ABELHAS DA COLEÇÃO ENTOMOLÓGICA DA UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL (CESC) E SUAS PREFERÊNCIAS FLORAIS

Graziele Dutra Stumm, Karine Schoeninger, Andreas Köhler

Resumo


A coleção entomológica da Universidade de Santa Cruz do Sul (CESC) está entre as mais importantes do estado do Rio Grande do Sul, uma vez que contempla uma ampla gama de espécimes, em especial insetos, devidamente preservados para a realização de estudos taxonômicos e ecológicos. Além disso, desde 2007 vem sendo desenvolvido uma grande quantidade de projetos relacionados à entomofauna do estado do RS, com ênfase na região central. Cabe ressaltar que os insetos são o grupo dominante do nosso Planeta, cujo sucesso evolutivo foi devido ao desenvolvimento de características e adaptação aos mais variados tipos de ambientes. Dentre as ordens mais representativas de Insecta está Hymenoptera, conhecida popularmente como vespas, abelhas e formigas. As abelhas estão entre os grupos mais bem estudados do Brasil, devido à diversidade de espécies, importância social e econômica. Para tanto, o presente estudo teve como principal objetivo determinar a riqueza de famílias e gêneros de abelhas presentes na CESC, bem como correlacionar os táxons de abelhas e espécies de plantas coletadas. Todo material de abelhas foi, inicialmente, separado e identificado a nível taxonômico de família e posteriormente a gênero de acordo com chaves e referências bibliográficas especializadas. No total foram identificadas 4.583 abelhas, as quais foram classificadas em 5 famílias, sendo elas Apidae, Halictidae, Megachilidae, Andrenidae e Colletidae. As famílias mais abundantes foram Apidae, com 2105 indivíduos, seguida de Halictidae tendo presença de 1.293 indivíduos. As tribos com maior número de representantes foram Meliponini e Apini, conhecidas como "abelhas sem ferrão" e/ou abelhas do mel. Os gêneros com maior abundância foram Apis (n = 737), Augochloropsis (n = 671), Tetragonisca (n = 410), Plebeia (n = 329) e Trigona (n = 260). No que se refere à correlação de abelhas e plantas, estas foram coletadas em 44 espécies de plantas classificadas em 19 famílias botânicas. A espécie vegetal com o maior número de abelhas coletadas foi Citrus sinensis com 845 (30% do total abelhas) destas, 759 determinadas como A. mellifera, seguida por Schinus terebinthifolius (287 espécimes) e Ocimum selloi (243 espécimes). As plantas com maior número de espécies de abelhas foram O. selloi (37 espécies), Sida potentilloides (34 espécies) e Eryngium sp.1 com 30 espécies. Através da realização deste estudo foi possível verificar que a CESC compreende uma base de dados fundamentais para a compreensão a diversidade de abelhas  presentes no estado, bem como suas preferências florais, auxiliando no desenvolvimento de estudos científicos por alunos da instituição.

 


Apontamentos

  • Não há apontamentos.