RELATO DE EXPERIÊNCIA SOBRE A VOLTA DAS AULAS PRESENCIAIS EM PSICODIAGNÓSTICO: DESAFIOS E VIVÊNCIAS DURANTE A PANDEMIA DO COVID-19

Raphaela de Moura dos Santos, Valéria Gonzatti

Resumo


O Laboratório de Mensuração e Testagem Psicológica (LAMTEPSI) orienta estudantes da graduação e do mestrado em Psicologia da Universidade de Santa Cruz do Sul – UNISC, para o uso apropriado de testes psicológicos. Os métodos e técnicas de avaliação  psicológica tem a finalidade de auxiliar  no diagnóstico psicológico, sendo utilizados  em diagnósticos diferenciais, orientações e seleções profissionais, orientações pedagógicas e problemas de ajustamento. O processo de Avaliação Psicológica (AP) possui a finalidade de obter informações acerca de uma pessoa/grupo. Muitos aspectos podem ser avaliados através dos testes psicológicos e os recursos utilizados sempre levarão em consideração a demanda. Esse relato tem o objetivo de narrar pelos olhos da bolsista ProLab como ocorreram as práticas em psicodiagnóstico durante o contexto da pandemia. A disciplina de psicodiagnóstico visa estabelecer o primeiro contato do estudante de graduação com a prática de AP realizada no serviço escola da universidade. Porém com a pandemia do Covid-19 essa disciplina foi repensada e transcorreu de forma híbrida onde as aulas teóricas ocorreram em ambiente virtual e a prática ocorreu no serviço escola respeitando os protocolos sanitários, entre os meses de março de 2020 a abril de 2021. A prática foi envolta de muitos protocolos sanitários como o uso de álcool em gel, janelas dos ambientes sempre abertas, a troca das máscaras na chegada do serviço, o distanciamento entre os alunos. Também foram compostos grupos de trabalho menores que respeitassem a lotação das salas, a criação de um grupo com os membros da turma para monitorar os possíveis sintomas de Covid-19. Além disso, um dos grandes diferenciais é que a sala de atendimento deveria ser higienizada a cada caso atendido, sendo assim, foi mobilizado os próprios estudantes  a se responsabilizarem pela limpeza dos  sofás, mesas e cadeiras. O manuseio dos testes também foi diferenciado, cada grupo usou um teste diferente e o aprendizado da aplicação que antes era feita em grupo passou a ser feita em dupla, o aluno era instruído a praticar a aplicação em casa, exigindo de todos um estudo autônomo em comparação com as aulas presenciais. As instruções dos protocolos com os pacientes se iniciaram no primeiro contato telefônico onde foi repassado que deveriam usar máscara o tempo todo, que deveriam vir bem agasalhados pois as janelas ficariam abertas, e,  em caso de qualquer tipo de sintoma ligar e remarcar a sessão. Desta forma toda a interação entre professora (o), alunas (o) e paciente foi limitada para evitar a contaminação. O voltar a estar em um ambiente de ensino restabeleceu  o ânimo , pois muitos alunos estavam desiludidos com as aulas remotas. As trocas mesmo que distantes foram muito importantes para o desenvolvimento da disciplina com um todo e mesmo com todos os protocolos a aprendizagem de forma híbrida foi satisfatória e enriquecedora, as limitações em comparação ao formato 100% presencial não impediram a transmissão de conhecimento na aplicação dos testes psicológicos.




ISSN 2764-2135