O papel estratégico de cidades gêmeas no controle de mercadorias em regiões de fronteira no contexto do MERCOSUL: Uruguaiana (BR) e Paso de los Libres (AR)

Heleniza Ávila Campos

Resumo


O território fronteiriço, enquanto espaço potencial para projetos de desenvolvimento compartilhados entre países, apresenta, na realidade política latino-americana, claras limitações de integração. Mesmo assim, os interesses comerciais regionais apontam para uma necessária revisão dos limites e barreiras ali existentes. Neste sentido, o Mercado Comum do Sul - MERCOSUL tem se constituído, desde 1991 (ano de sua criação), em um bloco de países sulamericanos que visa a ampliar a circulação de bens, serviços e pessoas. No entanto, os projetos regionais de caráter
econômico conflituam-se com a realidade desigual de suas cidades gêmeas, as quais não possuem infraestrutura nem investimentos sociais para tais dinâmicas. No contexto da América do Sul, mais especificamente da Bacia Platina, destacam-se as cidades gêmeas de Uruguaiana (BR) e Paso de los Libres (AR), que têm representado um importante papel no controle de fluxos de mercadorias e pessoas, de acordo com demandas comerciais, embora suas condições de desenvolvimento sejam precárias. O artigo se propõe a discutir o papel das cidades gêmeas como nós funcional e espacialmente estratégicos no MERCOSUL.

Palavras-chave


Regiões de fronteira. MERCOSUL. Cidades gêmeas. Fluxos de mercadorias.

Texto completo:

Artigo


DOI: http://dx.doi.org/10.17058/redes.v22i1.8667

Flag Counter

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.


Disponibilidade para depósito: permite o depósito das versões pré-print e pós-print de um artigo