Transformações demográficas e nas estratégias de trabalho: uma abordagem longitudinal da agricultura familiar em Salvador das Missões – Rio Grande do Sul

Vanderlei Franck Thies

Resumo


O presente estudo tem como objetivo identificar variações na disponibilidade de mão de obra familiar e analisar as estratégias de alocação de trabalho dos agricultores familiares. Para tal, além de revisão de literatura, foram coletados dados primários através de pesquisa de campo junto as mesmas famílias, no ano de 2003 e 2018, no município de Salvador das Missões – Rio Grande do Sul. A amostra foi do tipo sistemática por comunidade e as famílias, no primeiro ano da pesquisa, foram escolhidas através de sorteio. Os dados revelam que ocorreu redução do número médio de integrantes e envelhecimento das famílias agricultoras, o que implicou na redução da sua capacidade de trabalho. Frente a isso as famílias diminuem o volume de trabalho alocado em atividades agrícolas e ampliam a alocação de trabalho familiar em atividades não agrícolas. Além disso, observou-se que a contratação do trabalho de terceiros e a alocação de trabalho familiar em atividades agrícolas fora dos estabelecimentos familiares mostraram-se pouco expressivas nos anos estudados.

Palavras-chave


Agricultura familiar; Trabalho; Agrarização; Desagrarização

Referências


ALVES, J. E. D.; CAVENAGHI, S. Tendências demográficas, dos domicílios e das famílias no Brasil. 2012. Disponível em: http://www.ie.ufrj.br/aparte/pdfs/tendencias_demograficas_e_de_familia_24ago12.pdf. Acesso em: 6 jul. 2019.

ANJOS, F. S.; CALDAS, N. V. O futuro ameaçado: o mundo rural face aos desafios da masculinização, do envelhecimento e da desagrarização. Ensaios FEE, Porto Alegre, v. 26, n. 1, p. 661-694, jun. 2005.

ANJOS, F. S.; CALDAS, N. V. Pluriactividad y agricultura familiar en Brasil: el caso de Rio Grande do Sul. Revista da CEPAL, n. 93, p. 157 – 173, 2007.

ANJOS, F. S.; CALDAS, N. V; POLLNOW, G. E. Menos mulheres, menos jovens, mais incertezas: a transição demográfica no Brasil rural meridional. Revista Extensão Rural, DEAER – CCR – UFSM, vol.21, nº 2, p. 94 – 116, abr./jun. 2014.

ANDERSON, C. R.; BRUIL, J.; CHAPPELL, M. J.; KISS, C.; PIMBERT, M. P. Agroecology Now! Transformations towards more just and sustainable food systems. Cham: Palgrave Macmillan, 2021.

CAMARANO, A. A.; ABRAMOVAY, R. Êxodo rural, envelhecimento e masculinização no Brasil: panorama dos últimos 50 anos. Rio de Janeiro: IPEA, 1999. Disponível em: http://www.ipea.gov.br/portal/index.php?option=com_content&view=article&id=3929. Acesso em: jul. 2019.

CARON, P. et al. Sistemas alimentares para o desenvolvimento sustentável: propostas para uma profunda transformação em quatro partes. In.: PREIS, P.; SCHNEIDER, S. (Orgs.). Sistemas alimentares no século XXI: debates contemporâneos. Porto Alegre: Ed. UFRGS, 2020. p. 25-49.

CHIAVENATO, I. Recursos Humanos. São Paulo: Atlas, 1995.

COSTA, A.; MATOS, R. E. S.; VALLE, M. H. F. Análise dos processos de masculinização no meio rural dos municípios brasileiros segundo porte populacional e grau de modernização da agropecuária. Campo-Território, v. 10, n. 21, p. 271-292, ago., 2015.

DELGADO, G. C. Previdência social e desenvolvimento rural. In: GRISA, C.; SCHNEIDER, S. (orgs.). Políticas públicas de desenvolvimento rural no Brasil. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2015, p. 429 – 442.

ESCHER, F. et al. Caracterização da Pluriatividade e dos Plurirrendimentos da Agricultura Brasileira a partir do Censo Agropecuário. Revista de Economia & Sociologia Rural, Piracicaba, v.52, n.04, p.643-668, Dez. 2014.

FAVARETO, A. Transição para a sustentabilidade no Brasil e o desenvolvimento territorial nos marcos da Agenda 2030 e dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável. Parc. Estrat., Brasília, v. 24, n. 49, p. 49-72, jul./dez. 2019.

FAVARETO, A.; BERDEGUE, J. Mudanças globais e locais - implicações para o futuro do enfoque territorial do desenvolvimento rural em América Latina. In: PERAFAN, M.E.V.; GRISA, C.; TARTARUGA, I.; RAMIREZ-MIRANDA, C.A. (Orgs.). Gestão e dinâmicas em desenvolvimento territorial. Curitiba: Editora DRV, 2018, v. 1, p. 29-54.

FREITAS, T. D.; DEPONTI, C. M.; SILVEIRA, R. L. L. Apresentação. In: FREITAS, T. D.; DEPONTI, C. M.; SILVEIRA, R. L. L. (Orgs.). Políticas públicas e desenvolvimento regional: atores e estratégias em regiões do Brasil. São Carlos: Pedro & João Editores, 2020, p. 9-15.

FROEHLICH, J. et al. Êxodo seletivo, masculinização e envelhecimento da população rural na região central do RS. Ciência Rural, Santa Maria, v. 41, n. 9, p. 1674-1680, set. 2011.

GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. São Paulo: Editora Atlas, 2008.

GRANDO, M. A. Um retrato da agricultura familiar gaúcha. Indic. Econ. FEE, Porto Alegre, v. 39, n. 4, p. 159-176, 2012.

GRAZIANO, J. da S. O novo rural brasileiro. Nova Economia, Belo Horizonte, v. 7, n. 1, p. 43-81, 1997.

HEIN, A. F.; SILVA, N. L. S. A insustentabilidade na agricultura familiar e o êxodo rural contemporâneo. Estudos Sociedade e Agricultura, Rio de Janeiro, v. 27, n. 2, p. 394-417, Jun. 2019.

HOFFMANN, R. Distribuição da renda agrícola e sua contribuição para a desigualdade de renda no Brasil. Revista de Política Agrícola, Brasília, n. 2, p. 5-22, abr./jun. 2011.

INSTITUTO BRASIELRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICAS – IBGE. Censo Agropecuário 2017. IBGE: Rio de Janeiro, 2018. Disponível em: . Acesso em: mar. 2019.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA – IBGE. Censo Demográfico 1991, 2000 e 2010. Rio de Janeiro, 2010. Disponível em: https://www.fee.rs.gov.br/perfil-socioeconomico/estado/divisao-geopolitica-do-rs/. Acessado em: 11 nov. 2017.

LEITE, S. P. Ruralidades, enfoque territorial e políticas públicas diferenciadas para o desenvolvimento rural brasileiro: uma agenda perdida? Estudos Sociedade e Agricultura, v. 28, n. 1, p. 227-254, fev. 2020.

LIMA, A. J. P.; HENRIQUES, A. O.; HENNING, C. C. A produção leiteira como alternativa estratégia para o desenvolvimento da agricultura: um estudo no município de Salvador das Missões – RS. In.: CONGRESSO DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE SISTEMAS DE PRODUÇÃO, 9., Brasília, 2012. Anais... Brasília, SBSP, 2012.

LIMA, A. J. P. BASSO, N. NEUMANN, P. S. SANTOS, A. C. MÜLLER, A. G. Administração da Unidade de Produção Familiar: modalidades de trabalho com agricultores. Ijuí: Editora UNIJUÍ, 1995.

LUI, G. H. Transição de modos de vida rurais na Amazônia brasileira: uma perspectiva longitudinal sobre diversificação da renda, atividades agrícolas e uso da terra entre pequenos produtores. 2013. Tese (Doutorado em Ciências) - Centro de Energia Nuclear na Agricultura, Universidade de São Paulo, Piracicaba, 2013.

MAIA, A. G. O esvaziamento demográfico rural. In.: O mundo rural no Brasil do século 21: a formação de um novo padrão agrário e agrícola. BUAINAIN, A. M. et al. (Org.). Brasília: EMBRAPA, 2014, p. 1081 - 1099.

MARCONI, M. A.; LAKATOS, E. M. Fundamentos de metodologia científica. 7. ed. São Paulo: Atlas, 2010.

MARSDEN, T.; FARIOLI, F. Forças naturais: da bioeconomia à ecoeconomia e à produção de um lugar sustentável. In.: PREIS, P.; SCHNEIDER, S. (Orgs.). Sistemas alimentares no século XXI: debates contemporâneos. Porto Alegre: Ed. UFRGS, 2020. p. 25-49.

MARZULO, E. P.; HECK, M. A.; FILIPPI, E. E. Desigualdades socioeconômicas no Brasil: dinâmicas territoriais no urbano e no rural. Desenvolvimento Regional em debate, v. 10, p. 1377-1402, 2020.

PLOEG, J. D. V. D. Camponeses e impérios alimentares: lutas por autonomia e sustentabilidade na era da globalização. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2008.

PLOEG, J. D. V. D. Differentiation: old controversies, new insights. The Journal of Peasant Studies, London, p. 1 – 36, Set. 2017.

PLOEG, J. D. van der. From biomedical to politico-economic crisis: the food system in times of Covid-19. The Journal of Peasant Studies, v. 47, n. 5, p. 944-972, ago. 2020.

PREISS, P. V.; SCHNEIDER, S. Sistemas Alimentares no Século XXI: uma introdução ao debate. In.: PREIS, P.; SCHNEIDER, S. (Orgs.). Sistemas alimentares no século XXI: debates contemporâneos. Porto Alegre: Ed. UFRGS, 2020. p. 25-49.

SAKAMOTO, C. S.; NASCIMENTO, C. A.; MAIA, A. As famílias pluriativa e não agrícolas no rural brasileiro: condicionantes e diferenciais de renda. RESR, Piracicaba, v. 54, n. 03, p. 561-582, Jul./Set. 2016.

SCHNEIDER, S. A pluriatividade como estratégia de reprodução social da agricultura familiar no Sul do Brasil. Estudos Sociedade e Agricultura, Rio de Janeiro, v. 16, p. 164-184, 2001.

SCHNEIDER, S. Teoria social, agricultura familiar e pluriatividade. Revista Brasileira de Ciências Sociais, São Paulo, v. 18, n. 51, p. 99-121, 2003.

SCHNEIDER, S. et al. A pluriatividade e as condições de vida dos agricultores familiares do Rio Grande do Sul. In.: SCHNEIDER, S. (org.) A diversidade da agricultura familiar. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2006, p. 139 - 166.

SCHNEIDER, S. Mercados e agricultura familiar. In.: MARQUES, F. C. et al. (Org.). Construção de mercados e agricultura familiar: desafios para o desenvolvimento rural. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2016. p. 93 - 140.

SILVEIRA, F. G. O trabalho agrícola no boom do agronegócio e na expansão das políticas públicas para a pequena agricultura. Mercado de Trabalho, Brasília, n. 63, p. 28-38, Out. 2017.

THIES, V. F. Desagrarização e concentração produtiva: análise longitudinal das trajetórias da agricultura familiar nas Missões do RS. 2020. Tese (Doutorado em Desenvolvimento Rural) – Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Rural, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2020.

VILLWOCK, A. P. S. As estratégias de renda dos agricultores familiares de Itapejara d’ Oeste nos anos 2005 e 2010. 2015. Dissertação (Mestrado em Desenvolvimento Regional) - Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Regional, Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Pato Branco, 2015.

VILLWOCK, A. P. S. Meios de via e renda: uma pesquisa em painel de agricultores familiares do sudoeste do Paraná. 2018. Tese (Doutorado e Extensão Rural) – Programa de Pós-Graduação em Extensão Rural, Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, 2018.




DOI: http://dx.doi.org/10.17058/redes.v26i0.16819

Flag Counter

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.


Disponibilidade para depósito: permite o depósito das versões pré-print e pós-print de um artigo