Agroecologia e Economia Solidária: um diálogo necessário à consolidação do direito à soberania e segurança alimentar e nutricional

Ana Dubeux, Marcela Peixoto Batista

Resumo


O presente artigo tem como objetivo analisar as práticas dos movimentos de agroecologia e de economia solidária na conquista do direito à soberania e segurança alimentar e nutricional. Nem sempre possuindo as mesmas estratégias de ação, tais movimentos se encontram nos diferentes territórios de atuação para fortalecer-se mutuamente e lutar pela consecução de objetivos que favoreçam a luta camponesa pelos direitos humanos. A territorialidade reúne objetivos e propostas, enredando as diferentes iniciativas na construção de mercados econômicos solidários. As práticas de comercialização através da organização dos chamados circuitos curtos de comercialização que se manifestam em feiras, organização de grupos de consumo e de redes de comercialização solidária, indicam que esta é a estratégia capaz de contribuir para a consecução do direito à uma alimentação saudável, tanto para aqueles que a produzem como para a sociedade em geral.

Palavras-chave


Economia solidária. Agroecologia. Movimentos sociais. Direitos humanos. Soberania alimentar e nutricional.

Texto completo:

Artigo


DOI: http://dx.doi.org/10.17058/redes.v22i2.9340

Flag Counter

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.


Disponibilidade para depósito: permite o depósito das versões pré-print e pós-print de um artigo