentas novas e alcançar bons resultados mesmo que em plataformas diferentes das de costume. Também podemos citar a utilização da culinária para criação de uma atividade interativa com os alunos do segundo ano do ensino médio. Depois de os alunos terem uma aula de expansão marítima eles deveriam escolher uma especiaria e incluírem ela em alguma receita que eles gostassem, foi uma atividade divertida e os alunos se empenharam em fazer seu melhor. Contudo, é indiscutível que a conscientização sobre a luta pela educação é de extrema necessidade para dar fim neste sistema que tem a ignorância e o empobrecimento da cultura como bases. Por sua vez, além da compreensão é preciso a prática, desta forma o objetivo do trabalho é mostrar como o Pibid nos ajuda a construir um pensamento crítico e nos prepara para os problemas da vida docente.



ISSN 2764-2135