Florestas e participação como vetores do desenvolvimento regional: reflexões sobre os casos Acre e Rio Grande do Sul – Brasil

Markus Erwin Brose

Resumo


Na diversidade da federação brasileira, dois estados chamam atenção pela qualidade da governança: Acre e Rio Grande do Sul. Ao longo da última década, ambos os estados conferiram através de processos participativos, prioridade à cadeia produtiva florestal como estratégia para dinamização de suas economias, estratégia central para adaptação às mudanças climáticas. No entanto, obtiveram resultados diversos entre si. Este artigo objetiva sintetizar semelhanças e diferenças entre os casos, contribuindo para a análise crítica quanto à participação no desenvolvimento regional. É possível confirmar que processos participativos, sem orientação técnica, podem ter impactos adversos daqueles incialmente planejados.

Palavras-chave


participação, adaptação e mitigação climática, reflorestamento, Rio Grande do Sul, Acre.

Texto completo:

ARTIGO


DOI: http://dx.doi.org/10.17058/redes.v18i3.3424

Flag Counter

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.


Disponibilidade para depósito: permite o depósito das versões pré-print e pós-print de um artigo