Cartografia dos deslocamentos: Trabalhadores sazonais da maçã em Vacaria

Alberto Bracagioli Neto, Tiago Zilles Fedrizzi

Resumo


A dinâmica do desenvolvimento capitalista no campo brasileiro tem produzido consequências sociais, econômicas e ambientais. Entre elas, destacamos neste artigo, os fluxos migratórios dos trabalhadores sazonais na colheita da maçã. Este estudo teve como objetivo identificar as trajetórias e as diferentes categorias destes trabalhadores. Foram utilizadas ferramentas qualitativas de caráter etnográfico, contando com entrevistas semidiretivas e observação participante. O referencial teórico esteve baseado em estudos etnográficos de trabalhadores rurais e análise das relações de poder foucaultianas. Como resultado foram identificadas diferentes trajetórias, identificadas como: “ser e estar no trecho”, “que nem formiga” e assentados. A conclusão demonstra o conjunto de assimetrias provocadas pelo processo de desenvolvimento e a itinerância contínua e sazonal destes trabalhadores.

Palavras-chave


Trabalhadores sazonais. Fluxos migratórios. Agricultura familiar

Referências


ANJOS, Flávio Sacco dos; CALDAS, Nádia Velleda; COSTA, Maria Regina Caetano. Pluriatividade e sucessão hereditária na agricultura familiar. In: Congresso da Sociedade Brasileira de Economia, Administração e Sociologia Rural, 44., 2006, Fortaleza, CE. Anais… Fortaleza, CE: SOBER, 2006. Disponível em: . Acesso em: 29 fev. 2020.

GALIZONI, Flávia Maria; RIBEIRO, Eduardo Magalhães. Ouvindo silêncios: Daniel Hogan, o mundo rural e a natureza. Revista Brasileira de Estudos de População, São Paulo, v. 36, Jun, 2019. Disponível em: Acesso em: 10 dez. 2019.

GARCIA JÚNIOR, Afrânio Raul. O Sul: caminho do roçado: estratégias de reprodução camponesa e transformação social. São Paulo: Marco Zero; Brasília, DF: Editora Universidade de Brasília: MCT - CNPq, 1990.

GUEDES, André Dumans. O trecho, as mães e os papéis: Etnografia de movimentos e durações no norte de Goiás. Rio de Janeiro: Garamond, 2013.

______ Abrir no mundo, rasgando o trecho: mobilidade popular, família e grandes projetos de desenvolvimento. Cadernos de Campo, São Paulo, v. 21, n. 21, p. 137-152, 2012. Disponível em: . Acesso em: 23 set.2019.

HAESBAERT, Rogério. O mito da desterritorialização: do "fim dos territórios" à multiterritorialidade. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2004.

KUPLICH, Tatiana Mora; CAPOANE, Viviane; COSTA, Luis Fernando Flenik. O avanço da soja no bioma Pampa. Boletim Geográfico do Rio Grande do Sul, n. 31, p. 83-100, 2018. Disponível em: . Acesso em: 29 jan.2020.

LITRE, Gabriela. Os gaúchos e a globalização: vulnerabilidade e adaptação da pecuária familiar no pampa do Uruguai, Argentina e Brasil. 2010.

LONG, Norman. Sociología del desarrollo: una perspectiva centrada en el actor. México, Centro de Investigaciones y Estudios Superiores en Antropología Social: El Colegio de San Luis. 2007.

LOPES, Fabíola et al. Evolução do uso do solo em uma área piloto da região de Vacaria, RS. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, Campina Grande. Vol. 14, n. 10, p. 1038-1044, 2010. Disponível em:. Acesso em: 23 out.2019.

MARTINS, José de Souza. Os camponeses e a política no Brasil: as lutas sociais no campo e seu lugar no processo político. Petrópolis, RJ: Vozes, 1981.

MENEZES, Maria Aparecida de. Redes e enredos nas trilhas dos migrantes: um estudo de famílias de camponeses – migrantes. RJ: Relume Dumará, JP: Ed. UFPB, 2002.

OLIVEIRA, Vanderlei de Souza. As relações de trabalho na colheita da maçã em Vacaria (RS): da autonomia camponesa ao controle do capital. 2011. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Geografia) - Convênio UNESP, INCRA, Pronera. Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho” - UNESP, Presidente Prudente, 2011. Disponível em:. Acesso em: 29 set. 2018.

RECHENBERG, Fernanda. Etnografia na rodoviária: fluxos e trajetórias sociais em um espaço cosmopolita. In: ROCHA, Ana Luiza Carvalho da; ECKERT, Cornelia. Etnografia de rua: estudos de antropologia Urbana. Porto Alegre: Editora UFRGS, 2013. p. 231-243.

SACHSIDA, Adolfo. Tributação no Brasil: estudos, ideias e propostas: ICMS, seguridade social, carga tributária, impactos econômicos.Brasília, IPEA. 2017.

SAFFIOTI, Heleieth I. B.; ALMEIDA, Suely Souza de. Violência de Gênero: poder e impotência. Rio de Janeiro: Livraria e Editora Revinter Ltda., 1995.

SAHLINS, Marshall. O "pessimismo sentimental" e a experiência etnográfica: por que a cultura não é um "objeto" em via de extinção (parte I). Mana, Rio de Janeiro, v.3, n. 1, p. 41-73, 1997. Disponível em: . Acesso em: 01 abr. 2020.

SHANIN, Teodor. A definição de camponês: conceituações e desconceituações–o velho e o novo em uma discussão marxista. Revista Nera, n. 7, p. 1-21, 2012.

SILVA, Maria Aparecida Moraes. Errantes do fim do século​. São Paulo: Editora Unesp, 1998.

VIANNA, Salvador Werneck et al. Carga tributária direta e indireta sobre as unidades familiares no Brasil: avaliação de sua incidência nas grandes regiões urbanas em 1996. Brasília, IPEA.2000.

WOORTMAN, Klaas. Migração, família e campesinato. Revista Brasileira de Estudos de População, v.7, n.1, p. 35-53, 1990. Disponível em: . Acesso em: 09 abr. 2019.




DOI: http://dx.doi.org/10.17058/redes.v26i0.15603

Flag Counter

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.


Disponibilidade para depósito: permite o depósito das versões pré-print e pós-print de um artigo