Uma leitura territorialmente situada dos processos de transição agroecológica: ecologia de projetos na Região Serrana Fluminense

Autores

  • Juliano Luís Palm Pesquisador do Núcleo Ecologias, Epistemologias e Promoção Emancipatória da Saúde (Neepes/ENSP/Fiocruz). Doutor em Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade - Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (CPDA/UFRRJ). https://orcid.org/0000-0002-4697-8827
  • Claudia Job Schmitt Professora Associada do Programa de Pós-Graduação de Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade - Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (CPDA/UFRRJ). https://orcid.org/0000-0003-1248-2994
  • Claire Lamine Diretora de pesquisa em sociologia do l’Institut National de Recherche pour l’Agriculture, l’Alimentation et l’Environnement – INRAE - Unidade Ecodéveloppement. https://orcid.org/0000-0001-8102-1468

DOI:

https://doi.org/10.17058/redes.v26i0.16892

Palavras-chave:

Transições para a sustentabilidade, Sistemas agri-alimentares territoriais, Rio de Janeiro, Território, Ecologia de projetos

Resumo

Este artigo busca analisar, sob uma perspectiva diacrônica, um conjunto diversificado de iniciativas de ambientalização/ecologização da agricultura e do sistema agroalimentar, contextualizadas na Região Serrana do Rio de Janeiro, particularmente nos municípios de Petrópolis, Teresópolis e Nova Friburgo. As reflexões aqui apresentadas buscam dialogar com um emergente campo de estudos, de caráter interdisciplinar, que toma como objeto de investigação os processos de transição para a sustentabilidade. A pesquisa busca integrar uma abordagem de natureza sistêmica ao estudo das práticas e das experiências dos atores sociais, incorporando, também, contribuições advindas da geografia crítica brasileira e da sociologia francesa. O trabalho teve por base um conjunto diversificado de metodologias, incluindo análise documental, entrevistas semiestruturadas e observação participante. Os resultados alcançados colocam em evidência os efeitos gerados por um conjunto diversificado de contenções territoriais, que impõem limites à incorporação de princípios de sustentabilidade ao sistema agri-alimentar em nível territorial. Chamam atenção, ao mesmo tempo, para a capacidade de agência demonstrada pelos atores sociais na construção de projetos coletivos e individuais, possibilitando a emergência, ao longo do tempo, de um campo compartilhado de relações, quadros interpretativos e controvérsias, descrito pela pesquisa como uma ecologia de projetos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Juliano Luís Palm, Pesquisador do Núcleo Ecologias, Epistemologias e Promoção Emancipatória da Saúde (Neepes/ENSP/Fiocruz). Doutor em Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade - Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (CPDA/UFRRJ).

Doutor em Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade - Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (CPDA/UFRRJ). Pesquisador do Núcleo Ecologias, Epistemologias e Promoção Emancipatória da Saúde (Neepes/ENSP/Fiocruz)

Claudia Job Schmitt, Professora Associada do Programa de Pós-Graduação de Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade - Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (CPDA/UFRRJ).

Doutora em Sociologia pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Estágio de Doutorado no Exterior (Doutorado Sanduíche) realizado no Programa de Estudos Ambientais da Universidade da Califórnia, UC-Santa Cruz, Califórnia, Estados Unidos.

Claire Lamine, Diretora de pesquisa em sociologia do l’Institut National de Recherche pour l’Agriculture, l’Alimentation et l’Environnement – INRAE - Unidade Ecodéveloppement.

Doutora em Sociologia pela École des Hautes Études em Science Sociales (EHESS). Diretora de pesquisa em sociologia do l’Institut National de Recherche pour l’Agriculture, l’Alimentation et l’Environnement – INRAE - Unidade Ecodéveloppement.

Referências

ANDERSON, C. R.; BRUIL, J.; CHAPPEL, M. J. ; KISS, C. et al. Agroecology now ! Transformations towards more just and sustainable food systems. Cham – Switzerland: Palgrave Macmillan, 2021.

https://doi.org/10.1007/978-3-030-61315-0

BOLTANSKI, Luc; CHIAPELLO, Ève. O novo espírito do capitalismo. São Paulo: Martins Fontes, 2009.

CHANDRASHEKERAN, S. Multidimensionality and the multilevel perspective: territory, scale, and networks in a failed demand-side energy transition in Australia. Environment and Planning A: Economy and Space, v. 48, n. 8, p. 1636-1656, 2016.

https://doi.org/10.1177%2F0308518X16643728

CHATEAURAYNAUD, Francis. L’emprise comme expérience. Enquêtes

pragmatiques et théories du pouvoir. SociologieS. Février 2015. Disponível em : https://journals.openedition.org/sociologies/4931#text

https://doi.org/10.4000/sociologies.4931

GEELS, F. Ontologies, sociotechnical transitions (to sustainability) and multi-level perspective. Research Policy, n. 39, p. 495-510, 2010.

https://doi:10.1016/j.respol.2010.01.022

GEELS, F. Sociotechnical transitions to sustainability: a review of criticisms and elaborations of the Multi-Level perspective. Current opinion in environmental sustainability, v. 39, p. 187-201, 2019.

https://doi.org/10.1016/j.cosust.2019.06.009

HAESBAERT, Rogério. Dilema de conceitos: espaço-território e contenção territorial. In.: SAQUET, Marcos A. e SPOSITO, Eliseu S. (Org). Territórios e territorialidades: teorias, processos e conflitos. São Paulo: Editora Expressão Popular, 2009.

HAESBAERT, Rogério. Limites no espaço tempo: a retomada de um debate. Revista Brasileira de Geografia, v. 61, n. 1, p. 5-20, 2016.

https://doi.org/10.21579/issn.2526-0375_2016_n1_art_1

HINRICHS, C. C. Transitions to sustainability: a change in thinking about food systems change? Agriculture and Human Values, v. 31, n. 1, p. 143-155, 2014. https://doi.org./10.1007/s10460-014-9479-5.

KÖHLER, J.; GEELS, F. W.; KERN, F.; MARKARD, J. et al. An agenda for sustainability transitions research: State of the art and future directions. Environmental Innovation and Social Transitions, v. 31, p. 1-32, 2019.

https://doi.org/10.1016/j.eist.2019.01.004

LAMINE, C. Sustainable Agri-food Systems: case studies in transitions towards sustainability from France and Brazil. London: Bloomsbury Publishing, 2020.

LAMINE, C. La fabrique sociale de l’écologisation de l’agriculture. Marseille-France : Les Éditions La Discussion, 2017.

LAVALLE, A. G.; VON BÜLLOW, M. Sociedade civil e institucionalização da intermediação: Brokers diferentes, dilemas semelhantes. Revista Política & Sociedade, v. 13, n. 28, p. 125-165, 2014.

https://doi.org/10.5007/2175-7984.2014v13n28p125

NIEDERLE, P. A.; WESZ JUNIOR, V. J. As novas ordens alimentares. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2018.

OLLIVIER, G.; MAGDA, D.; MAZÉ, A.; PLUMECOCQ, G. ; LAMINE, C. Agroecological transitions: what can sustainability transition frameworks teach us? An ontological and empirical analysis. Ecology and Society, v. 23, n. 2 (5), 2018. https://doi.org/10.5751/ES-09952-230205

WEZEL, A.; HERREN, B. G.; KERR, R. B; BARRIOS, E.; et al. Agroecological principals and elements and their implications for transitioning to sustainable food systems. A review. Agronomy for Sustainable Development, n. 40, Article 40, 2020. https://doi.org/10.1007/s13593-020-00646-z

Publicado

2021-12-23

Como Citar

Palm, J. L., Schmitt, C. J., & Lamine, C. (2021). Uma leitura territorialmente situada dos processos de transição agroecológica: ecologia de projetos na Região Serrana Fluminense. Redes, 26. https://doi.org/10.17058/redes.v26i0.16892

Edição

Seção

Territórios e transições para a sustentabilidade