Racionalidade limitada e agricultores familiares produtores de tabaco no Vale do Rio Pardo-RS

Marcelo Moraes de Andrade, Leonardo Xavier da Silva

Resumo


Este artigo tem por objetivo analisar o processo de racionalidade que sustenta a decisão de agricultores familiares em produzir ou deixar de produzir tabaco. Para tanto, foram entrevistados 63 agricultores na microrregião do Vale do Rio Pardo/RS. Utilizou-se como auxílio analítico a abordagem da racionalidade limitada proposta por Simon (1965). Empregou-se, nesta análise, dados quantitativos e qualitativos. Constatou-se que as condutas dos agricultores são baseadas em normas sociais, culturais e econômicas estabelecidas pelo contexto institucional. As reações dos agricultores frente ao conflito cognitivo causado pelo descontentamento com sua situação atual e as poucas ou inexistentes alternativas de mudanças estão ligadas a elementos estruturais e subjetivos. Os elementos estruturais e subjetivos, a situação atual dos agricultores e seus projetos futuros, suas reações frente à decisão em produzir ou deixar de produzir tabaco são pautadas pela falta de opção, não pela ação da racionalidade limitada. Soma-se ainda carências de organização dos agricultores e informações incompletas sobre o setor produtivo.

Palavras-chave


Racionalidade. Produção de tabaco. Agricultura familiar.

Texto completo:

ARTIGO


DOI: http://dx.doi.org/10.17058/redes.v20i3.4914

Flag Counter

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.


Disponibilidade para depósito: permite o depósito das versões pré-print e pós-print de um artigo