As águas onde pescam as mulheres: uma análise das invisibilidades e desigualdades na atividade pesqueira nos municípios produtores de Petróleo da Bacia de Campos

Joseane de Souza, Azula Marina Couto Marinho

Resumo


Partindo do conceito ampliado de pesca artesanal, que inclui todas as atividades necessárias para a captura do peixe, para a coleta e/ou cultivo de algas e mariscos, e para a comercialização de todo o pescado, a presença de mulheres na pesca artesanal, na Bacia de Campos, é indubitável. Porém, nesse segmento do mercado de trabalho, há forte divisão sexual e social do trabalho e apesar das mulheres exercerem atividades fundamentais em todas as etapas da cadeia produtiva, o trabalho feminino é marcado por grande invisibilidade e desvalorização pela categoria, pelo mercado e pelo Estado. Este trabalho busca compreender as especificidades da invisibilidade das mulheres na pesca, no contexto dos municípios produtores de petróleo da Bacia de Campos e, para tanto, analisa as diferenças entre homens e mulheres na pesca artesanal, em três dimensões - mercado de trabalho, vida domiciliar e participação política – a partir dos dados do Censo Pescarte. Os resultados mostram haver grande desigualdade de gênero no interior do mercado de trabalho da pesca artesanal na Bacia de Campos e apontam a necessidade da implementação de políticas de gênero que possam alterar as estruturas de poder e as relações de gênero que se processam no interior das comunidades e do mercado de trabalho da pesca, de forma a dar maior visibilidade e protagonismo às mulheres na pesca.

Palavras-chave


Desigualdade de gênero. Mercado de trabalho. Mulheres. Pesca artesanal.

Referências


ALENCAR, Carlos Alexandre Gomes; MAIA, Luís Parente. Perfil Socioeconômico dos Pescadores Brasileiros. Arquivos de Ciências do Mar. Fortaleza, nº44, v. 3, p. 12-19, 2011. DOI: https://doi.org/10.32360/acmar.v44i3.149. Disponível em: Acesso em:

AZEVEDO, Natália Tavares de. Política Nacional Para o Setor Pesqueiro no Brasil (2003-2011). 2012. 349 p. Tese. Programa de Pós-Graduação Meio Ambiente e Desenvolvimento, Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2012. Disponível em: https://acervodigital.ufpr.br/bitstream/handle/1884/29268/R%20-%20T%20-%20NATALIA%20TAVARES%20DE%20AZEVEDO.pdf?sequence=1&isAllowed=y. Acesso em: 10/09/2019.

BRUSCHINI, Cristina; LOMBARDI, Maria Rosa. A bipolaridade do trabalho feminino no Brasil contemporâneo. Cadernos de Pesquisa. São Paulo, n. 110, 2000. p. 67-104. Disponível em: . Acesso em: 05/12/2020.

DI CIOMMO, Regina Célia. Pescadoras e pescadores: a questão da equidade de gênero em uma reserva extrativista marinha. Ambiente & Sociedade. Campinas, v. 10, n. 1, 2007. p. 151-163. Disponível em: . Acesso em: 06/12/2020.

DIEGUES, Antônio Carlos Sant'Ana. Povos e Mares: leituras em sócio-antropologia marítima. São Paulo: NUPAUB-USP, 1995. 269p.

FASSARELLA, Simone Simões. O trabalho feminino no contexto da pesca artesanal: percepções a partir do olhar feminino. Ser Social. Brasília, v. 10, n. 23, 2008. p. 171-194. Disponível em: . Acesso em: 07/12/2020.

FOGUEL, Miguel Nathan; RUSSO, Felipe Mendonça. Decomposição e projeção da taxa de participação do Brasil utilizando o modelo idade-período-coorte (1992 a 2030). Mercado de Trabalho: conjuntura e análise, Ano 25. Brasília, IPEA, 2019. Disponível em http://repositorio.ipea.gov.br/handle/11058/9923. Acesso em 13/11/2019

GOES, Lidiane de Oliveira. Os usos da nomeação mulher pescadora no cotidiano de homens e mulheres que atuam na pesca artesanal. 220 p. Dissertação. Programa de Pós Graduação em Psicologia, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2008. Disponível em: . Acesso em: 10/09/2019.

GOLDANI, Ana Maria. Famílias e gêneros: uma proposta para avaliar (des)igualdades. In: Encontro Nacional de Estudos Populacionais, 12, 2000, Caxambu, MG (Brasil). Anais. Belo Horizonte: ABEP, 2000. Seção Temática 2, p.1-20. Disponível em: . Acesso em: 09/10/2019.

IBGE. Mulheres dedicam quase o dobro do tempo dos homens em tarefas domésticas. Disponível em https://agenciadenoticias.ibge.gov.br/agencia-noticias/2012-agencia-de-noticias/noticias/24267-mulheres-dedicam-quase-o-dobro-do-tempo-dos-homens-em-tarefas-domesticas. 2019. Acesso em: 09/10/2019.

LAVINAS, Lena. Emprego Feminino: O que Há de Novo e o que se Repete. Dados, Rio de Janeiro, v.40, n. 1, 1997. Disponível em: . Acesso em: 05/12/2020.

LEONE, Eugênia Trancoso; TEIXEIRA, Marilane Oliveira. As mulheres no mercado de trabalho e na organização sindical. In: Encontro Nacional de Estudos Populacionais, 17, 2010, Caxambu, MG (Brasil). Anais. Belo Horizonte: ABEP, 2010. Seção Temática 4, p.1-21. Disponível em: http://www.abep.org.br/publicacoes/index.php/anais/article/view/2289/2243. Acesso em: 13/11/2019.

MANESCHY, Maria Cristina; SIQUEIRA, Deis; ALVARES, Maria Luzia Miranda. Pescadoras: subordinação de gênero e empoderamento. Revista Estudos Feministas, Florianópolis , v. 20, n. 3, p. 713-737, Dec. 2012. Disponível em http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-026X2012000300007&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 10/09/2019

MARTINS, Mary Lourdes Santana; ALVIM, Ronaldo Gomes. Perspectivas do trabalho feminino na pesca artesanal: particularidades da comunidade Ilha do Beto, Sergipe, Brasil. Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi. Ciências Humanas. Belém , v. 11, n. 2, 2016. p. 379-390. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1981-81222016000200379&lng=en&nrm=iso> Acesso em: 05/12/2020.

MENDES, Soraya Helena de Araújo, PARENTE, Temis Gomes Parente. Invisibilidade das mulheres na pesca artesanal: uma análise sobre as questões de gênero em Miracema do Tocantins-TO. Revista Brasileira de Desenvolvimento Regional.Blumenau, v.4, n.2, 2016. p.177-199. ISSN 2317-5443. DOI: 10.7867/2317-5443.2016V4N2P177-199. Acesso em: 06/12/2020.

MOTTA-MAUÉS, Maria Angélica. Pesca de homem/peixe de mulher (?): repensando gênero na literatura acadêmica sobre comunidades pesqueiras no Brasil. Etnográfica, v. 3, n. 2, 1999. p.377-399. Disponível em: . Acesso em 07/12/2010.

ONU Mulheres. Mais igualdade para as mulheres brasileiras: caminhos de transformação econômica e social. Brasília/DF, 2016. Disponível em: http://www.onumulheres.org.br/wp-content/uploads/2016/05/encarte-Mais-igualdade-para-as-mulheres-brasileiras_site_v2.pdf> . Acesso em: 21/09/2019

TIMÓTEO, G. M. Mapeamento da pesca artesanal na Bacia de Campos – RJ: confiabilidade da pesquisa. In: TIMÓTEO, G. M. (org). Educação ambiental com participação popular: avançando na gestão democrática do ambiente. Campos dos Goytacazes, EdUenf. 2019

SACCHET, Teresa. Capital social, gênero e representação política no Brasil. Opinião Pública, Campinas, v.15, n. 2, p. 306-332, Nov. 2009 . Disponível em: . Acesso em: 09/10/2019

SANTOS, José Alcides Figueiredo. Classe social e desigualdade de gênero no Brasil. In: Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Ciências Sociais (Anpocs), 29, 2005, Caxambu/MG (Brasil), Anais. São Paulo: ANPOCS, 2005. GT 09, p. 1-27. Disponível em: . Acesso em: 09/10/2019

SCOTT, Russell Parry; QUADROS, Marion. Desenvolvimento, poder, gênero e feminismo. Cadernos Pagu. Campinas: Epub, n. 52,2018. p. 1-17. Doi:10.1590/18094449201800520000. Acesso em 07/12/2020.

SILVA-GONÇALVES, Raoni; D’INCAO, Fernando. Perfil socioeconômico e laboral dos pescadores artesanais de camarão-rosa no complexo estuarino de Tramandaí (RS), Brasil. Boletim do Instituto de Pesca, 42(2): 387-401. São Paulo, 2016. Doi 10.20950/1678-2305.2016v42n2p387. Disponível em: https://www.pesca.sp.gov.br/42_2_9BIP-1147p387-401.pdf. Acesso em:

SOUZA, Suellen Ribeiro, MARTINEZ, Sílvia Alícia, GANTOS, Marcelo Carlos. Mulheres pescadoras: uma análise das produções Bibliográficas acerca das relações de gênero no universo da pesca artesanal. In: Fazendo Gênero,11 & Women’s Worlds Congress, 13. Anais Eletrônicos. Florianópolis, 2017. ISSN 2179-510X. Disponível em: http://www.en.wwc2017.eventos.dype.com.br/resources/anais/1499480529>. Acesso em: 24/10/2019.

WAJNMAN, Simone. “Quantidade” e “qualidade” da participação das mulheres na força de trabalho brasileira. In: ITABORAI, N. R.; RICOLDI, A. M. (Org.). Até onde caminhou a revolução de gênero no Brasil? Implicações Demográficas e questões sociais. Belo Horizonte: Abep, 2016. p. 45-58. Disponível em: . Acesso em: 13/11/2019

WOORTMANN, Ellen F. Da complementaridade à dependência: espaço, tempo e gênero em comunidades “pesqueiras” do Nordeste. Revista Brasileira de Ciências Sociais, n.7(18). Brasília, 1992. p. 41-60.

ZHAO, M.; TYZACK, M.; ANDERSON, R. Estera Onoakpovike. Women as visible and invisible workers in fisheries: A case study of Northern England. Marine Policy, V. 37. 2013. p. 69–76. Disponível em: . Acesso em: 09/10/2019




DOI: http://dx.doi.org/10.17058/redes.v26i0.14631

Flag Counter

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.


Disponibilidade para depósito: permite o depósito das versões pré-print e pós-print de um artigo