Inovações e novidades na construção de mercados para a agricultura familiar: os casos da Rede Ecovida de Agroecologia e da RedeCoop

Autores

DOI:

https://doi.org/10.17058/redes.v25i1.14248

Palavras-chave:

Mercados. Agricultura Familiar. Redes e circuitos de comercialização. Cooperativismo. Inovações e novidades.

Resumo

O artigo discute a construção social dos mercados institucionais para a agricultura familiar, colocando ênfase nas “novidades” em práticas, processos e formas de organização que são desenvolvidas e utilizadas pelos agricultores familiares visando o acesso às compras públicas e a superação de algumas de suas limitações. Para esta reflexão, o artigo analisa a construção de dois casos: o Circuito Sul de Comercialização e Circulação de Alimentos Agroecológicos da Rede Ecovida de Agroecologia e a Associação da Rede de Cooperativas da Agricultura familiar e Economia Solidária (RedeCoop). A partir de pesquisa documental e entrevistas semi-estruturadas, foi possível observar que o processo de construção social do Circuito Sul da Rede Ecovida de Agroecologia se diferencia da RedeCoop em virtude do papel protagonista na coordenação e no controle da circulação e comercialização e de um amplo conjunto de instituições que organiza as relações dos atores atuantes nos processos. Tais diferenças decorrem da especificidade dos produtos comercializados (alimentos agroecológicos) e dos artefatos que interagem na Rede Ecovida. Em que pesem as diferenças, em ambos os casos, a construção dos novos circuitos de comercialização, com vistas a conectar agricultores familiares a mercados institucionais, pode ser interpretada como uma “novidade” que emergiu a partir da vivência e das dificuldades cotidianas dos atores e que se organiza a partir de institucionalidades que, a seus modos, questionam o regime dominante e apresentam potencial para mudanças radicais. A dinâmica e as características dos mercados e das infraestruturas sociomateriais construídas apontam contribuições para a construção de sistemas alimentares sustentáveis.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Daniela Oliveira, UFRGS

Professora Adjunta da UFRGS - Campus Litoral Norte - Departamento Interdisciplinar. Nesta instituição ministra aulas na graduação nos cursos de Bacharelado Interdisciplinar em Ciência e Tecnologia e no bacharelado em Desenvolvimento Regional. Professora no Mestrado em Dinâmicas Regionais e Desenvolvimento. Membro do do grupo de pesquisa GEPAD (Grupo de Pesquisa em Agricultura Familiar e Desenvolvimento Rural), sediado no Programa de pós Graduação em Desenvolvimento Rural da UFRGS. Possui graduação em Agronomia pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (1999). Mestre (2007) e doutora (2014) em Desenvolvimento Rural pelo Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Rural, UFRGS, Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil. Além da experiência acadêmica tem experiência na (a) área de agronomia, com ênfase em agroecologia e (b) em projetos/estudos/pesquisas em Desenvolvimento Rural. Esta experiência vem sendo obtida através de atuação junto à organizações não governamentais (ONGs), à organizações da agricultura familiar no Sul do Brasil e à consultorias para governos.

Cátia Grisa, UFRGS

Professora Adjunto 1, na Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) - Campus Litoral Norte - Bacharelado Interdisciplinar em Ciência e Tecnologia. Professora nos Programas de Pós-Graduação em Desenvolvimento Rural (PGDR/UFRGS) e Dinâmicas Regionais e Desenvolvimento (PGDREDES/UFRGS). Pós-Doutora no Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Rural (PGDR) da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Doutora em Ciências Sociais pelo Programa de Pós-Graduação de Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade (CPDA/UFRRJ - 20120), com Doutorado Sanduíche no Centre de Coopération Internationale en Recherche Agronomique pour le Développement (CIRAD), em Montpellier/França. Mestre em Desenvolvimento Rural pelo PGDR/UFRGS (2007) e Engenheira Agrônoma pela Universidade Federal de Pelotas (FAEM/UFPel - 2004). Coordenadora Secretária da Rede de Estudos Rurais (2019-2020), Vice Presidente da Sociedade Brasileira de Economia, Administração e Sociologia Rural (SOBER 2019-2021)) e do Comitê de Direção da Rede Políticas Públicas e Desenvolvimento Rural na América Latina e Caribe (Rede PP-AL - 2017-2020). Possui experiência nas áreas de Ciências Sociais, Sociologia e Politica, com ênfase nos campos da sociologia rural, políticas públicas e desenvolvimento rural. Desenvolve estudos e pesquisas nos seguintes temas: agricultura familiar, políticas públicas para a agricultura familiar, desenvolvimento rural e segurança alimentar e nutricional.

Paulo Niederle, UFRGS

Professor e atual Coordenador do Programa de Pós-Graduação em Sociologia (PPGS) da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Também é professor do Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Rural (PGDR) na mesma universidade. Doutor em Ciências Sociais (CPDA/UFRRJ, 2011) com doutorado-sanduíche pelo CIRAD-Montpellier (UMR Innovation) / Universidade de Lyon II. Engenheiro Agrônomo (FAEM/UFPEL, 2005) e Mestre em Desenvolvimento Rural (PGDR/UFRGS, 2007). Vice-Presidente da Associação Latino-Americana de Sociologia Rural (ALASRU). Atualmente é coordenador do Observatório das Agriculturas Familiares Latino-Americanas (AFLA-UFRGS-UNILA). Participa do Grupo de Estudos e Pesquisa em Agricultura Familiar e Desenvolvimento Rural (GEPAD-UFRGS). É membro do Grupo de Trabalho sobre Segurança Alimentar da CLACSO/FAO, representante da América Latina no Research Committee on Agriculture and Food (RC 40) da International Sociological Association (ISA), membro do Grupo de Investigadores em Políticas Públicas para a Agricultura Familiar (GIPPAF) da REAF-Mercosul, pesquisador da Red Políticas Públicas na América Latina (Red PP-AL). Possui experiência nas áreas de sociologia econômica, sociologia das instituições, sociologia rural e economia institucional, tendo atuado principalmente nos seguintes temas: instituições e desenvolvimento, dinâmica da agricultura familiar, mercados agroalimentares, convenções de qualidade, instituições e regulação econômica e redes alimentares alternativas. As publicações podem ser acessadas em www.researchgate.net/profile/Paulo_Niederle

Referências

AZEVEDO, P.F. Emergência de instituições de Mercado: a criação de mercados como política para a agricultura. In: MARQUES, F.C.; CONTERATO, M.A.; SCHNEIDER, S. Construção de mercados e agricultura familiar: desafios para o desenvolvimento rural. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2016, p. 209- 228.

CALLON, M. Por uma nova abordagem da ciência, da inovação e do mercado – o papel das redes sociotécnicas. In: PARENTE, A. (Org.) Tramas da rede. Porto Alegre:

Ecovida de Agroecologia e da RedeCoop

Sulina, 2004, p. 64-90.

ECOVIDA. Circuito Sul de Circulação e Comercialização de Alimentos Ecológicos da Rede Ecovida de Agroecologia. Curitiba: ECOVIDA, 2016. Disponível em: < http://conceito-online.com.br/clientes/cartassemanais/src/uploads/2018/01/PDF-rede- 9.pdf>. Acesso em: 25/09/2019.

FLIGSTEIN, N. The sociology of markets. Annual review of sociology, n.33, p. 105- 128, 2007.

LEFF, E. A complexidade ambiental. São Paulo: Cortez, 2003.

GAZOLLA , M.; SCHNEIDER, S. Cadeias curtas e redes agroalimentares alternativas: negócios e mercados da agricultura familiar. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2017.

GEELS, F. W. The dynamics of transitions in sócio-technical systems: a multi-level analysis of the transition pathway from horse-drawn carriages to automobiles (1869-1930). Technology Analysis & Strategic Management, v.17, n.4, p.445-476, 2005.

. Technological transitions as evolutionary reconfiguration processes: a multi-level perspectives and a case-study. Research Policy, n.31, p. 1257-1274, 2002.

GLIESSMAN, S. R. The Framework for Conversion. In: GLIESSMAN, S. R.; ROSEMEYER, M. (Org.). The Conversion to Sustainable Agriculture: Principles, Processes, and Practices. Boca Raton, FL: CRC Press, 2010, p.3-14.

GRANOVETTER, M. Economic Action and Social Structure. American Journal of Sociology, v.91, n.3, p.481- 510, 1985.

GRISA, C.; PORTO, S.I. Dez anos de PAA: as contribuições e os desafios para o desenvolvimento rural. In: GRISA, C.; SCHNEIDER, S. Políticas públicas de desenvolvimento rural no Brasil. Porto Alegre: Editora UFRGS, 2015, p. 155-180.

GRISA, C. et al. O Programa de Aquisição de Alimentos (PAA) em perspectiva: apontamentos e questões para o debate . Retratos de Assentamentos, v. 13, p. 137- 170, 2011.

HLPE. Food losses and waste in the context of sustainable food systems. A report by the High Level Panel of Experts on Food Security and Nutrition of the Committee on World Food Security. Rome, 2014. Disponível em: < http://www.fao.org/3/a- i3901e.pdf>. Acesso em: 25/09/2019.

MARQUES, F.C.; CONTERATO, M.A.; SCHNEIDER, S. Construção de mercados e agricultura familiar: desafios para o desenvolvimento rural. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2016.

MACIEL, L.R. MIA de Alimentos: potencialidades e limites para a agricultura familiar. 2008, 115 f. Dissertação (Mestrado em Agronegócio) – Programa de Pós-Graduação em Agronegócio, Universidade de Brasília, 2008.

MALUF, R. Ações públicas locais de Apoio à Produção de Alimentos e à Segurança Alimentar [Pólis Papers. 4]. São Paulo: Instituto Pólis, 1999.

MEDEIROS, M. Sendas da sustentabilidade no desenvolvimento rural: os passos e os percalços da construção de um novo código sociotécnico em campo. 2017, 319 f. Tese (Doutorado em Agroecossistemas) - Programa de Pós-Graduação em Agroecossistemas, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2017.

MEIRELLES, L. Soberania alimentar, agroecologia e mercados locais. Revista Agriculturas: experiências em agroecologia, v. 1, p. 11-14, 2004.

NEE, V.; INGRAM, P. Embeddedness and beyond: institutions, exchange, and social structure”. In: BRINTON, M. C.; NEE, V. The new institutionalism en sociology. New York: Russel Sage Foudation, 1998, p.19-45.

NIEDERLE, P.A. Mercantilização, Diversidade e Estilos de Agricultura. Raizes, v. 25, p. 37-47, 2006.

NIEDERLE, P.A. Compromissos para a qualidade: projetos de indicação geográfica para vinhos no Brasil e na França. 2011, 263 f. Tese (Doutorado de Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade). Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, 2011.

NIEDERLE, P.A.; MARQUES, F.C. Produção ecológica de alimentos e mudanças institucionais: implicações para a construção de novos mercados. MARQUES, F.C.; CONTERATO, M.A.; SCHNEIDER, S. Construção de mercados e agricultura familiar: desafios para o desenvolvimento rural. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2016, p. 275- 307.

NIEDERLE, P. A. Mercados como ordens sociais: uma alternativa aos dualismos da sociologia na agricultura. In: V Colóquio de Agricultura Familiar e Desenvolvimento Rural, UFRGS, Porto Alegre, RS. 2017.

NIEDERLE, P.A.; WESZ JR., V. As novas ordens alimentares. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2018.

PEREZ-CASSARINO, J. Agroecologia e mercados locais: o caminho através da economia popular solidária. In: KÜSTER, A; MARTÍ, J. F; FICKERT, U (Orgs.). Agricultura familiar, agroecologia e mercados no Norte e Nordeste do Brasil. Fortaleza: Fundação Konrad Adenauer, 2004, p.75-83.

Ecovida de Agroecologia e da RedeCoop

PEREZ-CASSARINO, J. A construção social de mecanismos alternativos de mercados no âmbito da Rede Ecovida de Agroecologia. 2012, 450 f. Tese (Doutorado em Meio Ambiente e Desenvolvimento), Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2012.

PEREZ-CASSARINO, J.; FERREIRA, A.D.D. Agroecologia, construção social de mercados e a construção de sistemas alimentares alternativos: uma leitura a partir da Rede Ecovida de Agroecologia. In: NIEDERLE, P.A.; ALMEIDA, L.; VEZZANI, F.M. Agroecologia: práticas, mercados e políticas para uma nova agricultura. Curitiba: Kairós, 2013, p. 171-214.

PEREZ-CASSARINO, J; TRICHES, R. M.; BACCARIN, J. G.; TEO, C. R. P. A.

Abastecimento alimentar: redes alternativas e mercados institucionais. Chapecó: Ed. UFFS; Praia, Cabo Verde: UNICV, 2018.

PETERSEN, P. Agroecologia e a superação do paradigma da modernização. In: NIEDERLE, P.A.; ALMEIDA, L.; VEZZANI, F.M. Agroecologia: práticas, mercados e políticas para uma nova agricultura. Curitiba: Kairós, 2013, p. 69-104.

PLOEG, J.D. Mercados aninhados recém criados: uma introdução teórica. In: MARQUES, F.C.; CONTERATO, M.A.; SCHNEIDER, S. Construção de mercados e agricultura familiar: desafios para o desenvolvimento rural. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2016, p. 21-52.

PLOEG, J.D.; SCHNEIDER, S.; YE, J. Rural development through the construction of new, nested markets. Journal of Peasant Studies, v. 39, n. 1, p.133-173, 2012.

PLOEG. J. D. van der.; BOUMA, J.; Rip, A.; RIJKENBERG, F. H, J.; VENTURA, F.;

WISKERKE, J. S. C. On Regimes, Novelties, Niches and Co-Produção. In: PLOEG, J. D. van der; WISKERKE, J.S.C. (Eds.). Seeds of transition. Assen: Van Gorcumm, 2004. p. 1-30.

PORTO, S.I. Programa de Aquisição de Alimentos (PAA): Política Pública de Fortalecimento da Agricultura Familiar e da agroecologia no Brasil. 2014, 131 f. Dissertação (Mestrado em Agroecologia). Universidad Internacional de Andalucía, Baeza (Espanha), 2014.

PROCEDI, A. A trajetória do Programa de Aquisição de Alimentos (PAA) no Rio Grande do Sul: entre a descontinuidade da política pública e a capacidade de ação dos atores sociais. 2019, 230 f. Dissertação (Mestrado em Desenvolvimento Rural). Iniversidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre, 2019.

RENTING, H.; MARSDEN, T; BANKS, J. Compreendendo as redes alternativas: o papel de cadeias curtas de abastecimento de alimentos no desenvolvimento rural. In: GAZOLLA , M.; SCHNEIDER, S. Cadeias curtas e redes agroalimentares alternativas: negócios e mercados da agricultura familiar. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2017, p. 27-52.

SCHMITT, C,J.; GUIMARÃES, L.A. O mercado institucional como instrumento para o fortalecimento da agricultura familiar de base ecológica. Agriculturas, v.5, n.2, p. 15- 23, 2008.

SCHMITT, C.; GRISA, C. Agroecologia, mercados e políticas públicas: uma análise a partir dos instrumentos de ação governamental. In: NIEDERLE, P.A.; ALMEIDA, L.; VEZZANI, F.M. Agroecologia: práticas, mercados e políticas para uma nova agricultura. Curitiba: Kairós, 2013, p. 215-266.

SCHMITT, C.; ROMANO, J. Políticas em rede: uma análise comparativa das interdependências entre o Programa de Aquisição de Alimentos e as redes associativas na Bahia e no Rio Grande do Sul. Rio de Janeiro. Relatório de Pesquisa. 2012.

SCHNEIDER, S. Mercados e agricultura familiar. In: MARQUES, F.C.; CONTERATO, M.A.; SCHNEIDER, S. Construção de mercados e agricultura familiar: desafios para o desenvolvimento rural. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2016, p. 93-140.

SEVILLA GUZMAN, E.; SOLER, M. Agroecología y soberanía alimentaria: alternativas a la globalización agroalimentaria. PH Cuadernos, v. 26, p. 191-217, 2010.

SOLER, M.; CALLE, A. C. Rearticulando desde la alimentación: canales cortos de comercialización em Andalucía. PH Cuadernos, v. 26, p. 259-283, 2010.

SONNINO, R. Translating sustainable diets into practice: the potential of public food procurement. Redes, v. 24, n. 1, p. 14-29, 2019.

SONNINO, R.; SPAYDE, J.; ASHE, L. Políticas públicas e a construção de mercados: percepções a partir de iniciativas de merenda escolar. In: MARQUES, F.C.; CONTERATO, M.A.; SCHNEIDER, S. Construção de mercados e agricultura familiar: desafios para o desenvolvimento rural. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2016, p.311- 330.

SPINELLI, M.A.S.; CANESQUI, A.M. O programa de alimentação escolar no estado de Mato Grosso: da centralização à descentralização (1979 - 1995). Revista de Nutrição, v. 15, n. 1, p. 105-117, 2002.

SQUEFF, F.H.S. O poder de compras governamental como instrumento de desenvolvimento tecnológico: análise do caso brasileiro. Texto para discussão 1922, Brasília, 2014.

STUVIER, M.; WISKERKE, J. The VEL and VANLA Enviromental Co-operatives as a Niche for Sustainable Development. In: PLOEG, J. D. van der; WISKERKE, J. S. C. (Ed.). Seeds of transition: essays on novelty production, niches and regimes in agriculture. Assen: Van Gorcun, 2004, p. 119-148.

Ecovida de Agroecologia e da RedeCoop

Schumpeter, Joseph A. The theory of economic development. New York: Oxford University, 1934.

SWENSSON, L.F.J. Programas institucionais de aquisição de alimentos e organizações de produtores: catalisadores para a transformação de sistemas de abastecimento de alimentos de pequenos produtores. Redes, v. 24, n. 1, p. 30-44, 2019.

TEO, C.R.P.A.; TRICHES, R.M. Alimentação escolar construindo interfaces entre saúde, educação e desenvolvimento. Chapecó, SC: Argos, 2016.

KUN, T. A estrutura das revoluções científicas. 5ª. ed. São Paulo: Editora Perspectiva, 1998.

UYARRA, E.; FLANAGAN, K. Understanding the innovation impacts of public procurement. European planning studies, v. 18, n.1, p. 123-143, 2010.

VENTURA, F; MILONE, P. Novelty as redefinition of farm boundaries. In: PLOEG, J. D. van der; WISKERKE, J. S. C. (Ed). Seeds of transition: essays on novelty production, niches and regimes in agriculture. Assen: Van Gorcumm. 2004, p. 57-89.

WILKINSON, J. Mercados, redes e valores: o novo mundo da agricultura familiar. Porto Alegre: UFRGS, 2010.

Downloads

Publicado

2020-01-10

Como Citar

Oliveira, D., Grisa, C., & Niederle, P. (2020). Inovações e novidades na construção de mercados para a agricultura familiar: os casos da Rede Ecovida de Agroecologia e da RedeCoop. Redes (St. Cruz Do Sul Online), 25(1), 135-163. https://doi.org/10.17058/redes.v25i1.14248

Edição

Seção

Geração de Conhecimento e Inovação na Agricultura Familiar