Os alunos das redes pública e particular do Ceará em tempos de pandemia na visão dos professores de línguas estrangeiras

Andreia Turolo da Silva, Albert Cristian Dutra da Mota, Náyla Naira Brito Nobre, Yana Valéria Bezerra de Freitas Ferreira

Resumo


Este é um estudo de caráter diagnóstico e de natureza qualitativa que teve como objetivo verificar a adesão dos alunos das redes pública e particular às atividades das disciplinas de língua estrangeira propostas no modo remoto como forma de ensino emergencial durante os meses iniciais da pandemia no estado do Ceará e as razões que pudessem justificar a adesão satisfatória, baixa ou ausência dos estudantes do ponto de vista dos professores. Para isso, foi aplicado um questionário no formato digital, que foi respondido por duzentos professores de língua inglesa e espanhola oriundos de vários municípios do estado, além da capital, Fortaleza. O questionário foi respondido de forma anônima e voluntária a partir de grupos on-line de professores de idiomas do estado e as respostas apontaram para uma adesão satisfatória dos estudantes da rede privada, justificada pelas condições estruturais e familiares favoráveis, além do hábito dos estudantes de lidar com tecnologias digitais anterior à pandemia. Na rede pública, os professores avaliaram a adesão dos estudantes como média-baixa e a justificaram pela carência de condições estruturais e familiares dos estudantes, além da dificuldade de lidar com tecnologias, principalmente pela falta de hábito e baixa autonomia. Entre outros fatores que os professores apontaram como desejáveis para o bom ensino no modo remoto emergencial, o apoio da família foi destacado como meio de compensar a falta de autonomia dos estudantes.

Palavras-chave


Educação a Distância; Tecnologias no Ensino de Línguas; Língua Estrangeira; Ensino Básico; Pandemia do Coronavírus.

Texto completo:

PDF

Referências


ANDRADE, D. Excluídos do ensino na pandemia. In: Jornal O Povo, de 13 de julho de 2020. Disponível em: https://mais.opovo.com.br/reportagens-especiais/sem-acesso-ao-ensino-na-pandemia/2020/07/13/excluidos-do-ensino-na-pandemia.html. Acesso em 13 de jul. de 2020.

BELLONI, M. L. Ensaio sobre a educação a distância no Brasil. In: Educação e Sociedade. Ano XXIII, n. 78. Campinas, 2002 (p. 117-142).

BELZ, J. A. Institutional and individual dimensions of transatlantic group work in network-based language teaching. In: ReCALL. 13 (2), 2001 (p. 213-231)

COSME, I. Professores mudam rotina para alcançar estudantes. In: Jornal O Povo, de 13 de julho de 2020. Disponível em: https://mais.opovo.com.br/reportagens-especiais/sem-acesso-ao-ensino-na-pandemia/2020/07/13/professores-mudam-rotina-para-alcancar-estudantes.html. Acesso em 13 de jul. de 2020.

GARCIA ARETIO, L. Para uma definição de educação à distância. Tecnologia Educacional. Vol. 16, n. 56-61. Rio de Janeiro, 1987. (p. 78-79).

KNOLL, Graziela Frainer. Multimodalidade, texto e contexto: categorias úteis à análise da charge. Revista (Con) Textos Linguísticos. UFES, v. 9, n. 12, p. 57-74, 2015.

LAMY, M-N .& HAMPEL, R. Online Communication in Language Teaching and Learning. London: Palgrave Macmillan, 2007.

LANTOLF, J.P. (ed.) Sociocultural theory and second language learning. Oxford: Oxford University Press, 2000.

LAVE, J., & WENGER, E. Situated learning: Legitimate peripheral participation. Cambridge, UK: Cambridge University Press, 1991.

LEVY, M. Scope, goals and methods in CALL research: questions of coherence and autonomy. ReCALL, 12, 2000 (p. 170-195).

MOREIRA, M. G. A composição e o funcionamento da equipe de produção. In: LITTO, F. M.& FORMIGA, M. M. M. (Orgs.) Educação a Distância: o estado da arte. São Paulo: Pearson Education do Brasil, 2009 (p. 370-378).

MOTA, R. A Universidade Aberta do Brasil. In: LITTO, F. M.& FORMIGA, M. M. M. (Orgs.) Educação a Distância: o estado da arte. São Paulo: Pearson Education do Brasil, 2009 (p. 297-303).

NASCIMENTO et al. Multiletramentos: iniciação à análise de imagens. Linguagem e ensino, Pelotas, v. 14, n. 2, p. 529-552, jul./dez. 2011.

PRENSKY, M. Teaching Digital Natives: Partnering for real learning. Thousand Oaks: Corwin SAGE Company, 2010.

ROJO, R. H. (Org.). Escol@ Conectada – os multiletramentos e as TICs. São Paulo: Parábola Editorial, 2013.

SANTOS, B. S. A cruel pedagogia do vírus. Coimbra: Almedina, 2020.

SILVA, Edna Marta Oliveira da. O letramento crítico e o letramento digital: a web no espaço escolar. Revista X, UFPR, v. 2, p. 32-50, 2016. Disponível em: . Acesso em: 15 jun. 2020.

SILVERMAN, D. Doing qualitative research: A practical handbook. London: SAGE, 2000.

VILAÇA, Márcio; ARAÚJO, Elaine. Tecnologia, Sociedade e Educação na Era Digital. Universidade UNIGRANRIO, 2016.

VYGOSTKY, L. S. (1934) Pensamento e linguagem. São Paulo: Martins Fontes, 2000.

WALKER, Aisha; WHITE, Goodith. Technology Enhanced Language Learning: connecting theory and practice. Oxford, 2013.

WARSCHAUER, M. Computer-mediated collaborative learning: theory and practice. In: The modern language journal. Vl. 81, 1997 (p. 470-481).

WARSCHAUER, M. Researching technology in TESOL: Determinist, instrumental, and critical approaches. In: TESOL quarterly. Vl. 32, 1998 (p. 757-761).

WHITE, C. Language learning in distance education. Cambridge: Cambridge University Press, 2003.




DOI: http://dx.doi.org/10.17058/signo.v46i85.15580

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.


Disponibilidade para depósito: permite o depósito das versões pré-print e pós-print de um artigo