MAPEANDO A REDE DE APOIO À SAÚDE MENTAL INFANTIL EM UM MUNICÍPIO DO INTERIOR DO RIO GRANDE DO SUL

Lea Adriana Schwertner Kaufmann, Olinda Maria de Fátima Lechmann Saldanha

Resumo


A escolha do tema para este estudo justifica-se porque a saúde mental e as políticas públicas têm se consolidado como importante campo de atuação dos psicólogos. Por isso, se faz necessário conhecer e entender o funcionamento dos serviços da saúde, educação e assistência social. A infância é um período do desenvolvimento humano com muitos aspectos a serem pesquisados e estudados. O desenvolvimento mental da criança e suas patologias são temas que motivam investigações. O entendimento do funcionamento da rede de apoio e o conhecimento da legislação que protege os direitos infantis são aprendizados indispensáveis para psicólogos que pretendam trabalhar nessa área. Parece existir, a cada dia, um número maior de crianças com problemas relacionados à saúde mental e de aprendizagem, cujos responsáveis ou a escola vão em busca de um serviço de rede especializado. Compreendendo que os responsáveis não conseguem dar conta dessa situação, há políticas públicas que preconizam encaminhamentos à rede pública de apoio. Diante do exposto, procura-se compreender a disponibilidade e a abrangência da rede de apoio do município, considerando as demandas das crianças, os encaminhamentos e as ações que abrangem a situação das crianças com problemas relacionados a sua saúde mental. Sendo assim, foi realizado um estudo tendo como objetivos compreender como está organizada a rede de apoio de atenção em saúde mental infantil nos serviços de saúde, educação e assistência social em um município do interior do Rio Grande do Sul; mapear os serviços de atendimento à saúde mental dessas crianças, verificar como ocorrem os encaminhamentos e como essa rede de atenção articula-se. Em função da pandemia do COVID-19, que impossibilitou a presencialidade do pesquisador até os serviços pesquisados, realizou-se um questionário online, formulado com perguntas de múltipla escolha e também perguntas abertas, através da plataforma Google Forms, juntamente com o Termo de Consentimento Livre Esclarecido (TCLE). Os questionários foram respondidos por 10 profissionais, sendo que as respostas foram categorizadas e estudadas por meio do método de análise de conteúdo de Bardin (2016). A partir dos dados obtidos foi possível identificar a articulação dos serviços, os fluxos, os critérios adotados para atendimento às demandas dos usuários e, consequentemente, mapear os serviços de atenção à saúde mental das crianças no município onde foi realizada a pesquisa. Realizar o trabalho foi uma oportunidade de ter um conhecimento sobre os serviços que atendem à saúde mental infantil, tendo um melhor entendimento dos fluxos e dos encaminhamentos realizados, contribuindo na minha formação de futura psicóloga. Acredita-se ser uma pesquisa que pode ser ampliada pela relevância que tem para aos usuários que necessitam dos serviços, bem como para os serviços que fizeram parte desta pesquisa.


BARDIN, Laurence. Análise de Conteúdo. 1º Ed. São Paulo: Edições 70, 2016.





ISSN 2764-2135