Aulas virtuais: uma discussão sobre a interação no aprendizado de língua estrangeira em tempos de pandemia

Nina Rioult, Adilson Marron, Telma Pereira

Resumo


Este artigo fornece um retorno sobre a rápida transição dos cursos presenciais para a modalidade remota no contexto da pandemia Covid-19, que afetou o mundo inteiro desde março de 2020. Revelando nossa experiência como jovens professores de francês, inseridos em projetos de extensão na Universidade Federal Fluminense (UFF), abordaremos os desafios de implantação de atividades interativas no contexto de cursos ministrados por videoconferência. De fato, essa transição levantou muitas questões sobre como gerenciar as interações na sala de aula virtual, sobretudo o que diz respeito às interações aluno-aluno. Após apresentar os principais marcos que constituem a história da educação online no Brasil, discutiremos os trabalhos teóricos que nos permitem analisar as especificidades das interações online. Em seguida, apresentaremos como essa transição se desenrolou em um curso de extensão de línguas na UFF, antes de apresentar com mais detalhes exemplos de atividades que possibilitaram adaptar as aulas presenciais e estimular as interações entre alunos de níveis iniciantes e avançados. A partir dessa experiência, concluímos que, para promover esse tipo de interação, é importante tanto oferecer um quadro educacional mais flexível do que na modalidade presencial, quanto garantir que o professor não esteja mais no centro do processo interativo, chegando às vezes a desaparecer gradualmente.

Palavras-chave


educação online; Pandemia de COVID-19; interações entre alunos

Texto completo:

PDF

Referências


ABED. Censo digital EAD 2018. Disponível em:

Acesso em 06/08/2020.

AGÊNCIA BRASIL. Um em cada 4 brasileiros não têm acesso à internet, mostra pesquisa. Disponível em: Acesso em 06/08/2020.

BAKHTINE, Mikhail. Marxismo e filosofia da linguagem, 12. ed. São Paulo: Hucitec, 2006. 201 p.

BELLONI, Maria Luiza. Ensaio sobre a Educação a Distância no Brasil. Educação & Sociedade, São Paulo, ano XXIII, no 78, p. 117-142, Abril/2002. Disponível em

BRASIL. Lei nº 9.394. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília: DOU, 1996.

BRASIL. Parâmetros Curriculares Nacionais; apresentação dos Temas Transversais. Secretaria de Educação Fundamental, Brasília, MEC/SEF, 1997.

CONSELHO DA EUROPA. Quadro europeu comum de referência para as língua: aprendizagem, ensino, avaliação. Serzedo: Edições Asa, 2001.

CODREANU, Tatiana; COMBE CELIK, Christelle. La médiation de l'interaction pédagogique sur une plateforme de visioconférence poste à poste. Alsic, n. 3, v. 15, 2012.

Disponível em: http://journals.openedition.org/alsic/2572. Acesso em: 06/08/2020.

CICUREL, Francine. De l’analyse des interactions en classe de langue à l’agir professoral : une recherche entre linguistique interactionnelle, didactique et théories de l'action . Pratiques, n. 149-150, p. 41-55, 2011.

ESPINOSSA VASSEUR, Xóchitl. Communiquer autrement à travers la visioconférence: outil miracle ou frein pour apprendre une langue ? Synergies Mexique, n. 5, p. 101-113, 2015.

FRADE, Isabel Cristina Alves da Silva; COSTA, Maria da Graça Val; BREGUNCI, Maria das Graças de Castro (orgs). Glossário CEALE: termos de alfabetização, leitura e escrita para educadores, Belo Horizonte: UFMG/Faculdade de Educação, 2014. Disponível em: Acesso em 06/08/2020.

GUICHON, Nicolas; COHEN, Cathy. Multimodality and CALL. In: FARR, Fiona; MURRAY, Liam (orgs.). The Routledge Handbook of Language Learning and Technology. London: Routledge. 2016. p. 509-521.

GUICHON, Nicolas; WIGHAM, Ciara. A semiotic perspective on webconferencing-supported language teaching. ReCALL, n. 28, v.1, p. 62-82, 2015.

HARGREAVES, Luiz Henrique Horta. Ensino de inglês a distância: análise de diferentes cursos. 1. ed. Brasília: Clube dos autores, 2011. 74 p.

KEREMIDCHIEVA, Greta; YANKOV, Plamen. Challenges and advantages of distance learning systems, 2001. Information & Security: An International Journal. 6. 115-121. Disponível em:

Acesso em 08/08/2020.

KERN, Rick; WARE, Paige. WARSCHAUER, Mark. Network‐Based Language Teaching. 1. ed. Cambridge: Cambridge University Press, 2000. 252 p.

LEFFA, Vilson. Ensino de línguas: passado, presente e futuro. Universidade Católica de Pelotas/CNPq. Rev. Est. Ling., Belo Horizonte, v. 20, n. 2, p. 389-411, jul./dez. 2012.

LORENZONI, Carla Raqueli Navas. Teleencuentros: análise da atividade didática mediada por videoconferência no ensino de espanhol. 2011. 107 f. Dissertação (Mestrado em Linguística e Língua Portuguesa) Universidade Estadual Paulista, Faculdade de Ciências e Letras, Campus de Araraquara, 2011.

MACEDO-ROUET, Mônica. La visioconférence dans l’enseignement. Ses usages et effets sur la distance de transaction. Distances et savoirs, v. 7, p. 65-91, 2009.

MOORE, Michael. Theory of transactional distance. In: KEEGAN, Desmond (org.), Theoretical Principles of Distance Education. London: Routledge. 1993. p. 20-35.

MOORE, Michael, KEARSLEY, Greg. Educação a distância: uma visão integrada. São Paulo: Thompson Learning. 2007.

NASCIMENTO, Iracema Santos do; SANTOS, Patrícia Cerqueira dos. A normalidade da desigualdade social e da exclusão educacional no Brasil. Caderno de Administração, Maringá, n. 28, p. 122-130, jun. 2020.

PAIVA, Vera Lúcia Menezes de Oliveira e. Tecnologias digitais no ensino de línguas: passado, presente e futuro. Revista da Abralin, v. 18, n. 1, p. 02-26, 2019.

TUMOLO, Celso Henrique Soufen. Ensino a distância: horizontes para o ensino de línguas estrangeiras. Fragmentos, Florianópolis, n. 30. p. 25-34, jan.-jun. 2006.

WARSCHAUER, Mark. Computer Assisted Language Learning: an Introduction. In: FOTOS, Sandra. ed. Multimedia Language teaching, Tokyo: Logos International, p. 3-20, 1996.




DOI: http://dx.doi.org/10.17058/signo.v46i85.15617

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.


Disponibilidade para depósito: permite o depósito das versões pré-print e pós-print de um artigo