Dinâmicas socioeconômicas dos feirantes agricultores familiares de Chapecó (SC)

Hieda Maria Pagliosa Corona, Samuel Tafernaberri Vasques Vasques, Wilson Itamar Godoy

Resumo


No presente artigo, o objetivo central é compreender a feira-livre como um espaço estratégico para a permanência da agricultura familiar, indo além da temática da inserção de mercado. A pesquisa de campo foi desenvolvida nas duas feiras-livres centrais da cidade de Chapecó/SC, dividida em duas etapas: levantamento das características dos feirantes, por meio da entrevista com base em um formulário com questões abertas e fechadas com 63 feirantes responsáveis pelas bancas; e entrevistas com base em questões semiestruturadas com as 28 famílias que se enquadraram como feirantes agricultores familiares residentes no Município de Chapecó. Os dados coletados foram apresentados em quadros sínteses e a análise realizada seguiu os parâmetros da análise de conteúdo. Os resultados demostram a importância desse mercado de proximidade para os agricultores familiares feirantes, não apenas como espaço de comercialização de produtos, mas como espaço de construção social em que estão presentes as relações de interconhecimento, de reciprocidade e de relativa autonomia frente ao sistema agroalimentar hegemônico.

Palavras-chave


Feirantes agricultores familiares. Inserção nos mercados. Mercados de proximidade. Estratégias de resistência. Autonomia.

Texto completo:

Artigo


DOI: http://dx.doi.org/10.17058/redes.v23i1.10532

Flag Counter

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.


Disponibilidade para depósito: permite o depósito das versões pré-print e pós-print de um artigo