Hibridismo cultural no espaço urbano: a São Paulo de Luiz Ruffato

Lucas da Cunha Zamberlan, André Soares Vieira

Resumo


Este artigo visa refletir sobre os mecanismos discursivos do romance Eles eram muitos cavalos, de Luiz Ruffato, evidenciando o fenômeno sociocultural do hibridismo como elemento fundamental na composição do espaço urbano de São Paulo. A fim de alcançamos o nosso objetivo, adequamos o estudo aos seguintes parâmetros metodológicos: a) análise rigorosa dos recursos estéticos manipulados pelo autor com o intuito de perceber como certas temáticas,tão relevantes ao debate do weltgefuehlsocial da América-Latina, são amalgamadas ao arcabouço do romance; b) compreensão do hibridismo como conceito-chave na configuração tanto das relações interpessoais entre os habitantes da metrópole, quanto da organização dos fragmentos, conferindo unidade à narrativa; c) fortuna crítica de autores oriundos da teoria literária eda sociologia na tentativa de promover o diálogo das esferas do conhecimentos que abalizam esta pesquisa científica. Para tanto, construímos um aporte teórico que sevaleu dos apontamentos de Canclini (2013), Calvino (2010), Bauman (2001), (2009), Canevacci (1996), Bakhtin (2012), Giddens (2008), Landowski (2002), entre outros.A partir dos constituintes avaliados, concluímos que o hibridismo sociocultural que compõe o cenário das grandes cidades latino-americanas coaduna-se com o próprio experimentalismo de formas do romance, apontando um caminho onde a multiplicidade e heterogeneidade assumem um papel fundamental.

Palavras-chave


Hibridismo. São Paulo. Luiz Ruffato. Eles eram muitos cavalos.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.17058/signo.v40i69.5924

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.


Disponibilidade para depósito: permite o depósito das versões pré-print e pós-print de um artigo