Qualificação dos processos de Comunicação Pública no fortalecimento social e democrático do direito à informação: as realidades portuguesa e brasileira

Autores

DOI:

https://doi.org/10.17058/redes.v26i0.15720

Palavras-chave:

Comunicação Pública, Políticas Públicas, Complexidade, Folkcomunicação, Agir Comunicativo.

Resumo

Este artigo busca evidenciar conceitos importantes da Comunicação Pública Cidadã, cotejando as práticas comunicacionais, no âmbito do poder local, entre Portugal e Brasil, dois países unidos pela mesma língua, mas com realidades diversas nos planos social e cultural. Tendo como base a Pesquisa dos autores (2018-2019), o trabalho procura descrever a análise realizada em quatro cidades, portuguesas e brasileiras, com o objetivo de conhecer e avaliar os processos de transmissão da informação por parte do poder público, como um direito social e constitucional. Através da análise de conteúdo, a metodologia parte de um recorte de tripla amostragem por meio de entrevistas com os gestores e profissionais envolvidos na transmissão da informação pública na aplicação de questionários aos cidadãos e, finalmente pela análise documental dos materiais impressos e disponibilizados na internet (websites). A avaliação sobre a importância do diálogo e da efetiva compreensão da informação teve como lastro teórico os preceitos de Edgar Morin, Luiz Beltrão e Jürgen Habermas, no âmbito do Paradigma da Complexidade, da Folkcomunicação e Teoria do Agir Comunicativo, respectivamente. Ao confrontar o modelo histórico e reivindicatório do direito à informação nas atuais políticas públicas de transparência e qualidade total, os resultados ressaltaram a importância do diálogo como instrumento democrático, pela excelência na Comunicação Pública em benefício da cidadania. A conclusão recomenda que os procedimentos de transmissão da informação, enquanto pública, respeitem a bagagem cultural e a história de vida de cada indivíduo: uma nova forma de comunicação, dialógica, que adote uma linguagem simplificada adequando o conhecimento técnico ao comum, permitindo a compreensão do conteúdo de maneira eficaz.

Biografia do Autor

João Figueira, Universidade de Coimbra - Portugal

CV - CienciaVitae disponível em: https://cienciavitae.pt/pt/1616-7738-6FEC Doutor em Ciências da Comunicação pela Universidade de Coimbra. Professor Auxiliar na Universidade de Coimbra e subdiretor do Departamento de Filosofia, Comunicação e Informação da Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra

Fernando Biffignandi, Universidade de Coimbra - Portugal

CV Lattes: disponível em: http://lattes.cnpq.br/2014940228250863 ID Lattes: 2014940228250863 Publicitário, Arquiteto e Urbanista graduado pelo Centro Universitário Ritter dos Reis / Uniritter - (1987) Mestre em Comunicação Social pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (2013), Doutor em Comunicação pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (2018), Pós-Doutor em Comunicação na Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra em Portugal (2014). Linha de pesquisa voltada à Comunicação Pública focada nos seguintes temas: Comunicação dirigida a habitação de interesse social, comunicação social, Folkcomunicação, Educomunicação e metodologia de projeto.

Referências

BAGNO, M. Preconceito Linguístico: o que é, como se faz. 6. ed. São Paulo: Edições Loyola, 1993.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Trad. Luís Antero Reto e Augusto Pinheiro.

Lisboa: Edições 70, 2016.

BELTRÃO, L. Comunicação popular e região no Brasil. In: MARQUES DE MELO, J. (Org.). Comunicação/Incomunicação no Brasil. São Paulo: Loyola; UCBC, 1976.

___________. Folkcomunicação: a comunicação dos marginalizados. São Paulo:

Cortez, 180.

___________. Folkcomunicação: Um estudo dos agentes e dos meios populares de informação de fatos e expressão de ideias. Porto Alegre: Edipucrs, 2001.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Texto promulgado em 05 de outubro de 1988.

Disponível em:< http://livraria.senado.gov.br/ebook.constituicao >. Acesso em: 15 jun. 2012.

DUARTE, J. Instrumento de comunicação pública. In: DUARTE, J. (Org.). Comunicação pública: estado, mercado, sociedade e interesse público. São Paulo: Atlas, 2007.

HABERMAS, J. Técnica e ciência como ideologia. Lisboa, Portugal: Edições 70,

___________. Teoria do agir comunicativo. v. I. São Paulo: Martins Fontes, 2012.

HALL, S. A Identidade Cultural na Modernidade. 8ª edição, 2005.

HOHLFELDT, A. Folkcomunicação: positivo oportunismo de quase meio século. In: Anuário UNESCO/UMESP de comunicação regional, São Bernardo do Campo, São Paulo, v. 1, n. 5, p. 82-23, 2002.

KUNSCH, Margarida. Comunicação pública: direitos e cidadania, fundamentos e práticas. In: Matos, Heloiza (Org.). Comunicação pública: interlocuções, interlocutores e perspectiva. São Paulo: ECA-USP, 2013.

MAFFESOLI, M. A comunicação sem fim: teoria pós-moderna da comunicação. In: MARTINS, F.; SILVA, J. (orgs.) A genealogia do virtual: comunicação, cultura e tecnologias do imaginário. Porto Alegre: Sulina, 2004.

MATOS, H. Comunicação pública, democracia e cidadania: o caso do legislativo. Líbero, Faculdade Casper Líbero, a. II, n. 3-4, 1999, p. 32-37.

MORIN, E. Introdução ao Pensamento Complexo. Tradução do francês: Eliane Lisboa - Porto Alegre: Ed. Sulina, 2005.

___________. Os sete saberes necessário à educação do futuro. Tradução de Catarina Eleonora F. da Silva e Jeanne Sawaya; revisão técnica de Edgard de Assis Carvalho – 2ª ed. rev. – São Paulo: Cortez, Brasília, DF: UNESCO, 2011.

PAIVA, R. Mídia e Comunidade. In: PAIVA, R. (org.). O retorno da comunidade. Rio de Janeiro: Mauad, 2007.

PORTUGAL. Constituição 1976. Constituição da República Portuguesa. Parlamento. Disponível em: <http://www.parlamento.pt/Legislacao/Paginas/ConstituicaoRepublicaPortuguesa.aspx > . Acesso em: 15 out. 2016.

SANTOS, B. Para uma sociologia das ausências e uma sociologia das emergências. In: Revista Crítica de Ciências Sociais, n. 63, p. 237-280, 2002. Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra, - Coimbra, Portugal.

WOLTON, D. Informar não é comunicar. Porto Alegre: Sulina, 2010.

VYGOTSKY, L. A formação social da mente. São Paulo: Martins Fontes, 1991.

Edição

Seção

Comunicação, Cultura e Desenvolvimento Regional