Movimentos de Emigração de Mulheres Rurais em Itapejara d’Oeste/PR: enfrentando relações de poder patriarcais

Josiane Carine Wedig, Simão Ternoski, Miguel Angelo Perondi, Norma Kiyota

Resumo


Este artigo analisa as relações de poder, saber e ser que, desde o colonialismo, constituíram hierarquias em torno das classificações de gênero. Nossa cultura rotula como não civilizada e não humana aquelas(es) que não se enquadram no modelo hegemônico, esse rótulo é usado para entender o papel da mulher no meio rural. Nas áreas rurais, as mulheres modernas buscam romper com as relações de poder estabelecidas, procuram maior independência e acesso à liderança pública. Diante dessas questões, vale a pena perguntar: quais são os fatores que empoderam as mulheres rurais? Observa-se que a escolaridade e as alternativas de renda não agrícola possibilitam quebrar sua invisibilidade nos estabelecimentos rurais. Para a construção da análise, são apresentados os dados estatísticos de uma amostra de 95 casos da população rural de Itapejara d'Oeste/PR, cujo levantamento inicial foi realizado em 2005 e posteriormente atualizado em 2010 e 2015, nesta análise, utilizou-se de ferramentas econométricas, com base no modelo de variável limitada dependente (MVLD). Os resultados indicaram a ocorrência de uma maior emigração de mulheres relacionadas à maior escolaridade, bem como uma redução dessa emigração quando as mulheres passaram a ter maior acesso a rendimentos não agrícolas no meio rural. Ambas as formas de acesso ao espaço público deram às mulheres rurais maior independência e provavelmente ajudaram a sair de sua invisibilidade.

Palavras-chave


Mulheres Rurais. Emigração Rural. Escolaridade. Renda. Perspectiva Decolonial.

Referências


BRUMER, A. Gênero e Agricultura: A situação da mulher na agricultura do Rio Grande do Sul. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 12, n. 1, p. 205, jan. 2004.

BUTLER, J. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2016.

CAMARANO, A. A.; ABRAMOVAY, R. Êxodo Rural, Envelhecimento e Masculinização no Brasil: Panorama dos últimos 50 anos. Texto para Discussão nº 621. IPEA - Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada, Rio de Janeiro, janeiro de 1999. Disponível em: . Acesso em: 19 fev. 2020.

FEDERICI, S. Calibã e a bruxa: mulheres, corpo e acumulação primitiva. São Paulo: Editora Elefante, 2017.

FOUCAULT, M. História da sexualidade. Rio de Janeiro: Graal, 1997.

FULLER, A. M. From Part-time Farming to Pluriactivity: A Decade Change in Europe. Journal of Rural Studies. Vol. 6, Nº. 4, p. 361-375. 1990.

HIRATA, H. Organização, trabalho e gênero. In: HIRATA, H.; SEGNINI, L. (Org.) Organização, trabalho e gênero. São Paulo: SENAC, 2007.

HIRATA, H.; KERGOAT, D. Novas Configurações da Divisão Sexual do Trabalho. Trad. Fátima Murad. Cadernos de Pesquisa, v. 37, n. 132, p. 595-609, set./dez. 2007.

IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia a e Estatística. Censo agropecuário 2006: Brasil, Grandes Regiões e Unidades da Federação. IBGE: Rio de Janeiro, 2006. Disponível em: < https://bit.ly/3kB29QZ>. Acesso em: 28 out. 2020.

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censo demográfico 2000: Brasil. IBGE: Rio de Janeiro, 2001.

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua: divulgação especial, mulheres no mercado de trabalho, 2018. Disponível em: . Acesso em: 09 ago. 2019.

IBGE Cidades. Itapejara d’Oeste. 2019. Disponível em: . Acesso em: 05 ago. 2019.

IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Séries Históricas e Estatísticas. população e demografia. indicadores demográficos. Razão de sexo na população presente e residente, por grupos de idade. 2020a. Disponível em: . Acesso em: 19 fev. 2020.

IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. SIDRA - Sistema IBGE de Recuperação Automática. Censo Demográfico: Tabela 1378. 2020b. Disponível em: . Acesso em: 19 fev. 2020.

IPARDES – Instituto Paranaense de Desenvolvimento Econômico e Social. Caderno Estatístico Município de Itapejara d’Oeste. Agosto de 2019. Disponível em: . Acesso em: 05 ago. 2019.

KEMPF, R. B.; TERNOSKI, S.; CALDAS, J. Análise de Gênero e Autonomia Financeira na Agricultura Familiar: um enfoque no programa “gênero e geração”. In: TULLIO, L. (org.). Horizontes das Ciências Sociais. V. 3. Ponta Grossa: Atena Editora, 2019.

KEMPF, R. B.; WEDIG, J. C. Processos de resistência de mulheres camponesas: olhares pela perspectiva decolonial. Mundo Agrário, abril-julio 2019, vol. 20, n° 43, e111, 2019.

LATOUR, B. Jamais fomos modernos. Rio de Janeiro: Editora 34, 1994.

LUGONES, M. Rumo a um feminismo descolonial. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 22, n. 3, p. 935-952, set. 2014.

MANESCHY, M. C. Mulheres na Pesca Artesanal: Trajetórias, identidades e papéis em um porto pesqueiro no litoral do estado do Pará. In: NEVES, D. P.; MEDEIROS, L. S. (org.). Mulheres camponesas: trabalho produtivo e engajamentos políticos. Niterói: Alternativa, 2013.

MENASCHE, R.; ESCHER, M. S. (coord.). Gênero e Agricultura Familiar: Cotidiano de vida e trabalho na produção de leite. Pesquisa DESER - CEMTR/PR, Curitiba 1996.

NEVES, D. P. Temáticas Recorrentes nas Teses e Dissertações Referentes ao Universo Rural. In: NEVES, D. P.; MEDEIROS, L. S. (org.). Mulheres camponesas: trabalho produtivo e engajamentos políticos. Niterói: Alternativa, 2013.

OXFAM BRASIL. Terrenos da Desigualdade: Terra, agricultura e desigualdades no Brasil rural. 2016. Disponível em: . Acesso em: 09 ago. 2019.

PAULILO, M. I. S. Movimentos das mulheres agricultoras e os muitos sentidos da “igualdade de gênero”. In: FERNANDES, B. M.; SERVOLO, L.; PAULILO, M. I. (Orgs.). Lutas camponesas contemporâneas: condições, dilemas e conquistas. v.2: a diversidade das formas das lutas no campo. São Paulo: Editora UNESP; Brasília, DF: Núcleo de Estudos Agrários e Desenvolvimento Rural, 2009.

PERONDI, Miguel Ângelo. Diversificação dos meios de vida e mercantilização da agricultura familiar. 2007. 239 f. Tese (Doutorado em Desenvolvimento Rural) Porto Alegre: UFRGS. 2007.

PERONDI, M. A.; SCHNEIDER, S. Bases teóricas da abordagem de diversificação dos meios de vida. Redes (St. Cruz Sul, Online), Santa Cruz do Sul, v. 17, nº. 2, p. 117-135, jul. 2012.

PICHARDO, O. C. Construyendo metodologías feministas desde el feminismo decolonial. In: AZKUE, I. M. et. al (eds.). Otras Formas de (Re)Conocer: Reflexiones, herramientas y aplicaciones desde la investigación feminista. Bilbao: UPV/EHU. 2014.

PISCITELLI, A. Gênero: a história de um conceito. In: BUARQUE DE ALMEIDA, H.; SZWAKO, J. (org.). Diferenças, igualdade. São Paulo: Berlendis & Vertecchia, 2009. pp. 116-148.

ROHDEN, F. Uma ciência da diferença: sexo e gênero na medicina da mulher. Rio de Janeiro: Fiocruz, 2001.

SARTRE, X. A.; FLORENTINO, L. G.; GUERRA, G. A. D.; MASTOP-LIMA, L.; ALVES, A. M. N.; GUÉTAT-BERNARD, H. O “bom” casamento em áreas de fronteira ou a difícil autonomização das “tarefas” femininas em área de fronteira. In: NEVES, D. P.; MEDEIROS, L. S. (org.). Mulheres camponesas: trabalho produtivo e engajamentos políticos. Niterói: Alternativa, 2013.

SCHNEIDER, S. Tendências e temas dos estudos sobre desenvolvimento rural no Brasil. In Congresso Europeu de Sociologia Rural. Wageningen, Holanda, 20-24 agosto, 2007.

SCHNEIDER, S. Reflexões sobre diversidade e diversificação da agricultura, formas familiares e desenvolvimento rural. R U R I S, Vol. 4, n.1, março 2010.

SCHWENDLER, S. F. A Participação da Mulher na Luta Pela Terra: dilemas e conquistas. In: FERNANDES, B. M.; SERVOLO, L.; PAULILO, M. I. (Orgs.). Lutas camponesas contemporâneas: condições, dilemas e conquistas. v.2: a diversidade das formas das lutas no campo. São Paulo: Editora UNESP; Brasília, DF: Núcleo de Estudos Agrários e Desenvolvimento Rural, 2009.

SILIPRANDI, E. Mulheres agricultoras e a construção dos movimentos agroecológicos no Brasil. In: NEVES, D. P.; MEDEIROS, L. S. (org.). Mulheres camponesas: trabalho produtivo e engajamentos políticos. Niterói: Alternativa, 2013.

STRATHERN. M. O Gênero da Dádiva: problemas com as mulheres e problemas com a sociedade na Melanésia. Trad. André Villalobos. Editora Unicamp: Campinas. SP. 2006.

TERNOSKI, S. Estratégia de Melhoria da Renda da Agricultura Familiar: Análise a partir da base de dados da CRESOL/Prudentópolis. Pato Branco: UTFPR, 183 p. Dissertação – Programa de Pós-graduação em Desenvolvimento Regional. Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Pato Branco, 2013.

WALLERSTEIN, I. Capitalismo histórico e civilização capitalista. Rio de Janeiro: Editora Contraponto, 2001.

WEBER, F. Trabalho fora do trabalho: uma etnografia das percepções. Trad. Roberta Ceva. Rio de Janeiro: Garamond, 2009 [1989].

WOOLDRIDGE, J. M. Introdução à Econometria: Uma abordagem moderna. Trad. Priscilla Rodrigues da Silva Lopes e Livia Marina Koeppl, Ver. Heloisa Pinna Bernardo. São Paulo: Cengage Learning, 2016.

ZANINI, M. C. C.; SANTOS, M. O. Colonas Italianas no Sul do Brasil: estigma e identidade. In: NEVES, D. P.; MEDEIROS, L. S. (org.). Mulheres camponesas: trabalho produtivo e engajamentos políticos. Niterói: Alternativa, 2013.




DOI: http://dx.doi.org/10.17058/redes.v26i0.15021

Flag Counter

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.


Disponibilidade para depósito: permite o depósito das versões pré-print e pós-print de um artigo