Determinantes da alocação de trabalho agrícola nas regiões brasileiras

Filipe de Morais Cangussu Pessoa, Daniel Arruda Coronel, Airton Lopes Amorim, João Eustáquio de Lima

Resumo


O objetivo deste trabalho foi analisar os determinantes da alocação de trabalho agrícola nas regiões brasileiras, com base nos microdados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD, 2009). Para isso, o procedimento empírico consistiu na utilização de dois modelos: Análise Fatorial Confirmatória (AFC) e o Modelo Logit. O modelo de AFC apresentou bom ajustamento e definiu duas variáveis latentes qualificação e renda. No que tange ao Modelo Logit os resultados indicaram que o fato de um indivíduo ser do sexo masculino e residir no meio rural aumenta a probabilidade de ele estar alocado na atividade agrícola, enquanto ser da cor branca reduz essa probabilidade. Ademais, as variáveis renda e qualificação se relacionam de forma negativa com a alocação de trabalho agrícola, sendo a Região Centro-Oeste a que mais contribuiu para um indivíduo estar alocado em um trabalho agrícola.
Palavras-chave: PNAD; Análise Fatorial Confirmatória; Modelo Logit

Palavras-chave


PNAD; Análise Fatorial Confirmatória; Modelo Logit

Texto completo:

ARTIGO


DOI: http://dx.doi.org/10.17058/redes.v18i1.3123

Flag Counter

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.


Disponibilidade para depósito: permite o depósito das versões pré-print e pós-print de um artigo