A agroindústria familiar no contexto do sistema agrário colonial no Sul do Brasil

Autores

DOI:

https://doi.org/10.17058/redes.v25i1.14255

Palavras-chave:

Território. Sistema agrário colonial. Agroindústria familiar. Cultivo do tabaco. Dependência. Autonomia.

Resumo

A configuração do território rural no sul do Brasil foi fortemente influenciada pela imigração europeia ao longo do século XIX. O sistema agrário colonial, decorrente desse processo, é caracterizado pela pequena propriedade rural, organizada em regime de trabalho familiar, voltada à produção da subsistência do grupo familiar e à venda de excedentes. Os dados apresentados resultam da pesquisa que analisou o processo de constituição e de funcionamento das agroindústrias familiares e suas implicações na dinâmica da organização territorial na região do Vale do Rio Pardo - RS. Por meio da investigação, de caráter analítico-explicativo, buscou-se compreender a interação de fatores de ordem endógena (horizontalidades) e de ordem exógena (verticalidades) no território, uma vez que a região é hegemonizada por grandes complexos transnacionais da indústria do tabaco, que usam o território de forma seletiva, tornando os produtores dependentes de suas estratégias de produção e de comercialização. Os dados coletados apontam dificuldades na formalização das agroindústrias, em decorrência das exigências legais. Do total de agroindústrias identificadas na região, em torno de 40% são formais e 60% estão em processo de formalização ou são informais, condição que limita o acesso ao mercado formal para comercialização da produção.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Virginia Elisabeta Etges, Universidade de Santa Cruz do Sul, Santa Cruz do Sul, RS, Brasil

Doutora em Geografia e Docente do Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Regional etges@unisc.br

Erica Karnopp, Universidade de Santa Cruz do Sul, Santa Cruz do Sul, RS, Brasil

Doutora em Geografia e Docente do Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Regional erica@unisc.br

Referências

AMORIM, Luci S. B.; STADUTO, Jefferson A. R. (2007). Desenvolvimento territorial rural: estudo empírico sobre agroindústria familiar rural no Oeste do Paraná. In: 45º CONGRESSO DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E SOCIOLOGIA (SOBER), Anais... Londrina, 2007.

BESSA, Kelly. Diferenciação espacial como elemento próprio à natureza da Geografia. Mercator, volume 9, número 20, 2010: set./dez.

BUAINAIN, A.M.; ROMEIRO, A.R.; GUANZIROLI, C. Agricultura Familiar e o Novo Mundo Rural. Sociologias, ano 5, nº 10, jul/dez 2003, p. 312-347.

CORREA, Roberto L. Trajetórias Geográficas. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1997.

CORRÊA, Roberto L. Espaço, um conceito-chave da Geografia. In: CASTRO, Iná E. de; GOMES, Paulo Cesar da C.; CORRÊA, Roberto L. (Org.). Geografia: conceitos e temas. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1995.

DREHER, Martin. Igreja e Germanidade: estudo crítico da história da Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil. São Leopoldo: Editora Sinodal, 1984.

FORTES, João Borges. Os casais açorianos: presença lusa na formação do Rio Grande do Sul. Porto Alegre: Martins Livreiro, 1978.

KARNOPP, Erica et al. Agroindústrias Familiares no Sul do Brasil: O Território na perspectiva do desenvolvimento. Revista de Desenvolvimento Econômico – RDE - Ano XVIII – V. 2 - N. 34 - Agosto de 2016 - Salvador, BA – p. 666 – 684.

LUKACS, Georg. Existencialismo ou Marxismo. Editora Senzala, 1967.

MAZOYER, Marcel; ROUDART, Laurence. História das agriculturas no mundo: do neolítico à crise contemporânea [tradução de Cláudia F. Falluh Balduino Ferreira]. São Paulo: Editora UNESP; Brasília, DF: NEAD, 2010. 568p.

MERTZ, Marli. A agricultura familiar no Rio Grande do Sul - um sistema agrário colonial. Ensaios FEE, Porto Alegre, v. 25, n. 1, p. 277-298, abr. 2004.

MIOR, Luiz Carlos. Agricultores familiares, agroindústrias e redes de desenvolvimento rural. Chapecó/SC: Argos, 2005.

PLOEG, J.D.Van der. O modo de produção camponês revisitado. In: SCHNEIDER, S. (org.) A diversidade da Agricultura Familiar. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2006.

PROGRAMA ESTADUAL DE AGROINDÚSTRIA FAMILIAR – PEAF. Manual Operativo. Secretaria Estadual do Desenvolvimento Rural, Pesca e Cooperativismo, Governo do Estado do Rio Grande do Sul, 2013. Disponível em: http://www.sdr.rs.gov.br/upload/arquivos/201710/02115021-manual-operativo-programa-estadual-de-agroindustria-familiar-peaf-2017-2-2.pdf Acesso em: 12 set 2018.

PREZOTTO, Leomar L. Uma concepção de agroindústria rural de pequeno porte. Revista de Ciências Humanas, Florianópolis, n. 31, p. 133-153, abr. 2002.

ROCHE, Jean. A colonização alemã e o Rio Grande do Sul. Porto Alegre: Globo, 1969.

SANTOS, Milton. Sociedade e Espaço: a formação social como teoria e como método. In: Espaço e Sociedade - Ensaios. 2ª ed., Petrópolis: Vozes, 1982.

SANTOS, Milton. Pensando o Espaço do Homem. 4ª ed., São Paulo: Hucitec, 1997.

SANTOS, Milton. O Território e o Saber Local: Algumas Categorias de Análise. Cadernos IPPUR, Rio de Janeiro, ano XIII, n°2, 1999.

SILVA NETO, Benedito; LIMA, Arlindo Preste de; BASSO, David. Teoria dos Sistemas Agrários: Uma nova abordagem do desenvolvimento da Agricultura. Revista de Extensão Rural, Santa Maria, n.4, 1997.

TRAMONTINI, Marcos Justo. A questão da terra na fase pioneira da colonização. In: MAUCH, Claudia. Os alemães no Sul do Brasil. Canoas: Ed. Ulbra, 1994.

TRENTIN, Iran C. L. Avaliação e Acompanhamento da Gestão de 20 Agroindústrias Familiares da Região das Missões/RS. São Luiz Gonzaga, 2002.

VOGT, Olgário P. A Colonização Alemã no Rio Grande do Sul e o capital social. 2006. 435f. Tese (Doutorado em Desenvolvimento Regional) – Universidade de Santa Cruz do Sul, Santa Cruz do Sul, 2006.

WAIBEL, Leo. Capítulos de Geografia Tropical e do Brasil. 2. ed. Rio de Janeiro: IBGE, 1979.

WILLEMS, Emilio. A aculturação dos alemães no Brasil: estudo antropológico dos alemães e seus descendentes no Brasil. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1946.

Downloads

Publicado

2020-01-10

Como Citar

Etges, V. E., & Karnopp, E. (2020). A agroindústria familiar no contexto do sistema agrário colonial no Sul do Brasil. Redes (St. Cruz Do Sul Online), 25(1), 268-283. https://doi.org/10.17058/redes.v25i1.14255

Edição

Seção

Artigos