Ambiente institucional e renda individual: uma aplicação multinível

Hilton Manoel Dias Ribeiro, Suzana Quinet de Andrade Bastos, Ana Maria Hermeto

Resumo


O objetivo deste artigo é avaliar como as instituições, seja no nível do indivíduo ou no nível mais agregado (países), se relacionam com uma medida categórica de renda individual. Para atendê-lo, dado que se incluem variáveis em diferentes níveis, lança-se mão do modelo de regressão logística hierárquico, tendo a categoria de renda individual como variável dependente. Os resultados indicam que dimensões institucionais como família, confiança, igualdade de gênero, interesse por política e democracia, competição e tamanho de governo, apresentam-se positivamente relacionadas à renda mais alta. De outra forma, dimensões institucionais como religião, obediência, autoridade e igualdade de renda apresentam-se inversamente relacionados à categoria de renda mais alta. Além disso, sobre as instituições formais no nível agregado (países), sugere-se a associação positiva entre melhores garantia de direito de propriedade, menor tamanho do governo e alta medida de renda individual. Esses resultados revelam que ambientes institucionais que valorizam a confiança, a democracia e os direitos de propriedade podem influenciar diretamente na determinação do nível de renda per capita.

Palavras-chave


Instituições. Valores. Renda.

Referências


ACEMOGLU, D.; JOHNSON, S.; ROBINSON, J. The colonial origins of comparative development: An empirical investigation, American Economic Review, vol.91, no5, 2001, pp. 1369-1401. Disponível em https://www.aeaweb.org/atypon.php?doi=10.1257/aer.91.5.1369 Acesso em janeiro de 2014.

BANCO MUNDIAL. Dados. Disponível em http://data.worldbank.org/ Acesso em janeiro de 2014.

BELL, W. J., BURK, T., & SAMS, G. R. Cockroach aggregation pheromone: directional orientation. Behavioral biology, 1973.

BOURDIEU, P. Masculine Domination. Stanford University Press, 2002, 144p.

BOURDIEU, P. Razões Práticas. 6.ed. Campinas: Papirus, 2005.

BUCHANAN, J. M. Rent seeking and profit seeking. In: BUCHANAN, J. M.; TOLLISON, R. D.; TULLOCK, G. (Ed). Toward a theory of the rent-seeking society. College Station, Texas: Texas A&M University Press, 1980.

CARLSSON, F.; LUNDSTRÖM, S. Economic Freedom and Growth: Decomposing the Effects. Public Choice, 112: 335– 344, 2002. Disponível em http://www.jstor.org/stable/30026309 Acesso em julho de 2015.

DAVIS, L.; NORTH, D. C. Institutional change and American economic growth. Cambridge: Cambridge University Press, 1971.

DESAI, M., GOMPERS, P., LERNER, J. Institutions, Capital Constraints and Entrepreneurial Firm Dynamics: Evidence from Europe. NBER Working Paper No 10165, 2003. Disponível em http://www.nber.org/papers/w10165 Acesso em janeiro de 2015.

FIANI, R. Cooperação e Conflito: instituições e desenvolvimento econômico. Rio de Janeiro: Elsevier, 2011.

GELMAN, A.; HILL, J. Data Analysis using Regression and Multilevel/Hierarchical Models. 2 ed. New York: Cambridge University Press, 2007. 625 p.

GOLDSMITH, A. Economic Rights and Government in Developing Countries: Crossnational Evidence on Growth and Development. Studies in Comparative International Development, vol.32, n.2, pp.29–44, 1997.

HAIDAR, J. I. The impact of business regulatory reforms on economic growth. Journal of The Japanese and International Economies. 26, pp. 285–307, 2012. Disponível em http://www.parisschoolofeconomics.eu/docs/haidar-jamal-ibrahim/jjie.pdf Acesso dezembro de 2015.

HALL, R.; JONES, C. Why Do Some Countries Produce So Much More Output per Worker Than Others? Quarterly Journal of Economics 14(1), pp.83– 116, 1999. Disponível em http://qje.oxfordjournals.org/content/114/1/83.full.pdf+html Acesso em outubro de 2015.

HERITAGE FOUNDATION. Index of Economic Freedom. Disponível em http://www.heritage.org/index/ Acesso em janeiro de 2014.

HODGSON, G. M. Reclaiming habit for institutional economics. Journal of Economic Psychology 25, pp.651–660, 2004. Disponível em http://www.geoffrey-hodgson.info/user/image/reclhabitinstecon.pdf Acesso em fevereiro de 2014.

INGLEHART, R. Modernización y post modernización: El cambio cultural, económico y político en 43 sociedades, Madrid, CIS/Siglo XXI, 1998.

JAGUARIBE, H. Condições Institucionais do Desenvolvimento. Textos Brasileiros de Política. Instituto Superior de Estudos Brasileiros. Ministério da Educação e Cultura. Rio de Janeiro, 1958.

KNACK, S.; KEEFER, P. Institutions and Economic Performance: Cross Country Tests Using Alternative Institutional Measures. Economics and Politics, vol.7, n.3, pp. 207-228, 1995.

KUZNETS, S. Crescimento econômico moderno: ritmo, estrutura e difusão. São Paulo: Nova Cultura, 2ª ed, 1986.

LUQUE, C. Crescimento da economia brasileira. In: DELFIM NETTO, A. (coord). O Brasil do Século XXI. vol.1, pp-431-448, Editora Saraiva, 2011.

MARTONE, C. L. Instituições, Setor Público e Desenvolvimento: O Caso do Brasil. Texto para Discussão Nº 9. Fundação Instituto e Pesquisa Econômica. Universidade de São Paulo. São Paulo, 2007. Disponível em http://downloads.fipe.org.br/publicacoes/textos/texto_09_2007.pdf Acesso em janeiro de janeiro de 2015.

MILLER, A. T; KIM, A. B. Economic Freedom: The Proven Path to Prosperity. In: 2016 Index of Economic Freedom. Heritage Foudation. Disponível em http://www.heritage.org/index/book/chapter-1 Acesso em janeiro de 2015.

MORENOFF, J. D. Neighborhood mechanisms and the spatial dynamics of birth weight. American Journal of Sociology, vol.108, n.5, p.976-1017, 2003. Disponível em http://www.jstor.org/stable/10.1086/374405 Acesso em novembro de 2015.

NORTH, D.; THOMAS, R. P. The rise of the Western World: A new economic history. Cambridge: Cambridge University Press, 1973.

NORTH, D. The New Economic History After Twenty Years. American Behavioral Scientist, Vol. 21, n.2, 1977.

___________. Structure and change in economic history. New York: Norton, 1981.

___________. Institutions, economic growth and freedom: an historical introduction. In: WALKER, M. (Ed). Freedom, democracy and economic welfare. Vancouver: Fraser Institute, 1988.

___________ Institutions, institutional change and economic performance. New York: Cambridge University Press. 150 p, 1990.

___________ Institutions. The journal of Economic Perspectives, v.5, n3, pp.99-112, 1991. Disponível em http://pubs.aeaweb.org/doi/pdfplus/10.1257/jep.5.1.97 Acesso em janeiro de 2014.

___________ Transaction costs, institutions, and economic performance. São Francisco: ICS Press, 1992.

OLSON, M. The rise and decline of nations: Economic growth, stagflation, and social rigidities. New Haven: Yale University Press, 1982.

RABE-HESKETH, S.; SKRONDAL, A.; PICKLES, A. Maximum likelihood estimation of limited and discrete dependent variable models with nested random effects. Journal of Econometrics, 128, pp.301–323, 2005.

RAUDENBUSH, S. W.; AND A. S. BRYK, A. S. Hierarchical Linear Models: Applications and Data Analysis Methods. 2nd ed. Thousand Oaks, CA: Sage, 2002.

SCHOTTER, A. The Economic Theory of Social Institutions. Cambridge: Cambridge University Press, 1981.

SILVA, G. O. V. Capital Cultural, Classe e Gênero em Bourdieu. Informare: Cadernos do Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação. vol.l, n.2, p.24-36, 1995. Disponível em http://ridi.ibict.br/bitstream/123456789/215/1/OlintoSilvaINFORMAREv1n2.pdf Acesso em dezembro de 2015.

SNIJDERS, T. A.; BOSKER, R. J. An introduction to basic and advanced multilevel modeling. 1 ed. London, Thousand Oaks, California, New Delhi: Sage, 1999. 266p.

TORSTENSSON, J. Property Rights and Economic Growth: An Empirical Study. Kyklos, vol.47, n.2, pp.231–47, 1994.

WELZEL, C; INGLEHART, R. Democratization as Human Empowerment. Journal of Democracy, 2008.

WILLIAMSON, O. E. The economic institutions of capitalism. Nova York: The Free Press, 1985.

______________ Economic organization: firms, markets and policy control. Nova York: New York University Press, 1986.

______________ Transaction Costs Economics. In: SCHMALENSE, R.; WILLIG, R. Handbook of Industrial Organization, Elsevier Science, Amsterdam, 1996.

WINSTON, C. US industry adjustment to economic deregulation. Journal of Economic Perspectives, 12 (3), pp.89–110, 1998.

WILLIAMS, R. Generalized ordered logit/ Partial proportional odds models for ordinal dependent variables. The Stata Journal 6 (1), pp.58-82, 2006. Disponível em http://www.stata.com/bookstore/pdf/long2-review.pdf Acesso em dezembro de 2015.

WVSA – World Values Survey Association. World Values Survey: Values Change the World. Disponível em http://www.worldvaluessurvey.org/WVSDocumentationWV6.jsp. Acesso em março de 2014.




DOI: http://dx.doi.org/10.17058/redes.v26i0.15277

Flag Counter

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.


Disponibilidade para depósito: permite o depósito das versões pré-print e pós-print de um artigo