Ler e escrever criativamente: cores poéticas na prática de letramento literário cadáver esquisito

Beatriz Pereira Almeida, Alinne de Morais Oliveira Cordeiro, Rildo Cosson

Resumo


O artigo relata uma prática de letramento literário inspirada na técnica surrealista do cadáver esquisito, vivenciada com alunos do Programa de Pós-Graduação em Letras da Universidade Federal da Paraíba, no primeiro semestre de 2020. Partindo da presença necessária da poesia na escola (Pinheiro, 2018), a prática se apresenta como uma estratégia didática que pode proporcionar ao educando uma experiência literária dessacralizadora da leitura e da produção poética. Amparados nos pressupostos do letramento literário (Cosson, 2019), discutiremos e analisaremos a experiência de ler e produzir poemas em sala de aula através da técnica do cadáver esquisito. Por meio dessa reflexão analítica, propomos essa prática como uma alternativa aos educadores que, em meio à pandemia da Covid-19, precisam atuar no ensino a distância. Em relação à metodologia, este estudo segue uma abordagem qualitativa de natureza aplicada, quanto aos procedimentos ela se configura como um educational design experiment.

Palavras-chave


Cadáver esquisito. Letramento literário. Ensino de literatura.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.17058/signo.v46i85.15819

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.


Disponibilidade para depósito: permite o depósito das versões pré-print e pós-print de um artigo