Migração e território: olhares de um grupo de migrantes sobre a região da Campanha

Grazielle Betina Brandt

Resumo


A globalização, além de produzir uma maior mobilidade de capital, bens e serviços, promove uma maior mobilidade das pessoas no espaço. A questão da apropriação dos espaços pelos migrantes desperta interesse no quadro dos estudos migratórios recentes, visto que os migrantes definem e redefinem constantemente suas relações com o território. Considerando que a migração implica em um processo de (des)territorialização, que não é sucessivo e ordenado, este artigo incita algumas reflexões a partir dos olhares e percepções que um grupo de migrantes estabelece em torno
da região de origem. Através de uma abordagem qualitativa, o presente estudo se volta para a análise das percepções dos migrantes provenientes da região da Campanha (RS) e que atualmente estão estabelecidos na região metropolitana de Porto Alegre. Questões temáticas como o pertencimento, a
identidade e o desenvolvimento regional foram priorizadas na análise e são frequentemente utilizadas pelos migrantes para (re) definirem a região de origem.

Palavras-chave


Migração. Identidade regional. Pertencimento. Região de origem. Desenvolvimento regional.

Texto completo:

ARTIGO


DOI: http://dx.doi.org/10.17058/redes.v19i2014.5154

Flag Counter

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.


Disponibilidade para depósito: permite o depósito das versões pré-print e pós-print de um artigo