Liberdade e denúncia social no texto poético de autoria feminina: Análise da obra O nome da manhã, de Marina Colasanti

Eliane Aparecida Galvao Ribeiro Ferreira, Ricardo Magalhães Bulhões

Resumo


Este texto, a partir do aporte teórico da Estética da Recepção e do Efeito (JAUSS, 1994; ISER, 1996 e 1999), apresenta análises de poemas que compõem a coletânea O nome da manhã, de Marina Colasanti (2012). Justifica-se a escolha dessa obra, pois seus poemas são atraentes para o jovem leitor, possuem temas universais e contemporâneos, bem como potencialidades que despertam seu senso crítico e desautomatizam suas concepções sobre usos da língua, distinções estanques entre gêneros textuais e literatura de autoria feminina. Pelas análises, detectou-se que seu eu lírico, como exercício de resistência e subversão à ordem capitalista, captura em seu discurso cada instante como único, retirando-o da velocidade que define a vida hodierna, que a tudo atribui valor e/ou dilui. Os poemas de Colasanti (2012), pautados por vazios e potências de negação, suscitam reflexão crítica do leitor, por meio da revisão de hipóteses. Para tanto, evocam dados familiares com a finalidade de relativizá-los e/ou negá-los, ajustando o processo interativo na leitura. Por meio desse processo, eles suscitam do leitor que situe a si mesmo em relação ao texto, bem como atualize e modifique seu ponto de vista de uma perspectiva de apresentação para outra. Nesse processo, instaura-se a linguagem poética dotada de valor estético e a comunicabilidade que convoca o olhar de descoberta, o qual assegura o prazer intelectual na leitura (ISER, 1999.)

Palavras-chave


Estética da Recepção e do Efeito; Literatura juvenil de autoria feminina; Leitor implícito e texto poético

Texto completo:

PDF PDF

Referências


ARMAZÉM DE TEXTO. Disponível em: . Acesso em: 10 jan. 2020.

CHEVALIER, Jean; GHEERBRANT, Alain. Dicionário de símbolos: mitos, costumes, gestos, formas, figuras, cores, números. Colab. de André Barault et al., coord. Carlos Sussekind, trad. Vera da Costa e Silva et al. 14.ed. Rio de Janeiro: José Olympio, 1999.

BOURDIEU, Pierre. O poder simbólico. Trad. Fernando Tomaz. 7.ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2004.

BOURDIEU, Pierre. As regras da arte: gênese e estrutura do campo literário. Trad. Maria Lucia Machado. São Paulo: Companhia das Letras, 1996.

CAMARGO, Luís H. de. Poesia infantil e ilustração: estudo sobre Ou isto ou aquilo de Cecília Meireles. 214 p. Dissertação de Mestrado pela Universidade estadual de Campinas – UNICAMP, São Paulo, 1998.

CECCANTINI, João L. C. T. (org.). Leitura e literatura infanto-juvenil: memória de Gramado. São Paulo: Cultura Acadêmica: Assis, SP: ANEP, 2004.

COLASANTI, Marina. O nome da manhã. Ilustr. Marina Colasanti, São Paulo: Global, 2012.

COLASANTI, Marina. Minha guerra alheia. Rio de Janeiro: Record, 2010.

DIETZEL, Vera Lúcia. Recepção literária na Alemanha: entre o diálogo cultural e algumas escritoras brasileiras contemporâneas. In: SANTOS, Luísa Cristina dos (org.). Literatura e mulher: das linhas às entrelinhas. Ponta Grossa: Editora UEPG, 2002.

ESCRITAS.ORG. Disponível em: . Acesso em: 20 fev. 2020.

ESCRITAS.ORG. Disponível em: . Acesso em: 20 fev. 2020(2).

HUTCHEON, Linda. Poética do pós-modernismo: história, teoria, ficção. Trad. Ricardo Cruz. Rio de Janeiro: Imago, 1991.

ISER, Wolfgang. O ato da leitura: uma teoria do efeito estético. Trad. Johannes Kretschmer. São Paulo: Ed. 34, 1999.

ISER, Wolfgang. O ato da leitura: uma teoria do efeito estético. Trad. Johannes Kretschmer. São Paulo: Ed. 34, 1996.

JAUSS, Hans Robert. A história da literatura como provocação à teoria literária. Trad. Sérgio Tellaroli. São Paulo: Ática, 1994.

JORNAL DE POESIA. Disponível em: . Acesso em: 10 jan. 2020.

KRISTEVA, Julia. Introdução à semanálise. Trad. Lúcia Helena França. São Paulo: Perspectiva, 1974.

LAJOLO, Marisa; ZILBERMAN, Regina. Literatura infantil brasileira: histórias e histórias. São Paulo: Ática, 2004.

LAURETIS, Teresa de. A tecnologia do gênero. In: HOLLANDA, Heloísa Buarque de. Tendências e impasses: o feminismo como crítica da cultura. Rio de Janeiro: Rocco, 1994.

LEMINSKI, Estrela Ruiz Leminski. Poesia é não. 1.reimpr. São Paulo: Iluminuras, 2013.

LINDEN, Sophie Van der. Para ler o livro ilustrado. Trad. Dorothée de Bruchard. São Paulo: Cosac Naify, 2011.

MARINACOLASANTI.COM. Disponível em: . Acesso em: 10 jan. 2020.

NOTATERAPIA. Disponível em: . Acesso em: 12 fev. 2020.

OLIVEIRA, Rui de. Breve histórico da ilustração no livro infantil e juvenil. In: OLIVEIRA, Ieda de (org.). O que é qualidade em ilustração no livro infantil e juvenil: com a palavra o ilustrador. São Paulo: DCL, 2008, p. 13-47.

SHOWALTER, Elaine. A crítica feminista no território selvagem. In: HOLLANDA, Heloísa Buarque de. Tendências e impasses: o feminismo como crítica da cultura. Rio de Janeiro: Rocco, 1994, p.23-57.

STALLONI, Yves. Os gêneros literários. Trad. e notas Flávia Nascimento. Rio de Janeiro: Difel, 2001.




DOI: http://dx.doi.org/10.17058/signo.v45i83.14863

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.


Disponibilidade para depósito: permite o depósito das versões pré-print e pós-print de um artigo