TRABALHO E LAZER ENTRE MULHERES NA AGRICULTURA FAMILIAR DE VALE DO SOL - RS

Jaqueline Furtado Rickmann, Virginia Elisabeta Etges

Resumo


No Trabalho de Conclusão do curso de Geografia – Licenciatura, pesquisamos as temáticas envolvendo “Trabalho e Lazer entre Mulheres na Agricultura Familiar” dentro de uma área delimitada, o Município de Vale do Sol, e apresentamos sua localização, o significado da produção de tabaco e a economia local. Esses temas são de extrema importância pois evidenciam conceitos importantes no âmbito da ciência geográfica, principalmente do ponto de vista da Geografia Agrária, trazendo à tona processos que ocorrem cotidianamente nos espaços rurais. A pesquisa investigou também a questão de gênero nas pequenas propriedades rurais valessolenses e quais as formas de Lazer que a população feminina desfruta nessas áreas. A pesquisa foi realizada por meio de consultas em fontes bibliográficas, como artigos científicos, livros, dissertações e teses sobre o tema, além da realização de entrevistas semiestruturadas com dez agricultoras familiares das localidades de Campos do Vale, Faxinal de Dentro, Pinhal, Três Barulhos e Várzea e observação a campo. A abordagem metodológica utilizada foi a dialética, com destaque para a categoria da contradição. A principal motivação para a realização desse estudo foi a carência de informações a respeito das relações que se dão no cotidiano do Trabalho das mulheres na Agricultura Familiar do Município de Vale do Sol. Além disso, também se justifica pela necessidade de pesquisar o significado do Lazer para essas populações e as opções de lazer no meio rural, dando ênfase para as mulheres, que contam com poucas oportunidades de Lazer. Praticamente todas as entrevistadas relataram que não desfrutavam de Lazer em suas poucas horas vagas do dia a dia, além de grande parte delas relatarem que fazem o uso de medicamentos antidepressivos. Também foram observados quais os tipos de produção agrícola e cultivos nas propriedades, sendo o tabaco uma das principais fontes de renda, e que aos poucos, principalmente as pessoas mais jovens, estão inserindo novos cultivos em suas propriedades, diversificando-as com a produção de morangos orgânicos e a criação e ordenha de gado leiteiro, por exemplo. Outro resultado significativo da pesquisa foi o relato que a permanência no campo não foi uma opção, e que a falta de oportunidade de seguir nos estudos quando mais jovens foi um fator crucial para que não pudessem buscar outras oportunidades de Trabalho. Algumas entrevistadas, por outro lado, afirmaram que gostam do trabalho rural e, que mesmo com as dificuldades encontradas, gostam do que fazem e se sentem realizadas e felizes. Foi observado que as mulheres ocupam uma posição secundária na Agricultura Familiar, reforçada pela maneira como as tarefas são divididas, na tomada de decisões quanto à propriedade e a forma com que o Trabalho vai sendo realizado, e em grande parte das vezes, acabam ficando com todo o trabalho doméstico, além de realizar atividades ligadas a agricultura e pecuária de subsistência. Observamos também que grande parte das entrevistadas tinham muitas dúvidas no momento de responder as perguntas destinadas ao Lazer, e que grande parte delas saíam muito pouco de casa, considerando como formas de Lazer programações de igreja, bingo e visitas aos vizinhos. Dessa forma, consideramos importante o investimento na implementação de políticas públicas para incentivar o Lazer no campo por meio de atividades culturais, como teatros e feiras, promoção de festas e encontros nos finais de semana, acessíveis a toda a população.




ISSN 2764-2135