Perspectivas de professoras de inglês para crianças: (re)planejar, (re)pensar e (trans) formar durante a pandemia (Covid-19)

Juliana Reichert Assunção Tonelli, Claudia Jotto Kawachi Furlan

Resumo


O objetivo deste artigo foi analisar as perspectivas de professoras de inglês para crianças atuando no ensino remoto. Os dados foram gerados por meio de formulário online preenchido por 62 respondentes de vários Estados brasileiros. O foco de análise recaiu, em especial, sobre a questão que indagava se a ausência das aulas de inglês nos anos iniciais (educação infantil e primeiro ciclo do ensino fundamental), por conta da pandemia causada pela Covid-19, poderia causar algum prejuízo aos alunos. As análises indicam que, de modo geral, no entender das respondentes, a ausência de aulas implica na descontinuidade do contato com a língua o que comprometeria a aprendizagem de inglês. Com base nos resultados deste estudo, ressaltamos a importância da discussão sobre as razões para ensinar uma língua adicional para crianças, bem como a relevância da reflexão sobre concepções de língua(gem), de ensino e de aprendizagem, evidenciando a necessidade de formação docente e de debates nessa área.

Palavras-chave


Perspectivas de professoras; Ensino de inglês para crianças; Pandemia Covid-19; Educação linguística

Texto completo:

PDF

Referências


ASSIS-PETERSON, Ana Antônia; GONÇALVES, Margarida. Qual é a Melhor Idade para Aprender Línguas? Mitos e Fatos. Contexturas: Ensino Crítico de Língua Inglesa, São Paulo, n. 5, p. 11-26, 2001.

AVILA, Paula Aparecida; TONELLI, Juliana Reichert Assunção. A ausência de políticas para o ensino de língua estrangeira no ensino fundamental I: reflexões acerca da obrigatoriedade da oferta nos currículos das escolas municipais públicas. Revista X, Curitiba, v. 13, n. 2, p. 111-122, ago-dez, 2018. Disponível em: https://revistas.ufpr.br/revistax/article/view/55588. Acesso em 27 jul. 2020.

AVILA, Paula Aparecida. Ensino de inglês nos anos iniciais e internacionalização do ensino superior: um estudo de caso em um município do Paraná. 2019. 233 f. Dissertação (Mestrado em Estudos da Linguagem) – Universidade Estadual de Londrina, Londrina, 2019.

BERALDO, Lílian. Coronavírus: saiba o que é uma pandemia. Disponível em: https://agenciabrasil.ebc.com.br/saude/noticia/2020-03/coronavirus-saiba-o-que-e-uma-pandemia . Acesso em 13 maio 2020.

BLOCK, David. The social turn in second language acquisition. Edinburgh: Edinburgh University Press, 2003, p. 162.

CARVALHO, Ingrid; TONELLI, Juliana Reichert Assunção. The younger, the harder: the challenges of teaching English to very young learners. REVELLI – Revista de Educação, Linguagem e Literatura, Goiás. v.8 n.2. p.1-18, jun. 2016. Disponível em https://www.revista.ueg.br/index.php/revelli/article/view/4490. Acesso em 24 de agosto de 2020.

CHAGURI, Jonathas Paula; TONELLI, Juliana Reichert Assunção. Existe uma política de Ensino-Aprendizagem de Língua Estrangeira para crianças? In: TONELLI, Juliana Reichert Assunção; CHAGURI, Jonathas Paula (Org.) Ensino de Língua Estrangeira para Crianças: O Ensino e a Formação em Foco. 2 ed. Curitiba: APPRIS, 2013, p. 37 – 58.

CHAGURI, Jonathas de Paula; TONELLI, Juliana Reichert Assunção. Políticas de ensino e aprendizagem de línguas estrangeiras para crianças no Brasil: (re)discutindo fundamentos. Revista Linhas, Florianópolis, v.20, n.42, p. 281-302, jan./abr. 2019. Disponível em: http://www.revistas.udesc.br/index.php/linhas/article/view/1984723820422019281. Acesso em: 28 de abril de 2020.

ELLIS, Rod. Understanding Second Language Acquisition, Oxford: Oxford University Press, 1985, p. 327.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do Oprimido. 17a. ed. Rio de Janeiro, Paz e Terra, 1987.

FERRAZ, Daniel de Mello; MATTOS, Andrea. Machado de Almeida. Formação de professores de línguas estrangeiras: as contribuições dos letramentos. In: FINARDI, Kyria Rebeca; SCHERRE, Maria Marta Pereira; VIDON, Luciano. (Org.) Língua, Discurso e Política: Desafios Contemporâneos. Campinas, SP: Pontes Editores, 2019, p. 233 – 259.

FORTES, Laura. Sentidos de legitimação do ensino bilíngue português-inglês: efeitos do discurso institucional. Revista Eletrônica de Estudos Integrados em Discurso e Argumentação, Ilhéus, n. 13, p. 104-120, jan./jun. 2017. Disponível em: http://periodicos.uesc.br/index.php/eidea/article/view/1356. Acesso em 28 de abril de 2020.

GARCIA, Bianca Rigamontini Valeiro. Quanto mais cedo melhor (?): uma análise discursiva do ensino de inglês para crianças. 2011. 216 p. Dissertação (Mestrado em Letras) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo. São Paulo, 2011.

GARCÍA, Ofelia. The education of Latinx bilingual children in times of isolation: Unlearning and relearning. MinneTESOL Journal, Minnesota, v. 36, n. 1, s. p. 2020. Disponível em http://minnetesoljournal.org/current-issue/invited-article/the-education-of-latinx-bilingual-children-in-times-of-isolation-unlearning-and-relearning. Acesso em 22 de julho de 2020.

GENESEE, Fred. Myths about early childhood bilingualism. Canadian Psychology/Psychologie canadienne, Washington, DC, v. 56, n. 1, 2015, p. 6–15. Disponível em https://psycnet.apa.org/doiLanding?doi=10.1037%2Fa0038599 . Acesso em 05 de maio de 2020.

GIMENEZ, Telma. A ausência de políticas para o ensino da língua inglesa nos anos iniciais de escolarização no Brasil. In: NICOLAIDES, Christine.; SILVA, Kleber Aparecido da; TILIO, Rogério; ROCHA, Hilsdorf Claudia (Org.). Política e Políticas Linguísticas. Campinas, SP: Pontes/ALAB, 2013, p. 19-42.

GINI, Karen Mariette Piovezan. Elementos constitutivos na implementação de língua inglesa nos anos iniciais do ensino fundamental em três municípios do norte do Paraná. 2017. 186 f. Dissertação (Mestrado em Estudos da Linguagem) – Universidade Estadual de Londrina, Londrina, 2017.

KAWACHI-FURLAN, Claudia Jotto; ROSA, Marina Márcia. Mitologia do ensino-aprendizagem de inglês para crianças. Revista Estudos em Letras, Cassilândia, v. 1, n. 1, jul. – dez, p. 21- 34, 2020.

LIBERALI, Fernanda Coelho. Construir o inédito viável em meio a crise do coronavírus – lições que aprendemos, vivemos e propomos. In: LIBERALI, Fernanda Coelho; FUGA, Valdite Pereira.; DIEGUES, Ulysses Camargo Corrêa; CARVALHO, Marcia Pereira (Org.) Educação em tempos de pandemia: brincando com um mundo possível. Campinas, SP : Pontes Editores, 2020, p. 13 – 21.

LÓPEZ-GOPAR, Mario E. Critical pedagogy and teaching English to children. In: GARTON, Sue; COPLAND, Fiona (Ed.). The Routledge handbook of teaching English to young learners. New York: Routledge, 2019. p. 234-246.

LÜDKE, Menga; ANDRÉ, Marli Eliza Dalmazo Afonso. Pesquisa em Educação: Abordagens Qualitativas. 2a edição. Rio de Janeiro: E.P.U., 2017, p. 112.

MALTA, Liliane Salera. Além do que se vê: educação crítica e letramentos, formação de professores e prática docente no ensino de inglês para crianças de 2 a 5 anos. 2019. 128f. Dissertação (Mestrado em Linguística) - Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória, 2019.

MENEZES DE SOUZA, Lynn Mario Trindade. Educação linguística: repensando os conceitos de língua e linguagem. In: FERRAZ, Daniel Mello; KAWACHI-FURLAN, Claudia Jotto. Bate-papo com educadores linguísticos: letramentos, formação docente e criticidade. São Paulo, SP: Pimenta Cultural, 2019, p. 245-258.

MERLO, Marianna Cardoso Reis. Quanto mais cedo melhor? Implicações epistemológicas para a educação linguística de crianças. PERcursos Linguísticos, Vitória, v. 9, n. 23, p. 78-88, dez/2019. Disponível em https://periodicos.ufes.br/percursos/article/view/27965. Acesso em 24 de abril de 2020.

MONTE MÓR, Walkyria. Letramentos críticos e expansão de perspectivas: diálogo sobre práticas. In: JORDÃO, Clarissa Menezes; MARTINEZ, Juliana Zeggio; MONTE MÓR, Walkyria. (Org) Letramentos em prática na formação inicial de professores de inglês. 2aedição. Campinas, SP: Pontes Editores, 2019, p. 315 – 335.

PARMA, Alan Febraio. Ensino infantil da língua inglesa no Brasil: uma análise discursiva da evidência do "quanto mais cedo melhor". 2013. 168 p. Dissertação (Mestrado em Linguística) - Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Estudos da Linguagem, Campinas, SP, 2013.

PENNYCOOK, Alastair. Politics, power relations and ELT. In HALL, G. (Ed.) The Routledge Handbook of English Language Teaching. London: Routledge, 2016, p. 26-37.

PICANÇO, Deise Cristina Lima. Para quê queremos ensinar LE às nossas crianças? In: TONELLI, Juliana Reichert Assunção.; CHAGURI, Jonathas Paula (Org.) Ensino de língua estrangeira para criança: o ensino e a formação em foco. 1a edição. Curitiba, PR: APPRIS, 2011, p. 183-197.

PIRES, Simone Silva. Vantagens e desvantagens do ensino de língua estrangeira na educação infantil: um estudo de caso. 2001. 131 f. Dissertação (Mestrado em Linguística Aplicada) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2001.

ROCHA, Claudia Hilsdorf. 2006. 340 f. Provisões para Ensinar LE no Ensino Fundamental de 1ª a 4ª Séries: dos parâmetros oficiais e objetivos dos agentes. Dissertação (Mestrado). Linguística Aplicada. UNICAMP, 2006.

SÃO PEDRO, Joana. Língua inglesa, transculturalidade e transdisciplinaridade no Ensino Fundamental I: percursos e representações docentes. 2016. 281 f. Tese (Doutorado). Linguística Aplicada. UNICAMP, 2016.

SHOHAMY, Elana. Language Teachers as Partners in Crafting Educational Language Policies? Íkala, revista de lenguaje y cultura, Antioquia, v. 14, n. 22 p. 45 – 67, maio-ago, 2009. Disponível em http://www.scielo.org.co/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0123-34322009000200003

TANACA, Jozélia Jane Corrente. Aprendizagem expansiva em espaços híbridos de formação continuada de professoras de Inglês para crianças no Projeto Londrina Global. 2017. 255 f. Tese (Doutorado em Estudos da Linguagem) – Universidade Estadual de Londrina, Londrina, 2017.

TONELLI, Juliana Reichert Assunção; CORDEIRO, Glaís Sales. Refletir sobre as línguas para aprendê-las: uma perspectiva de ensino-aprendizagem de inglês por meio de um gênero textual para (na) educação infantil. MOARA, Belém, n.42, p. 45-63, 2014.

VICENTIN, Karina Aparecida. Inglês nos anos iniciais no Ensino Fundamental público: de representações de professores a políticas linguísticas. 2013. 149 f. Dissertação (Estudos da Linguagem) – Universidade Estadual de Campinas. Campinas, 2013.




DOI: http://dx.doi.org/10.17058/signo.v46i85.15654

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.


Disponibilidade para depósito: permite o depósito das versões pré-print e pós-print de um artigo