PRÁTICAS PEDAGÓGICAS EM TEMPOS DE PANDEMIA: UM ESTUDO A PARTIR DOS ANOS INICIAIS DO EF

Lilian Kelly Brizolla Isquierdo Goncalves, Claudio José de oliveira

Resumo


INTRODUÇÃO: O presente estudo faz a interlocução entre o Estágio Supervisionado e o trabalho de monografia. Tenho como referência o período de pandemia do Covid-19, em que professores, estudantes e comunidade foram convocados a repensar e reinventar seus vínculos. Período onde as tecnologias foram utilizadas como ferramentas na reinvenção de práticas pedagógicas. Ao mesmo tempo, estudantes e comunidade, estiveram próximos nas discussões escolares. No estágio realizei o estudo do regimento da escola e outros documentos orientadores. Encontrei na professora titular da turma e o no seu planejamento, referências importantes para repensar minha docência, observando quais implicações a pandemia teve no processo de alfabetização dos estudantes de uma turma de 2° ano dos AIEF, neste primeiro ciclo tão importante para a formação no ensino básico. OBJETIVO(S). A partir do estágio obrigatório realizado por mim, em uma escola pública municipal, da cidade de Vera Cruz, no interior do Rio Grande do Sul, tenho como objetivo analisar, entender e problematizar, como os documentos escolares, contribuíram para este novo formato de ensino, imposto pela pandemia do Covid-19. Ainda neste sentido, construir e pensar estratégias, para amenizar este descompasso entre os estudantes, que vivenciaram este tempo de aprendizagens, fora do ambiente escolar, através do planejamento, pensado para o estágio. METODOLOGIA: O corpus analítico foi composto pelos seguintes documentos da escola: a) Proposta Político Pedagógica, b) Caderno de Planos de Estudos, c) Documentos orientadores das práticas escolares (BNCC, DCNs, Matriz Curricular 2021, entre outros) e d) Material produzido na conversa com a professora titular da turma, que reitera a importância de um olhar com sentido e intencionalidade pedagógica, que contemple os diferentes níveis de aprendizado, encontrado em uma única turma.  RESULTADO: Ao entrar em sala de aula, percebi que a pandemia deixou diversas lacunas em aberto, no processo de ensino e aprendizagem dos estudantes, sobretudo observou-se que as crianças que tiveram a família presente, neste contexto, obtiveram avanços em relação aos que a família não conseguiu dar este suporte e apoio, nas atividades e aprendizados individuais. Ao lançar um olhar à qualidade pedagógica que pode ser construída, juntamente com estes educandos, a pesquisa ganhou forma e movimento, pois se constituía e se transformava dia-a-dia no chão da escola, evidenciando a importância de um planejamento diferenciado, dinâmico e ativo, sem menosprezar os conhecimentos que as crianças construíram neste período de ensino remoto, híbrido e finalmente, presencial. CONCLUSÃO: Ainda que este trabalho de pesquisa tenha uma conclusão, os estudos referentes às defasagens educacionais que a pandemia causou, em toda a rede pública escolar, ampliando ainda mais a desigualdade entre ela e a rede privada, não evidencia conclusões no memento, precisando ampliar seus estudos e pesquisas no âmbito educacional, de ciência social e no desenvolvimento sócio-histórico-cultural. Não olhar a pandemia como um revelador de oportunidades de reinvenção pedagógica, institucional e de práticas docentes, é discursar no vácuo e ser ingênuo ao ponto de acreditar que tudo voltará ao normal, quando a pandemia passar.




ISSN 2764-2135