A linguagem audiovisual como prática escolar

Simone Berle, Márcia Vilma Murillo

Resumo


O ensaio discute a relação entre o cinema e a escola para tematizar a linguagem audiovisual e suas implicações nas práticas escolares. Mesmo com o acesso a materiais e recursos audiovisuais, o cinema comparece no cotidiano escolar como apoio pedagógico diante da hierarquização e redução das linguagens à leitura e à escrita na educação das crianças. Para discutir a necessária pluralização de experiências com as linguagens, enquanto prática escolar, busca dialogar com a proposta de Jorge Larrosa, de substituir o par teoria/prática pelo par experiência/sentido para pensar a educação e com a concepção do humano como ser histórico e produtor de história em Paul Ricoeur. Nosso olhar de educadoras e pesquisadoras da infância interroga a naturalizada presença da linguagem audiovisual na educação das crianças, para destacar a desconsideração pela pluralidade de acessos midiáticos que as crianças podem interagir atualmente. Não reivindica a inclusão do cinema nos currículos, enquanto área de conhecimento a ser contemplada como “conteúdo”, mas aponta a importância do ampliar as aprendizagens, no cotidiano escolar, ao reivindicar a pluralização dos processos de aprender a complexificar repertórios linguageiros.

Palavras-chave


Educação da Infância – Linguagem Audiovisual – Experiência – Linguagens na Educação

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.17058/signo.v36i61.2141

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.


Disponibilidade para depósito: permite o depósito das versões pré-print e pós-print de um artigo