A construção de uma identidade docente desejável no discurso do movimento Escola Sem Partido

Elvis Patrik Katz, Andresa Silva da Costa Mutz

Resumo


O Escola Sem Partido vem se notabilizando, nos últimos anos, pelo ataque sistemático aos profissionais da educação. O presente texto tem por objetivo apresentar, a partir das teorizações do pensamento de Michel Foucault e das contribuições dos Estudos Culturais, que as enunciações proferidas pelo movimento em seus mais diversos materiais constituem-se numa vontade de governo sobre as identidades docentes. Assim, procura-se delinear, apresentar e fiscalizar os docentes tidos como desejáveis, bem como a forma como essa rede discursiva busca erigir fronteiras bem demarcadas para diferenciar e condenar os chamados professores “doutrinadores”.

Palavras-chave


Escola Sem Partido; Identidade Docente; Estudos Culturais; Discurso.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.17058/rea.v26i2.11756



Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.


Disponibilidade para depósito: permite o depósito das versões pré-print e pós-print de um artigo