Os investimentos públicos em saúde e a mortalidade dos idosos no sul do Brasil:uma análise regionalizada

Marilia Patta Ramos, Jacqueline Angel

Resumo


Este artigo teve como objetivo examinar o efeito dos investimentos públicos em saúde na mortalidade dos idosos no Rio Grande do Sul, controlando-se pelas características socioeconômicas dos municípios. A base de dados foi extraída do Censo Demográfico do IBGE de 2000 e do Datasus, o qual inclui informações sobre recursos regionais para a saúde em 7 meso-regiões do RS. Foi criada uma tipologia para classificar as regiões do RS com base na taxa de dependência idosa. Modelos de regressões lineares estimaram o efeito dos investimentos públicos na mortalidade dos idosos separadamente por grupos de taxa de dependência controlando-se pelo PIB per capita, o índice de Gini, renda per capita, média de anos de estudo e a taxa de urbanização (variáveis independentes). Apesar de ter a expectativa de vida mais alta do Brasil, os resultados desse estudo revelam significativa diferença na mortalidade dos idosos entre as 7 meso-regiões que compõem o Estado do Rio Grande do Sul. os resultados mostram que os investimentos públicos federais em saúde são maiores em regiões com baixa taxa de dependência idosa. Também observamos uma associação frágil entre os investimentos públicos em saúde e a mortalidade dos idosos.

Palavras-chave


politicas de saúde, mortalidade, idosos

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.17058/redes.v15i1.1113

Flag Counter

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.


Disponibilidade para depósito: permite o depósito das versões pré-print e pós-print de um artigo