Projeto Governo Cidadão e o enfoque em Arranjos Produtivos Locais: uma análise dos limites da abordagem no Rio Grande do Norte

Autores

DOI:

https://doi.org/10.17058/redes.v26i0.16907

Palavras-chave:

Arranjos Produtivos Locais. Desenvolvimento territorial rural. Projeto Governo Cidadão. Rio Grande do Norte. Território Açu-Mossoró.

Resumo

A abordagem de desenvolvimento pautada na constituição de Arranjos Produtivos Locais (APLs) tem, ao longo dos anos, despertado o interesse de diversas instituições, como o Banco Mundial, que vem recomendando a sua adoção no âmbito das políticas públicas. O estado do Rio Grande do Norte passou a adotar este enfoque no Projeto Governo Cidadão. À luz do contexto econômico, social e político de espaços deprimidos, questionam-se os limites que se apresentam para as políticas públicas ao adotarem a abordagem de APL como estratégia para o desenvolvimento territorial. Busca-se discutir os principais problemas de se institucionalizar a ideia de APL como instrumento de política pública no Rio Grande do Norte. A construção teórica respalda-se sobre a noção de APLs, a inserção desta abordagem na agenda de desenvolvimento do Banco Mundial e a apresentação do Projeto Governo Cidadão. Utiliza-se, na análise, dados secundários presentes na literatura, bem como lança-se mão de entrevistas semiestruturadas, grupos focais e observações simples e participante, tomando-se como referência um estudo de caso, o território Açu-Mossoró. Identificam-se importantes aspectos limitantes, dentre os quais, a falta de um conceito aglutinador de APL, a reduzida geração de economias externas e o baixo nível de capital social e governança. Conclui-se que é preciso refletir sobre a relação entre espaços subnacionais e organismos multilaterais. Ademais, o enfoque em APLs exige um processo pautado na participação efetiva do Estado.

Referências

APOLINÁRIO, V. et al. Análise do Balanço de Pagamentos do estado e a importância dos APLs no Fluxo de Comércio – Rio Grande do Norte. PROJETO DE PESQUISA (BNDES / FUNPEC) – Análise do mapeamento e das políticas para arranjos produtivos locais no Norte, Nordeste e Mato Grosso e dos impactos dos grandes projetos federais no Nordeste. Natal/RN, setembro 2009b. (NOTA TÉCNICA 4/RN). Disponível em: <http://www.politicaapls.redesist.ie.ufrj.br/>. Acesso em: dezembro de 2014.

APOLINÁRIO, V. et al. Mapeamento, metodologia de identificação e critérios de seleção para políticas de apoio nos Arranjos Produtivos Locais – Rio Grande do Norte. PROJETO DE PESQUISA (BNDES / FUNPEC) – Análise do mapeamento e das políticas para arranjos produtivos locais no Norte, Nordeste e Mato Grosso e dos impactos dos grandes projetos federais no Nordeste. Natal/RN, maio 2009a. (NOTA TÉCNICA 2/RN). Disponível em: <http://www.politicaapls.redesist.ie.ufrj.br/>. Acesso em: dezembro de 2014.

APOLINÁRIO, V.; SILVA, M.L. Políticas para Arranjos Produtivos Locais: análise em estados do Nordeste e Amazônia Legal. 1ª ed. Natal: Editora da UFRN - EDUFRN, 2010. v.1. 400p.

BAGNASCO, A. Desenvolvimento regional, sociedade local e economia difusa. In: Cocco, G.; Urani, A.; Galvão, A. P. (Orgs.). Empresários e empregos nos novos territórios produtivos: o caso da terceira Itália. Rio de Janeiro: DP&A Editores, 1999. p. 33-43.

BECATTINI, G. Os distritos industriais na Itália. In: Cocco, G.; Urani, A.; Galvão, A. P. (Orgs.). Empresários e empregos nos novos territórios produtivos: o caso da terceira Itália. Rio de Janeiro: DP&A Editores, 1999. p. 45-58.

CASSIOLATO, J.E.; LASTRES, H.M.M. O foco em arranjos produtivos e inovativos locais de micro e pequenas empresas. In: CASSIOLATO, J. E., LASTRES, H. M. M. e MACIEL, M.L.(Orgs.) Pequena Empresa: Cooperação e Desenvolvimento Local. Rio de Janeiro: Ed. Relume Dumará, 2003.

COELHO, J. C. Economia, poder e influência externa: o Grupo Banco Mundial e as políticas de ajustes estruturais na América Latina, nas décadas de oitenta e noventa. 2002. 261 p. Tese (Doutorado em Ciências Sociais) – Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Estadual de Campinas, Campinas (SP), 2002.

CROCCO, M. et al. Metodologia de Identificação de Aglomerações Produtivas Locais. Nova Economia, v. 16, n. 2, p. 211-241, mai-ago. 2006.

FERNANDES, V. R. V.; ORTEGA, A. C.; JESUS, C. M. Território Açu-Mossoró: limites e possibilidades das políticas territoriais rurais no Rio Grande do Norte. CAMPO-TERRITÓRIO: revista de geografia agrária, v. 13, n. 31, p. 83-113, dez., 2018. DOI: http://dx.doi.org/10.14393/RCT133104.

GOVERNO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE. Manual operativo do Projeto Integrado de Desenvolvimento Sustentável do Rio Grande do Norte – RN Sustentável. Natal: Seplan, 2013a.

GOVERNO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE. Relatório de identificação e mapeamento das aglomerações produtivas do estado do Rio Grande do Norte. Natal: Seplan, 2013b.

KAPUR, D.; LEWIS, J. P.; WEBB, R. The World Bank: its first half century. v. 1. Washington DC: Brookings Institution Press, 1997.

JESUS, C. M de; FERNANDES, V. R. V. Territórios potiguares induzidos pelas políticas de desenvolvimento territorial rural: uma discussão dos resultados socioeconômicos. In: 53º Congresso da Sociedade Brasileira de Economia, Administração e Sociologia Rural, 2015, João Pessoa. Anais do 53º Congresso da Sociedade Brasileira de Economia, Administração e Sociologia Rural. João Pessoa, 2015. p. 1-19.

JESUS, C. M. de. Desenvolvimento territorial rural: análise comparada entre os territórios constituídos autonomamente e os induzidos pelas políticas públicas no Brasil e na Espanha. 2013. 289 p. Tese (Doutorado em Economia) – Instituto de Economia, Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia (MG), 2013.

LASTRES, H. M. M. Avaliação das políticas de promoção de arranjos produtivos locais no Brasil e proposição de ações. Rio de Janeiro: CCGE, março de 2007.

LASTRES, H. M. M.; CASSIOLATO, J.E. Glossário de Arranjos e Sistemas Produtivos e Inovativos Locais. Disponível em: <http://www.ie.ufrj.br/redesist/P4/textos/Glossario.pdf>. Acesso em: janeiro de 2015.

MARSHALL, A. Princípios de economia: tratado introdutório. São Paulo: Nova Cultural, 1996.

NIPPON KOEI. Diagnóstico e planejamento estratégico para o desenvolvimento de atividades produtivas agrícolas do Rio Grande do Norte. Consórcio Nippon Koei LAC, abril de 2016.

ORTEGA, A. C. Desenvolvimento territorial rural no Brasil: limites e potencialidades dos CONSADs. RER, Rio de Janeiro, v. 45, n. 2, p. 275-300, abr-jun. 2007. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0103-20032007000200003

PEREIRA, J.M.M. O Banco Mundial como ator político, financeiro e intelectual (1944-2008). 2009. 382 p. Tese (Doutorado em História) – Instituto de Ciências Humanas e Filosofia, Universidade Federal Fluminense, Niterói (RJ), 2009.

PEREIRA, J.M.M. O Banco Mundial e a construção político-intelectual do “combate à pobreza”. Topoi, v. 11, n. 21, p. 260-282, jul.-dez. 2010.

PUTNAM, R. Comunidade e democracia. A experiência da Itália moderna. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas Editora, 2000.

STERN, N.; FERREIRA, F. The World Bank as “intellectual actor”. In: KAPUR, Devesh et al. (eds.). The World Bank: its first half century – Perspectives. Washington DC: Brookings Institution Press, 1997. vol. 2. p. 523-610.

WORLD BANK. Clusters for competitiveness: a practical guide & policy implications for developing cluster initiatives. Washington DC: The World Bank, 2009.

Publicado

2021-08-10

Edição

Seção

Artigos