Adaptação de um curso de alemão em contexto acadêmico para o ensino remoto emergencial através de metodologias ativas

Autores

DOI:

https://doi.org/10.17058/signo.v46i85.15675

Palavras-chave:

Língua alemã, Ensino de língua estrangeira, Ensino remoto emergencial, Metodologias ativas.

Resumo

Com a suspensão das atividades educacionais em escolas e universidades decorrente da pandemia do COVID-19 e do consequente isolamento social em 2020, muitos professores e aprendizes foram confrontados pela primeira vez com a modalidade de ensino e aprendizagem online. O presente artigo objetiva trazer uma reflexão sobre a adaptação do curso presencial de idiomas da Universidade Estadual do Centro-Oeste (UNICENTRO), mais especificamente do curso de alemão, para a modalidade à distância. Para tanto, é necessário conceituar o ensino remoto e as diferenças metodológicas entre essa modalidade e a educação à distância em contexto brasileiro. À luz do conceito de metodologias ativas de Moran (2015), será apresentado o contexto em que se deu a adaptação do curso presencial de alemão na UNICENTRO para a modalidade online, além das ferramentas e plataformas utilizadas ao longo do semestre letivo. As opiniões dos aprendizes matriculados nesse curso foram coletadas através de um questionário com perguntas fechadas e abertas e geraram os dados ora apresentados, nos quais percebe-se uma adaptação majoritariamente positiva ao formato adotado para as aulas remotas.

Biografia do Autor

Raquel Garcia D'Avila Menezes, Professora colaboradora da Universidade Estadual do Centro-Oeste

Mestre em Estudos linguísticos pela Universidade Federal do Paraná, professora colaboradora de Língua Alemã da Universidade Estadual do Centro-Oeste

Referências

ARRUDA, Eucidio. Educação remota emergencial: elementos para políticas públicas na educação brasileira em tempos de Covid-19. EmRede, v. 7, n. 1, p. 257-275, 2020.

BARCELOS, A. Crenças sobre aprendizagem de línguas, linguística aplicada e ensino de línguas. Linguagem e ensino, vol. 7, n. 1, p. 123-156. Minas Gerais, 2004.

BORTONI-RICARDO, Stela Maris. O professor pesquisador: introdução à pesquisa qualitativa. Ed. Parábola. São Paulo, 2008.

BRAHIM, Adriana. O processo de tutoria na EaD: uma prática pedagógica articulada à luz da Teoria Histórico-Cultural. Revista Intersaberes, v. 7 n. 13, p. 29-45, 2012.

FERREIRA, Philip. Como será realmente a escola pós-pandemia?. Jornal de Brasília, 19 de maio de 2020. Disponível em <https://jornaldebrasilia.com.br/blogs-e-colunas/educar-acao/como-sera-realmente-a-escola-pos-pandemia/>. Acesso em: 13 de ago. 2020.

GARCIA, Tânia et al. Ensino remoto emergencial: proposta de design para organização de aulas. SEDIS, UFRN, 2020.

MARTINS, Ronei. A covid-19 e o fim da educação a distância: um ensaio. EmRede, v. 7, n. 1, p. 242-256, 2020.

MORAN, José Manuel. Mudando a educação com metodologias ativas. Coleção Mídias Contemporâneas. Convergências Midiáticas, Educação e Cidadania: aproximações jovens, v.2, 2015.

SANTOS, Eliana; WECHSLER, Solange. Ensino à distância: uma década das publicações científicas brasileiras. Interamerican Journal of Psychology, v. 43, n. 3, p. 558-565, 2009.

SILVA, Alda et al. Os impedimentos da atividade de trabalho do professor na EAD. Psicol. cienc. prof., Brasília, v. 37, n. 3, p. 683-696, 2017.

VIEIRA, Letícia; RICCI, Maike. A educação em tempos de pandemia: soluções emergenciais pelo mundo. Editorial do Observatório do Ensino Médio em Santa Catarina. Santa Catarina, 2020. Disponível em <https://www.udesc.br/arquivos/udesc/id_cpmenu/7432/EDITORIAL_DE_ABRIL___Let_cia_Vieira_e_Maike_Ricci_final_15882101662453_7432.pdf>. Acesso em: 20 de ago. 2020.

Downloads

Publicado

2021-01-06