Usos de si no ensino remoto emergencial: A atividade docente sob os enfoques dialógico e ergológico

Márcia Cristina Neves Voges, Maria da Glória Corrêa di Fanti

Resumo


O presente artigo problematiza a atividade laboral do professor no que diz respeito ao enfrentamento do trabalho a distância, em home office, no contexto emergencial exigido pela pandemia do novo coronavírus (COVID-19). Tendo como pressupostos teóricos a perspectiva dialógica do discurso e a abordagem ergológica do trabalho, esta investigação visa a analisar características das dramáticas de uso de si na atividade de professores que exerciam a docência presencial e que passaram ao ensino remoto. Para tanto, são analisados quatro depoimentos de professores do ensino básico, publicados em reportagens divulgadas no G1 e no UOL, em junho de 2020. Os resultados contribuem para o (re)conhecimento dos debates de normas e valores que afetam o professor no ensino remoto e, consequentemente, para possíveis transformações das próprias práticas laborais no pós-pandemia.

Palavras-chave


Usos de si. Ensino remoto emergencial. Atividade docente. Dialogismo. Ergologia.

Texto completo:

PDF

Referências


ABED. Associação Brasileira de Educação a Distância. Disponível em Acesso em: 01 de ago. de 2020.

AMIGUES, René. Trabalho do professor e trabalho de ensino. In: Machado, A. R. (org.). O ensino como trabalho: uma abordagem discursiva. Londrina: Eduel, 2004.

BAKHTIN, M. Os gêneros do discurso (1952-1953). Organização, tradução, posfácio e notas de Paulo Bezerra. Notas da edição russa de Serguei Botcharov. Rio de Janeiro: Editora 34, 2017.

BAKHTIN, M. O discurso no romance. In: Teoria do romance I: A estilística. Tradução Paulo Bezerra. São Paulo: Editora 34, 2015.

BAKHTIN, M. Estética da criação verbal (1979). Tradução de Paulo Bezerra. 6. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2011.

BAKHTIN, M. Problemas da poética de Dostoiévski (1963). Tradução de Paulo Bezerra. Rio de Janeiro: Forense, 2010.

BAKHTINE, M. Pour une philosophie de l´acte (1920-1924/1986). Tradução de Ghislaine C. Bardet. Paris: Editions L’Age d´Homme, 2003.

BRASIL. Parecer CNE/CP nº. 9/2020. DF, 2020. Disponível em Acesso em: 05 de ago. de 2020.

BRASIL. Base Nacional Comum Curricular. DF, 2016. Disponível em Acesso em: 05 de ago. de 2020.

BRASIL. Parâmetros Curriculares Nacionais. DF, 1997. Disponível em Acesso em: 05 de ago. de 2020.

DI FANTI, M. G. C. Questões de (in)visibilidade: linguagem e trabalho. Desenredo, v. 15, p. 350-369, 2019.

DI FANTI, M. G. C. Ethos e ato ético: o discurso intolerante em redes (sociais) de sentidos. Projeto de pesquisa. CNPq, 2017.

DI FANTI, M. G. C. Linguagem e trabalho: diálogos entre estudos discursivos e ergológicos. Letras Hoje, Porto Alegre, v. 49, n. 3, p. 253-258, jul./set. 2014.

DI FANTI, M. G. C. Linguagem e trabalho: diálogo entre a translinguística e a ergologia. Desenredo, v. 8, p. 309-329, 2012.

DURRIVE, L. L’expérience des normes. Comprendre l’activité humaine avex la démarche ergologique. Toulouse: Octarès Éditions, 2015.

FAÏTA, D. O desenvolvimento de uma situação do trabalho docente no diálogo entre professores: uma atividade discursiva sobre a atividade educativa. Trad. Maristela Botelho França. In: Di Fanti, M. G.; França, M.; Vieira, M. (org.) Análise dialógica da atividade profissional. Rio de Janeiro: Express, 2005, p.117-145.

FAÏTA, D. Análise das práticas linguageiras e situações de trabalho: uma renovação metodológica imposta pelo objeto. In: Souza-e-Silva, M. C. P. e Faïta, D. (org.), Linguagem e trabalho: construção de objetos de análise no Brasil e na França. Tradução de Inês Polegatto e Décio Rocha. São Paulo: 2002. p. 45-60.

FARACO, C. A. Linguagem & diálogo: as ideias linguísticas do Círculo de Bakhtin. São Paulo: Parábola Editorial, 2009.

FRANCO, G. Coronavírus: professores falam dos desafios e vantagens de trabalhar em casa. UOL.

Acesso 21 de ago. 2020.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa (1996). 63. ed. Rio de Janeiro/São Paulo: Paz e Terra, 2020.

FREIRE, P. Pedagogia do oprimido. 17. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.

Acesso: em 25 de ago. de 2020.

HINZ, J. R.; DI FANTI, M. G. C. O trabalho do professor-estagiário de língua portuguesa: uma atividade direcionada a quem? Alfa (Unesp), v. 57, p. 315-339, 2013.

IBGE. Instituto Brasileiro De Geografia e Estatística. Disponível em Acesso: em 03 de ago. de 2020.

LEITE, M. A.; VOGES, M. C. N. (org.). Linguagem e Tecnologia. In: A afetividade e o trabalho na educação a distância. Belo Horizonte: Tradição Planalto, 2020. p. 13-28.

MACHADO, I. B.; DI FANTI, M. G. C. Da criação de espaços de dizer: (re)normalizações e usos de si no trabalho. Moara, v. 1, p. 21-36, 2013.

MEDVIÉDEV, P. O método formal nos estudos literários: introdução crítica a uma poética sociológica (1928). Tradução de Sheila Camargo Grillo e EkaterinaVólkova Américo. São Paulo: Contexto, 2012.

MENDEZ, B. Professores relatam mais trabalho em nova rotina de ensino pela internet durante pandemia. G1. Acesso 21 ago. 2020.

PRENSKY, M. Digital Native, digital immmigrants. Digital Native immigrants. On the horizon, MCB University Press, v. 9, n. 5, October, 2001. Disponível em: Acesso em: 05 de ago. de 2020.

SAUJAT, F. O trabalho do professor nas pesquisas em educação: um panorama. Tradução de Anna Rachel Machado. In: Machado, A. R. (org.). O ensino como trabalho: uma abordagem discursiva. São Paulo: Eduel, 2004. p.3-34.

SCHWARTZ, Y. Uma entrevista com Yves Schwartz. Realização de Maria da Glória Corrêa di Fanti e Vanessa Fonseca Barbosa. Letrônica, v. 9, n. esp., 2016, p. 222-233.

SCHWARTZ, Y. Motivações do conceito de corpo-si, atividade, experiência. Tradução de Adail Sobral. Letras de Hoje, Porto Alegre, v. 49, n. 3, p. 259-274, 2014.

SCHWARTZ, Y. Conceituando o trabalho, o visível e o invisível. Tradução de Cristine Vargas Pereira e Roseli Figaro. Trabalho, Educação e Saúde, Rio de Janeiro, v. 9, s. 1, p. 19-45, 2011.

SCHWARTZ, Y. A linguagem em trabalho. Tradução de Maria Cecília Pérez de Souza-e-Silva e Décio Rocha. In: Schwartz, Y.; Durrive, L. (Org.). Trabalho & ergologia: conversas sobre a atividade humana. Coord. da tradução e revisão técnica de Jussara Brito e Milton Athayde. Niterói: EdUFF, 2010. p. 131-148.

SCHWARTZ, Y.; DURRIVE, L. (Org.). Trabalho & ergologia: conversas sobre a atividade humana. Coord. da tradução e revisão técnica de Jussara Brito e Milton Athayde. Niterói: EdUFF, 2010.

TARDIF, M. Saberes docentes e formação profissional. 17. ed. Petrópolis, RJ: Editora Vozes, 2017.

VOLÓCHINOV, V. A palavra na vida e a palavra na poesia (1926): ensaios, artigos, resenhas e poemas. Organização, tradução, ensaio introdutório e notas de Sheila Grillo e Ekaterina Vólkova Américo. São Paulo: Editora 34, 2019.

VOLÓCHINOV, V. Marxismo e filosofia da linguagem: problemas fundamentais do método sociológico na ciência da linguagem (1929). Tradução, notas e glossário de Sheila Grillo e Ekaterina Vólkova Américo; ensaio introdutório de Sheila Grillo. São Paulo: Editora 34, 2017.

WEISER, M. The Computer for the Twenty-First Century. Scientific American. September. 1991. p. 94-104. Disponível em < https://www.lri.fr/~mbl/Stanford/CS477/papers/Weiser-SciAm.pdf> acesso em: 03 de ago. de 2020.




DOI: http://dx.doi.org/10.17058/signo.v46i85.15653

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.


Disponibilidade para depósito: permite o depósito das versões pré-print e pós-print de um artigo