O desenvolvimento regional da AMOSC a partir das teorias da base exportadora e dos polos de crescimento

Silvio Cezar Arend, Rosemari Fátima Orlowski

Resumo


O desenvolvimento está muito presente em discursos, discussões e estudos por parte de diferentes instituições e uma área que ganha espaço é a do desenvolvimento regional. A partir dessa constatação, procurou-se identificar a presença de pré-condições teóricas que influenciam no desenvolvimento de uma região, tomando como referência as teorias da base exportadora e dos polos de crescimento. A região escolhida foi a da Associação dos Municípios do Oeste Catarinense – AMOSC – que parte do Oeste Catarinense, conhecido pela presença da agroindústria de processamento de carnes (aves e suínos). Sua efetiva ocupação ocorreu a partir da chegada de imigrantes oriundos do Rio Grande do Sul e as atividades econômicas voltadas ao mercado tiveram início com a exploração da madeira e, posteriormente, com a produção agropecuária diversificada, praticada em pequenas propriedades rurais. O capital comercial foi a base para a implantação dos frigoríficos para a industrialização de carnes e derivados suínos e a expansão das agroindústrias ocorreu a partir da integração com os agricultores que forneciam a matéria-prima para a indústria. Em relação às teorias analisadas, constatou-se que a agroindústria do processamento de carnes e derivados desempenhou o papel de indústria-motriz, ou seja, impulsionou o desenvolvimento de outras atividades e indústrias. A agroindústria constitui-se, também, na base exportadora que promoveu a expansão econômica da AMOSC.

Palavras-chave


região; desenvolvimento regional; indicadores sócio-econômicos

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.17058/redes.v17i1.2558

Flag Counter

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.


Disponibilidade para depósito: permite o depósito das versões pré-print e pós-print de um artigo